A Feira do Cartaxo (Ribatejo) em 1912

Feira do Cartaxo

A feira do Cartaxo [em 1912] compunha-se de 93 barracas de diversas especialidades, tendo aparecido grande número de géneros à venda e havendo uma excepcional concorrência.

O que mais afluiu ao mercado foi a fruta e sobretudo as castanhas e as nozes da região, que são esplêndidas.

Dos arrabaldes vieram muitos forasteiros, pelas largas estradas cheias de pitoresco passaram os carros e as montadas que conduziram toda aquela gente.

No meio das notas características da feira apareceram também, num alarde civilizado, os animatógrafos, onde o povo se divertiu tanto como na tourada, que foi magnífica.

A Feira do Cartaxo (Ribatejo) em 1912
Na feira
A Feira do Cartaxo (Ribatejo) em 1912
Vindo do arrabalde do Cartaxo.
A Feira do Cartaxo (Ribatejo) em 1912
Forasteiros
A Feira do Cartaxo (Ribatejo) em 1912
Raparigas da localidade
A Feira do Cartaxo (Ribatejo) em 1912
Conversados

Fonte: “Ilustração Portuguesa”, nº 352 – 18 de Novembro de 1912

Feira dos Santos – Cartaxo

A Feira dos Santos, no Cartaxo, realiza-se 1 de Novembro.

Em 1 de Novembro – na Liturgia Católica, Dia de Todos-os-Santos – todas as estradas do Ribatejo, Oeste e regiões limítrofes convergem para o Cartaxo, a fim de virem comparticipar com os cartaxeiros a realização da sua Feira maior!

De facto, a “Feira dos Santos“, nesta castiça cidade ribatejana, tem foros de interesse regional desde há muitos anos.

No séc. XVII, na Quinta do Senhor Jesus, ou melhor, na então Quinta do Moinho da Fonte, célebre pelos milagres do seu Santo Cristo, nasceu por mercê real, em 1654 uma feira que era a primeira que cá no burgo se efectivava, sendo instituído o dia que caísse o 3º domingo de Agosto.

No centro da vila do Cartaxo haviam os frades franciscanos mendicantes erigido um convento, em cuja cerca havia um pequeno bosque no qual, no dia 18 de Novembro se travou um combate sem consequências notáveis, entre as tropas portuguesas e as invasoras napoleónicas comandadas pelo General Massena.

Esse bosque foi destruído e muitos anos mais tarde o convento foi transformado em sede municipal, funcionando lá a Câmara Municipal, algumas escolas, o Tribunal e a cadeia comarcã. Ler+