Festa das Cruzes em Barcelos | Minho

Festa das Cruzes – Barcelos

A Festa das Cruzes, em Barcelos, assinala-se todos os anos no princípio de Maio.

O dia 3 de Maio é consagrado ao Senhor Bom Jesus da Cruz e é feriado municipal em Barcelos. A festa tem normalmente 5 dias, incluindo o dia 1 e 3 de Maio.

A Festa das Cruzes é a primeira grande romaria do Minho e é também o retrato do Barcelos autêntico nas suas mais originais tradições religiosas, etnográficas e culturais.

As suas origens remontam ao início do séc. XVI e tem origem no milagre das Cruzes, que aconteceu em 1504.

Este facto motivou o nascimento da devoção ao Senhor da Cruz e, posteriormente, a construção do templo barroco, em pleno centro da cidade.

Até ao séc. XX, a festa tinha exclusivamente um cariz religioso. No séc. XX anexaram-se elementos de animação das festas populares.

Barcelos em Festa!

Actualmente, na Festa das Cruzes, Barcelos ganha um aspecto peculiar.

Nestes dias, a cidade recebe milhares de visitantes e forasteiros, nacionais e estrangeiros, que chegam para apreciar os Ranchos Folclóricos, os Zés-Pereiras, as Bandas de música popular, os grupos de cantares populares.

Também os tapetes de flores naturais – que todos os anos engrandecem o Templo do Bom Jesus da Cruz -, a grandiosa procissão da Invenção da Santa Cruz e as grandiosas sessões de fogo-de-artifício e piromusical, que iluminam as margens do rio e embelezam todo o centro histórico da cidade.

Nas Cruzes respira-se em Barcelos o ar típico das romarias minhotas, com os “comes e bebes”, os cantares ao desafio, o artesanato ao vivo, os cortejos etnográficos, as concertinas, o estalejar dos morteiros, o arraial.

Sem esquecer a alegria do povo e toda envolvência cultural e etnográfica associada às romarias populares que fazem desta uma das maiores de Portugal.

São manifestações de uma alegria contagiante que anunciam que Barcelos está em Festa!

Imagem

Romarias e Festas Populares no mês de Julho

Durante o mês de Julho, realizam-se as seguintes Romarias e Festas Populares em Portugal:

Primeiro fim-de-semana

Festa do Senhor do Socorro | Ponte de Lima

O Santuário do Senhor do Socorro foi construído em 1773, tem uma só nave, capela-mor com lanternim e fachada rococó com duas torres. Apresenta-se com uma imponente escadaria ladeada de um muro repleto de figuras bíblicas e anjos.

A tradicional romaria decorre no primeiro sim de semana de julho, juntando romeiros e forasteiros que ali confluem para apreciar a festa: os bombos a anunciar a festa, as bandas de música, os ranchos folclóricos, a animação popular durante o baile de sábado e a majestosa procissão de domingo.

local: Avenida de Nosso Senhor do Socorro – Labruja | GPS: 41°50’30,330”N 8°35’36,642”W

Romaria Grande de São Torcato | Guimarães

A Romaria Grande de S. Torcato permite viver e sentir uma das maiores romarias do Minho. Aqui pode-se sentir as mais vincadas tradições populares numa área de grande ruralidade e com um modo de vida próximo de antigos costumes rurais.

O culto a S. Torcato remonta a tempos imemoriais, no entanto, a Romaria Grande terá começado em 1852, aquando da trasladação do corpo incorrupto de S. Torcato da antiga igreja para o novo templo.

Tem as suas atividades divididas entre cerimónias religiosas de devoção ao santo e manifestações populares de alegria, onde predomina o folclore genuíno do Minho.

local: Mosteiro de S. Torcato | GPS: 41°28’54.65”N 8°15’30.54”W

Festa de Santa Ana | Mogadouro

Ofício religioso de invocação a Santa Ana, mãe de Maria. O dia 26 de julho é dedicado a Santa Ana e a S. Joaquim, os pais de Maria.

A festa em Mogadouro comemora-se no primeiro domingo de julho. A Ermida de Santa Ana é apenas lugar de romaria uma vez por ano que, no seu caracter mais pagão, é designada a “festa dos solteiros”.

local: Rua de Santa Ana | GPS: 41°20’13.00”N 6°43’25.57”W

Primeiro domingo

Festa em honra de Nossa Senhora do Livramento | Terras de Bouro

A freguesia de Vilar, concelho de Terras de Bouro, celebra no primeiro domingo de julho as festividades de Nossa Senhora do Livramento.

Das festas, destacam-se os diversos atos religiosos, nomeadamente a Procissão de Velas ao início da noite e a procissão com o andor da Senhora do Livramento em direção ao santuário, com paragem junto ao Calvário do Senhor dos Aflitos.

Depois da procissão é celebrada uma eucaristia e sermão. De igual modo, os grupos musicais e o fogo-de-artifício enaltecem estas festividades.

A Capela Nossa Senhora do Livramento, construída entre os séculos XVII e XVIII, é um pequeno santuário que tem por curiosidade a existência de uma caixa de morteiros – pequena peça de artilharia – de pólvora seca, que serve para anunciar as festividades aos povos vizinhos.

local: Freguesia de Vilar | GPS: 41°43’38.06”N 8°16’56.88”W

Festa da cidade de Rebordosa e de São Migue | Rebordosa – Paredes

Festa de carácter religioso, com Missa e Procissão Solene, realizam-se também três procissões das três capelas.

De carácter recreativo, destaque para o Encontro de Coros, Festival de Folclore, espetáculos de música popular e fogo-de-artifício.

local: Alameda do Salvador | GPS: 41.222.247,00 -8.411.417

Fim-de-semana anterior ao dia 11 até ao fim de semana seguinte

Festa em honra de S. Bento das Pêras | Gondomar

A 11 de julho, Rio Tinto celebra a Festa em honra de S. Bento, conhecido por S. Bento das Pêras, cujo ponto alto é a procissão, atraindo milhares de devotos que fazem o percurso levando cravos.

São Bento é considerado o advogado das causas impossíveis.

local: Igreja Matriz de Rio Tinto – Largo do Mosteiro | GPS: 41.17786; -8.I559227

Dias 10 a 13

Festa de São Bento | Caminha

Entre os dias 10 e 13 de julho, a freguesia de Seixas está em festa. Comemoram-se as Festas em honra de São Bento.

Esta festividade popular, já com tradição, atrai milhares de romeiros à freguesia, quer para participarem no culto religioso – como, por exemplo, entregar os cravos e outras esmolas a São Bento -, quer para desfrutarem da animação que a festa proporciona: bandas de música, fanfarras, Zés Pereiras e bombos, espetáculos de fogo-de-artifício e espetáculos variados.

Do programa religioso, destaca-se a Missa Solene que se realiza na manhã do dia 11, seguida da procissão e do tradicional sermão, na praia fluvial e a “Bênção dos Barcos”.

local: Largo e Capela de S. Bento – Seixas | GPS: 41°53’45.86’N 8° 49’6.71’W

Dia 11

Festa de São Bento | Melgaço

Celebração de Missa no Convento de Fiães, seguida de piquenique festivo realizado tradicionalmente na envolvente do Convento de S. Bento.

local: Freguesia de Fiães | GPS: 42°06’14.62’’ 8°12’40.19’’

Dia 11 e fim-de-semana posterior

Festa de São Bento das Pêras | Vizela

A Festa em honra de S. Bento das Peras, ou “S. Bentinho”, como carinhosamente é conhecido, realiza-se a 11 de julho, acontecendo a grande peregrinação no domingo a seguir.

Na véspera, a imagem do santo desce um ano para a Igreja de S. Miguel e outro para Tagilde, saindo das mesmas no domingo em peregrinação até ao alto da montanha, associando-se milhares de peregrinos que, a pé, rezam e cantam, ou simplesmente vão em silêncio, levando cravos vermelhos ou brancos na boca.

É também frequente verem-se, sobretudo, mães com os seus filhos ao colo, agradecendo assim a S. Bento as graças concedidas. No final da caminhada celebra-se uma Missa Campal.

Nas noites de sexta e sábado, há alguma animação musical, proporcionando o convívio de muitas famílias, fazendo-se os tradicionais piqueniques e jogos tradicionais.

local: Rua Monte de S. Bento |GPS: 41.230574 -8.171681

Dia 11 e dias anteriores ou posteriores (de acordo com o calendário)

Romaria de São Bento | Santo Tirso

É a principal romaria do concelho de Santo Tirso, onde o sagrado e o profano se interligam. Atrai à cidade milhares de devotos que fazem a sua peregrinação até à Igreja Matriz, para cumprimento de suas promessas, oferecendo para o efeito ovos, sal e cravos.

11 de julho é dia de S. Bento e feriado municipal. São realizadas várias missas solenes.

A parte profana conta com um programa bastante diversificado, onde se destacam os concertos, arruadas de bombos, atividades desportivas, exibições etnográficas e várias sessões de fogo-de-artifício.

No recinto da feira tem lugar o típico arraial com todas as características minhotas, barracas de vinhos e petiscos, artesanato e divertimentos.

local: Praça 25 Abril | GPS: 41°20’29.9”N 8°28’24.2”W

Semana anterior ao segundo domingo até à segunda-feira seguinte

Festa de Nossa Senhora do Bom Despacho | Maia

As Festas do concelho da Maia em honra a Nossa Senhora do Bom Despacho são uma tradição na cidade da Maia que remonta a meados do século XVIII, havendo uma narração datada de 1733.

É uma expressão de fé associada a manifestações culturais, desportivas e lúdicas, que têm a capacidade de construir e solidificar uma comunidade que se pretende unida e pautada por valores propícios ao bem comum.

local: Av. Visconde Barreiros e Largo da Igreja | GPS: 41°13’58.04”N 8°37’31.56”W

Segunda semana

Romaria de Santa Helena da Cruz | Tarouca

Durante nove dias, a Serra de Santa Helena acolhe a população nas tradicionais novenas.

O ponto alto dos festejos tem lugar no segundo domingo de julho, com a eucaristia normalmente presidida pelo Bispo de Lamego, à qual se segue a Bênção dos Campos e a Procissão do Adeus.

Durante o dia da festa, tem também lugar a tradicional Feira Anual.

A singularidade das comemorações em honra de Santa Helena da Cruz atrai, anualmente, centenas de visitantes ao cume da Serra, havendo inclusive a tradição de pernoitar nas imediações do santuário durante os dias de festa.

local: Serra de Santa Helena | GPS: 41°0’5.96”N 7°47’40.69”W

Segundo fim-de-semana

Festa de Vilar de Maçada em honra do Senhor Jesus da Capelinha | Alijó

A Festa de Vilar de Maçada realiza-se em julho e é dedicada ao Senhor Jesus da Capelinha.

Esta romaria é por norma muito animada, especialmente a nível musical, e por isso conta sempre com muita adesão por parte dos jovens que a ela acorrem com um grande espírito de diversão.

local: Vilar de Maçada | GPS: 41.268259257791044 -7.466583251953125

Festas do concelho | Fafe

As Festas em honra de Nossa Senhora de Antime e de Nossa Senhora das Dores têm origem numa conhecida lenda.

Segundo esta, a imagem da Virgem teria aparecido no Monte de S. Jorge, local disputado pelas duas freguesias, Fafe e Antime.

Após longas discussões, as populações decidiram que a imagem de Nossa Senhora de Antime ficaria todo o ano na Igreja de Antime mas, no dia da sua festa, os homens de Antime iriam levá-la ao limite da paróquia.

Aí, os de Fafe a levariam para a sua vila, onde festejariam até ao pôr-do-sol, altura em que a imagem de Nossa Senhora voltaria à sua residência habitual.

Atualmente, depois da eucaristia, começa a procissão.

Dez homens, de sobrepeliz branca e pés descalços, pegam no pesado andor onde está instalada a imagem da Nossa Senhora da Misericórdia, com o ilho ao colo, enfrentando três horas de caminho.

Junto à Ponte de S. José, na fronteira entre as freguesias, dá-se o encontro entre a imagem de Nossa Senhora de Antime e da imagem de Nossa Senhora das Dores.

Aí, frente a frente, fazem uma pequena vénia, que simboliza as boas vindas de Fafe à sua convidada de Antime. A Senhora é, então, de Fafe, ainda que por poucas horas. A procissão prossegue, pára nos Paços do Concelho, passa pela Igreja Matriz e termina na Igreja Nova de S. José.

Ali permanece até às 18:00 horas, regressando a Antime. Ao final da tarde, cumpridas as promessas, a imagem regressa ao seu lugar de todo o ano.

local: Centro da Cidade | GPS: 41°27’05.91”N 8°10’15.18”W

Festa do Mártir São Sebastião | Matosinhos

A Festa do Mártir S. Sebastião é a festa dos pescadores de Matosinhos. Da Igreja Matriz sai uma majestosa procissão que vai até à Doca Pesca.

Os pescadores exprimem ao seu santo padroeiro toda a sua devoção e pedem-lhe um mar farto e seguro. Vestem os seus filhos de anjinhos, carregam o andor do Mártir S. Sebastião e engalanam os seus barcos para que sejam benzidos, juntamente com o mar.

No domingo de manhã assistem a uma Missa Solene na Igreja do Bom Jesus de Matosinhos. A festa religiosa não acaba sem um espetáculo de variedades e de ranchos folclóricos, seguido de um magistral fogo-de-artifício.

local: Lota de Matosinhos | GPS: 41.183781 8.695921

Festa da Vila de Murça em honra de Nossa Senhora dos Aflitos e de São Domingos | Murça

É a maior romaria do concelho de Murça, em honra de Nossa Senhora dos Aflitos e S. Domingos.

A majestosa procissão de dezenas de andores levados em ombros, até ao altivo morro de S. Domingos, é o momento alto das celebrações.

Durante dois dias, acorre a Murça gente de toda a região que entre o religioso, o tradicional e o pagão celebram a memória deste povo.

local: Freguesia de Murça | GPS: 41°40’81”N -7°45’37”W

Sebastianas | Freamunde – Paços de Ferreira

Sebastianas são as festas da cidade de Freamunde, em Portugal, celebradas em honra de São Sebastião. É uma festa anual que decorre sempre no segundo fim-de-semana de julho.

Com mais de 115 anos de história, a festa foi crescendo de importância e dimensão.

Inicialmente, Festas em honra de São Sebastião só na parte religiosa, com o decorrer dos anos foram evoluindo para as Sebastianas atuais. São, agora, misto de festa sagrada e profana, com uma parte cultural e de animação muito mais marcada, sem nunca perder a raiz popular.

Ao longo dos últimos anos, tem vindo a obter uma maior participação de público, sendo uma atração turística com mais de 120 mil visitantes.

local: Centro da cidade de Feamunde

Romaria de São Bento da Porta Aberta | Paredes de Coura

Conta a lenda que, após a conclusão da Capela S. Bento, colocaram o santo no altar e no dia seguinte a porta da capela estava aberta. Voltaram a fechar e esta aparecia sempre aberta.

A Confraria decidiu então retirar a porta de madeira e colocar uma porta rendilhada em ferro para o santo poder ver para o exterior e daí nasceu a designação de S. Bento da Porta Aberta.

É uma das romarias do concelho de Paredes de Coura com mais fiéis, os poderes milagrosos atribuídos a este santo que nos “livra” de cravos e verrugas atrai os crentes courenses e dos concelhos limítrofes.

local: S. Bento – Cossourado | GPS: 41°55’55,21 N 8°37’43,15 W

Segundo domingo

Festa da Senhora da Lapa | Vieira do Minho

A Capela da Senhora da Lapa, situada no Monte do Penamourinho, freguesia de Soutelo, foi construída em 1694 a mando de João Gonçalves e sua esposa Margarida da Silva. Esta capela destaca-se pela sua originalidade, uma vez que foi edificada no interior de um penedo.

É de salientar ainda a porta da entrada que data de 1898, várias inscrições gravadas no teto e o quadro encaixilhado com a história do santuário escrita pelo Padre José Maria Machado em 1851.

Nas imediações do santuário existem um coreto, várias fontes, as instalações que dão apoio à romaria anual (segundo domingo de julho) e um miradouro.

local: Freguesia de Soutelo | GPS: 416.038.139 81.954.699,17

Festa da Senhora de ao Pé da Cruz | Baião

A festa da Senhora de ao Pé da Cruz tem um dos seus pontos altos na noite de sábado com arraial, animado por dois conjuntos musicais, complementado com as atividades do parque de diversões e pelas tendas de brinquedos, bebidas, petiscos e doçaria.

À meia-noite há fogo-de-artifício.

No domingo, destacam-se as festividades religiosas com a procissão ao final da tarde que sai da Capela da Senhora de ao Pé da Cruz em direção à Igreja Matriz de Ancede, voltando novamente ao ponto de partida. A animação mantém-se durante todo o evento.

local: Rua Nossa Senhora de ao Pé Da Cruz – Ancede | GPS: 41.129979 -8.014285

Segundo e terceiro fim-de-semana

Festas do Marco | Marco de Canaveses

As Festas do Marco são o principal evento cultural do concelho, decorrem, anualmente, no mês de julho e conjugam um conjunto de atividades de cariz cultural, religioso, enogastronómico e social.

Durante dez dias, a Câmara Municipal promove um conjunto de atividades de animação que criam oportunidades de lazer e diversão, numa perspetiva intergeracional e para todos os gostos.

A promoção e divulgação das potencialidades do concelho, assente nas raízes locais com a realização das Feira de Artesanato e da Feira de Gastronomia, da Feira Social e da Feira dos Vinhos, tem sido uma aposta contínua, valorizando desta forma o património, as paisagens naturais, a hospitalidade e a simpatia dos marcoenses.

local: Jardim Municipal | GPS: 41°11’06.10”N 8° 08’52.63”W

Dias 17 a 20

Festas da cidade de Paredes e em honra do Divino Salvador | Paredes

Festa de carácter religioso e recreativo com espetáculo de fogo-de-artifício. As Festas da cidade e do concelho em honra do Divino Salvador contam com um vasto programa cultural e religioso. O programa religioso é composto por Missa Solene e com a majestosa Procissão em honra do Divino Salvador.

O programa cultural conta com grupos de animação, ranchos folclóricos e com um desfile de carros alegóricos e escolas de samba, o qual se designa Marchas Luminosas.

local: Parque da Cidade de Paredes | GPS: 41.209.078 -8.325.009

Festa de São Bento de Vairão | Vila do Conde

São Bento nasceu em Núrsia, atual território italiano, em março de 480, tendo crescido no seio de uma família abastada e cristã. Foi enviado para Roma para terminar os seus estudos, onde se dececiona com a degradação de valores morais da cidade.

Abandonando-a, dirigiu-se a uma montanha próxima da cidade de Roma, onde se recolheu numa gruta durante três anos, como ermita e para reflexão.

Após esse período funda a Ordem Beneditina, ou de S. Bento, cujo lema é: Ora e Reza. Morreu em março de 547 após uma vida dedicada a Deus e ao auxílio dos outros, sendo-lhe atribuídos diversos milagres.

Irmão de Santa Escolástica, S. Bento é o patrono da freguesia e do Mosteiro de Vairão e é alvo de uma grande devoção por parte da comunidade piscatória.

local: Igreja do Mosteiro de São Salvador e outros locais | GPS: 41°19’58.25”N 8°40’12.02”W

Noite de 24 para 25 de julho

Noite de Romeiros de Santiago | Mondim de Basto

A noite de 24 de julho foi escolhida pela Câmara Municipal para instituir a Noite dos Romeiros de Santiago, na tentativa de recuperar a ancestral romaria.

É hoje, um dos principais eventos das festas do concelho de Mondim de Basto.

É vê-los: lindas moçoilas de lenço, de arrecadas de ouro e de gigas da merenda à cabeça, homens de colete, correntes de cavalinho e chapéu de três bicos com a estampa de Santiago.

Estúrdias, tocatas e ranchadas, acompanham os merendeiros na rua com petiscos genuínos e Vinho Verde de Basto e há bailarico até altas horas da madrugada.

local: Núcleo Histórico – Jardim Municipal | GPS: 41°24’40.17’’N 7°57’12.02’’W

Dia 25

Romaria de Santiago | Mondim de Basto

A Romaria de Santiago, que se perde na memória dos tempos, marca Mondim de Basto e o alto da Nossa Senhora da Graça, como o epicentro de toda a região.

O pagamento das promessas anuais continua a ser a grande motivação dos romeiros. Chegam de noite a pé, animados pelas tocatas e pelo bucólico canto das mulheres de Basto.

De madrugada sobem o monte sagrado para assistir às celebrações religiosas e profanas. Por rotas e caminhos de antiguidade regressam ao lar, cantando, dançando e fazendo a festa pelas localidades atravessadas.

A sua existência estará, provavelmente, relacionada com as antigas rotas dos peregrinos que demandavam a Santiago de Compostela.

local: Senhora da Graça – Mondim de Basto | GPS: 41°24’59.01’’N 7°54’56.35’’W

Dias 25 a 26

Festas do concelho em honra de São Tiago | Celorico de Basto

As Festas do Concelho decorrem no fim-de-semana de 25 de julho e contemplam uma série de atividades culturais, com ênfase para o Cortejo Etnográfico que envolve as associações, entidades e coletividades do concelho.

Nesses dias, decorrem grandes concertos musicais com grupos nacionais. Neste âmbito, promove-se o folclore e os despiques de bombos.

local: Praça Cardeal D. António Ribeiro e Praça Albino Alves Pereira | GPS: 41.388080° N 8.000083° W

Dias 28 e 29

Romaria de Santa Marta da Falperra | Braga

A Falperra vive o seu grande dia de Romaria em honra de Santa Marta e de Santa Maria Madalena, celebrada pela Igreja a 29 de Julho.

Trata-se da segunda maior festa de Braga e uma das mais antigas da região do Minho, atraindo milhares de romeiros.

O programa desta romaria congrega o sagrado, o tradicional e o profano: à devoção e pagamento de promessas, juntam-se os bailaricos, a venda ambulante, os merendeiros e os foguetes.

local: Falperra | GPS: 41.518946 – 8.391599

Último fim-de-semana

Festa da Senhora da Boa Morte | Correlhã – Ponte de Lima

São dias de festa, apreciados por quem habitualmente não perde a oportunidade de assistir aos vários momentos do programa da romaria.

Aqui pede-se auxílio na morte, mas celebra-se também a vida, com a música, dança e os foguetes.

No sábado de manhã, a Feira do Gado, à tarde, as bandas de música, à noite, o baile e o fogo-de-artifício. No domingo, a procissão é o ponto alto desta romaria.

local: Rua do Santuário da Senhora da Boa Morte – Correlhã | GPS: 41°44’16,320”N 8°36’9,408”W

Festa Grande do concelho em honra do Senhor dos Aflitos | Lousada

Todos os anos, no último fim-de-semana de julho, a vila de Lousada enche-se de alegria e animação com a Festa Grande do concelho em honra do Senhor dos Aflitos.

Bombos, gigantones e cabeçudos, Feira Franca e Concurso Pecuário, Missa Solene e Majestosa Procissão, fanfarra e bandas de música, artistas da música ligeira, provas de ciclismo e a Marcha Luminosa preenchem um programa que atrai diariamente milhares de forasteiros.

Em cada noitada, o fogo-de-artifício e as tradicionais vacas de fogo, figuração tosca de um alentado bovídeo, que vai lançando sobre a assistência bichas-de-rabear, o que pretexta cenas hilariantes que o povo muito aprecia.

Na noitada de domingo, o Monte do Senhor dos Aflitos é iluminado por milhares de tigelinhas, proporcionando um espetáculo original.

local: Av. do Senhor dos Aflitos – Silvares | GPS: 41°16’38.25’’N 8°16’56.93’’W

Festas em honra de Santa Maria da Feira, Santa Bárbara e São Frutuoso | Constantim – Vila Real

Estas festas, que se realizam – no último fim-de-semana de Julho – em Constantim (perto do santuário proto-histórico de Panóias, e que, entre a sua fundação – em 1096, por foral de foral do conde D. Henrique e de D. Teresa, – e 1289, ano da fundação de Vila Real, foi capital administrativa e jurídica das Terras de Panóias) têm tradições peculiares:

despique entre duas bandas filarmónicas, na noite de domingo, e que dura até “altas horas” da madrugada; antes de se despedirem, ambas as bandas, acompanhadas de muitas dezenas de habitantes e de forasteiros, vão do recinto das festas até ao adro da Igreja, onde terminam as respetivas atuações.

No final da procissão, o pároco dá a beijar aos fiéis devotos a Santa Cabeça (crânio de São Frutuoso Gonçalves, natural de Constantim, que nasceu em 1070, foi frade e prior do Mosteiro de Caramos, visitou Jerusalém, e morreu em Constantim, como abade da respetiva igreja, com fama de santo, em 1162).

Ainda hoje há inúmeros devotos que demandam a Constantim à procura da cura de diversos males, para o que assistem à Missa, beijam a Santa Cabeça e cumprem com as respetivas promessas.

local: Constantim – Vila Real

Festa de Nossa Senhora do Livramento | Paredes de Coura

Durante muitos anos a Romaria da Senhora do Livramento era o local predileto do pagamento de promessas da população de Paredes de Coura e dos concelhos limítrofes, ou por terem “livrado” os jovens mancebos do serviço militar ou da ida para o Ultramar.

Hoje em dia interpela-se a santa para nos “livrar” dos mais variados males.

local: Outeiro – Formariz | GPS: 41°55’28,26 8°35’10,61

Último domingo

Senhora do Amparo | Valongo

Tradicionalmente, no último domingo de julho, realiza-se a Romaria da Senhora do Amparo. No sábado à noite da semana anterior, em procissão de velas, a imagem da Senhora é trasladada para a Igreja Matriz.

No dia da festa, de manhã, acompanhada por vários andores, regressa novamente ao santuário da sua invocação em Majestosa Procissão. À tarde há espetáculo, destacando-se o rancho folclórico e a banda de música locais.

Um elegante tapete florido com cerca de dois quilómetros, entre a Igreja Matriz e o santuário, caracteriza esta festa, tornando-se num cartão-de-visita, revelador da devoção e dedicação dos alfenenses.

local: Rua Nossa Senhora do Amparo – Alfena | GPS: 41°14’44,87”N 8° 30’ 46,38”W

Romaria ao Santuário do Senhor do Monte | Boticas

Localizado na Serra do Facho, é um dos maiores santuários do concelho.

Conta a lenda que antigamente era apenas um caminho por onde passavam os almocreves que ali paravam para descansar e por hábito colocavam uma esmola num nicho, apelando à proteção divina contra os ladrões.

Até ao dia da aparição do Senhor do Monte numas pedras onde ainda hoje se podem ver as pegadas. O povo construiu-lhe ali uma capelinha e o culto cresceu de tal forma que as esmolas permitiram a construção de uma igreja, cujas pedras foram transportadas em carros de bois pelos lavradores locais.

É considerado o protetor dos animais e em sua honra realiza-se anualmente esta festa, cuja tradição se mantém, no sábado, com o ritual de levar o gado a dar três voltas ao santuário.

No domingo, o santuário enche-se de fiéis para assistirem à celebração religiosa e à majestosa procissão que se realiza em volta do santuário, acompanhada por várias bandas de música.

Depois, comem-se as merendas, atua um grupo musical e passeia-se pelo recinto onde os vendedores ambulantes expõem os seus produtos.

local: Santuário do Senhor do Monte – Pinho | GPS: 41°39’43” N 07°37’60” W

Festa em honra do Padroeiro Salvador de Lordelo | Paredes

Estas são as maiores festas da freguesia. Tem Missa Solene e procissão.

No que diz respeito à animação, participam grupos de artistas populares, ranchos folclóricos e bandas de música. No final, existe um espetáculo de fogo-de-artifício.

local: Praça da Comunidade | GPS: 41.222.185 8.411.419

Dias 31 de julho, 01 e 02 de agosto

Festa da Vila e do Concelho | Vila Pouca de Aguiar

Evento popular, de cariz religioso com grande participação da população residente e emigrante. A animação inclui bandas filarmónicas, fanfarras e Arruadas de Bombos, a par de espetáculos de grande escala, realizados ao ar livre, no centro da sede do concelho.

A procissão de domingo, dedicada ao padroeiro da sede do concelho e aos padroeiros das freguesias, é o momento alto das comemorações, de grande solenidade e religiosidade popular.

local: Rua Dr. António Gil | GPS: 41°29’57.82”N 7°38’46.20”W

Última semana até 15 de agosto

Festas em honra de Nossa Senhora da Saúde | Porto

No Jardim de Arca de Água e no Largo do Campo Lindo, nesta romaria os visitantes encontram carrosséis, comes e bebes, artesanato, doçarias, louças e marroquinaria, entre outros.

A animação é constante com concertos diários. A majestosa procissão decorre no dia 15 de agosto de tarde e o fogo-de-artifício decorre dias 14 e 15 de agosto à noite.

local: Praça Nove de Abril e Largo do Campo Lindo – Paranhos | GPS: 41.171903 -8.611972

Fonte: informações retiradas daqui

Romaria de Nossa Senhora da Lapa – Sernancelhe

Romaria de Nossa Senhora da Lapa

A Romaria de Nossa Senhora da Lapa é das mais importantes da Beira Alta, com os seus momentos alto a 10 de Junho, 15 de Agosto e primeiro domingo de Setembro.

O dia começa com a saída do andor para uma pequena capela setecentista em torno da qual se aglomeram milhares de peregrinos.

Situado entre Aguiar da Beira e Sernancelhe, o Santuário de Nossa Senhora da Lapa fica na aldeia da Lapa. Acede-se a partir de uma derivação para poente da EN 226, Trancoso-Moimenta da Beira.

O santuário, classificado IIP, data do séc. XVII, sendo o culto muito anterior. A imagem original teria sido escondida numa gruta (lapa) no século X, quando das arremetidas do califa de Córdova.

Reza a lenda que foi redescoberta em 1498 por uma criança muda que apascentava um rebanho. Quando a mãe lançou a imagem à fogueira, a pastora recuperou a fala. A fama deste e doutros milagres espalhou-se pela Beira.

No séc. XVII os jesuítas construíram uma igreja maior, que engloba a lapa original, existindo nesta uma passagem entre rochas por onde, reza a tradição popular, só passam as pessoas sem pecado grave (provável alusão às grávidas solteiras).

Do tecto pende uma réplica de um lagarto gigante.

Uns dizem que é o ex-voto de um natural da terra que, atacado por um crocodilo na Índia, se salvou por ter invocado a Senhora da Lapa.

Para outros trata-se de um mostro que aterrorizava a região e foi morto por uma pastorinha que o foi alimentando com novelos de lã até o sufocar.

Fonte: GUIA Expresso “O melhor de Portugal” – 12 – Festas, Feiras, Romarias, Rituais

Santuário de Nossa Senhora da Lapa

O Santuário de Nossa Senhora da Lapa está situado na serra do mesmo nome, na freguesia de Quintela, concelho de Sernancelhe, diocese de Lamego, distrito de Viseu.

Diz a lenda que, em 1498, uma pastorinha de 12 anos, de nome Joana, muda de nascença, introduzindo-se por entre as fendas das rochas encimadas pela grande lapa, aí encontrou uma linda imagem da Virgem, que ali teria sido escondida há mais de quinhentos anos por umas religiosas fugindo a uma perseguição.

A devoção e todo o carinho que a menina dedicou à imagem, valeram-lhe uma especial protecção da Virgem que por milagre lhe concedeu o dom da fala.

Depressa se divulgou o milagre, originando uma crescente afluência de peregrinos, jamais interrompida até aos dias de hoje. Os primeiros devotos prepararam uma gruta debaixo da lapa, onde entronizaram a imagem, construindo ao lado uma pequena ermida.

Em 1576, a Lapa foi confiada aos Padres da Companhia de Jesus, sediados no Colégio de Coimbra. Estes construíram, então, o actual Santuário, abrigando a penedia no seu interior. Em 1685 iniciaram a construção do “Colégio da Lapa“, contíguo ao Santuário.

Daqui partiu a devoção para os mais variados pontos do país e do mundo, chegando à Índia e ao Brasil. Esta expansão foi facilitada pela actividade missionária dos mesmos Padres Jesuítas, aos quais estava confiado este Santuário.

A Senhora da Lapa, em Portugal, e Santiago de Compostela, na Espanha, chegaram a ser, em tempos, os dois Santuários mais importantes da Península Ibérica. Fonte

Lenda da Pastorinha Joana

Chamava-se Joana a pastorinha muda, de doze anos, que, enquanto guardava um pequeno rebanho de ovelhas, avistou, por entre as fendas de um penedo ou lapa, uma imagem de Nossa Senhora.

Diz a história que Joana aproximou-se da imagem e, extasiada, permaneceu em oração por largo período de tempo.

A pastorinha reparou, então, que as vestes da imagem se encontravam destruídas pela ação do tempo e pela humidade e decidiu erguer, naquele local, um altarzinho.

Limpou a imagem, colocou flores em seu redor e não mais deixou de pensar no seu “tesouro”.

No dia seguinte, Joana levou a imagem para casa na cestinha onde a mãe lhe enviava o farnel.

A mãe, que não apreciava o facto de Joana perder tempo a fazer vestidinhos para a “boneca”, atirou-a ao lume. Desesperada, Joana, muda de nascença, gritou para a mãe: “Tá! Minha mãe! É Nossa Senhora da Lapa! Ai! Que fez?”.

Diz a lenda que a imagem não se queimou, mas nesse preciso momento a mãe ficou com o braço paralisado. Arrependida do ato que acabara de cometer rezou com Joana e tudo voltou à normalidade.

O pároco, conhecedor da história, pediu que a imagem fosse colocada na Igreja Matriz, para não ficar naquele ermo, só que a imagem desaparecia de lá e aparecia na gruta onde Joana a havia descoberto. Era lá que ela queria ser venerada, dizem. Fonte 

Romarias e Festas Populares em Junho

Durante o mês de Junho, realizam-se as seguintes Romarias e Festas Populares em Portugal:

Todo o mês

Festa de São João | Porto

A Festa de São João do Porto é já um dos marcos incontornáveis da vida da cidade e que conta com a visita de um número cada vez maior de turistas e visitantes, para participar nas iniciativas que vão decorrendo um pouco por todo o lado.

Renovada a tradição do São João do Porto conta com seis semanas de festa constante e reforçada, de 24 de maio a 29 de junho.

Uma festa integrada por muitas outras festas, concentrando mais de 200 eventos de grande diversidade e atingindo o auge na noite de 23 para 24 de junho, naquela que muitos apelidam de noite mais longa do ano.

local: Por toda a cidade | GPS: 41.140108 -8.609554

Festas em cidade em honra de São Tiago | São João da Madeira

É a maior festividade da cidade, em honra do seu santo padroeiro. Durante uma semana, a Avenida da Liberdade encerra de noite ao trânsito e abre aos inúmeros vendedores e carrosséis, culminando num habitual fogo de artifício.

local: S. João da Madeira | GPS: 40.896446218351535  -8487217426300040

Primeiro fim-de-semana

Festas do Junho – Romaria a S. Gonçalo | Amarante

São Gonçalo atrai, todos os anos, milhares de romeiros à cidade para as tradicionais Festas do Junho, em honra do padroeiro.

A religião e o profano andam de “mãos dadas” nestas festas que, durante três dias, oferecem um programa variado.

Os pontos altos acontecem, como habitualmente, na sexta-feira, com o despique de bombos no Largo de S. Gonçalo; no sábado, com a sessão de fogo-de-artifício e no domingo, com a Procissão em honra de São Gonçalo.

local: Núcleo urbano da cidade | GPS: 41°16’08’’N 8°04’43’’W

Sugestão: Festas de Junho em Amarante (1919)

Primeiro domingo

Peregrinação à Senhora do Viso | Celorico de Basto

A Romaria realiza-se no segundo domingo de Setembro

Trata-se de uma romaria arciprestal que envolve, por isso, todas as paróquias do concelho.

A maior romaria de Celorico de Basto, em honra de Nossa Senhora do Viso, arrasta milhares de peregrinos ao recinto com as cerimónias religiosas como principal enfoque.

local: Caçarilhe | GPS: 41.411920° N 8.086353° W

Festa da Senhora da Fé | Cantelães – Vieira do Minho

Situada na freguesia de Cantelães e em plena serra, a Capela de Nossa Senhora da Fé foi construída em 1759 após o aparecimento da imagem no Monte de Santa Cecília.

O recinto da capela integra dois coretos, uma fonte, e ainda uma grande cruz que se avista desde a vila de Vieira do Minho.

É no primeiro domingo de junho que a Capela acolhe anualmente uma peregrinação do arciprestado de Vieira do Minho.

Junto ao Santuário de Nossa Senhora da Fé, existe um nicho construído no tronco de uma árvore que alberga a imagem de Nossa Senhora «uma promessa que se fazia antigamente era a de uma pessoa viva dar duas voltas ao santuário deitada numa urna enquanto a banda filarmónica e algumas carpideiras contratadas acompanhavam o devoto neste macabro cortejo fúnebre».

Este tipo de promessa foi abolido há alguns anos. Havia na capela alguns caixões para alugar para aquele tipo de promessa. Só há pouco tempo foram de lá retirados.

local: Freguesia de Cantelães | GPS: 416.575.333 -81.306.505,17

Segundo domingo

Romaria de Santa Rita | Ermesinde – Valongo

Na Igreja de Nossa Senhora do Bom Despacho, também conhecida por Igreja de Santa Rita, anexa ao antigo Convento da Formiga, na cidade de Ermesinde, anualmente, no segundo domingo de junho, há romaria a Santa Rita. Muito concorrida, atrai peregrinos e caminheiros de toda a região.

A Procissão em honra de Santa Rita, advogada dos impossíveis, acompanhada de anjinhos e andores com outras imagens, desenvolve-se pelo adro fronteiriço ao templo.

Paralelamente às atividades religiosas, há diversões e grande número de vendedores e tendeiros que oferecem, de sexta a segunda-feira, um vasto leque de produtos aos visitantes.

local: Av. Eng.º Duarte Pacheco – Ermesinde | GPS: 41°12’21,73”N 8° 32’ 31,06”W

Dias 6 a 13

Festas da Cidade em honra de Santo António | Vila Real

As comemorações em honra de Santo António, constituem-se como um dos pontos mais altos das Festas de Vila Real, em que a cidade ganha especial colorido, movimento e alegria.

Da Feira de Gado Maronês e Concurso Nacional de Gado Maronês, à Feira de Santo António, passando por uma panóplia de iniciativas culturais e desportivas, a vida e animação que enchem Vila Real nestes dias de festa, serve de pretexto a que as suas gentes desfrutem do ambiente quente e de franca harmonia que a sua cidade ganha.

local: Rua de Trás-os-Muros – Vila Velha | GPS: 41.292874 N 7.745909 W

Dias 6, 7 e 13

Festa de Santo António | Mixões da Serra – Vila Verde

O Santuário de Stº António de Mixões da Serra localiza-se na freguesia de Valdreu, em Vila Verde.

No dia 13 de junho, realizam-se as principais celebrações religiosas. Porém, o dia mais importante é o domingo imediatamente anterior ao dia 13.

O largo fronteiro ao santuário enche-se de milhares de pessoas e animais para participarem na cerimónia da Bênção dos Animais.

local: Mixões da Serra | GPS: 41°45’32.60”N 8°19’23.97”W

Dias 6 a 24

Festa de São João | Moimenta da Beira

Festa popular que dispõe de um programa variado com exposições, música, concertos, artesanato, entre outras atividades.

Procissão majestosa e sublime em honra ao padroeiro no dia 24, com andores cobertos de flores e centenas de figuras bíblicas a fazer o percurso, passo a passo, da Igreja Matriz às ruas e ruelas da vila e regresso novamente à Igreja Matriz, mais de duas horas depois.

Marchas a desfilar pela estrada mais central da vila, sempre ao ritmo de bandas de música e fanfarra. Uma parada colorida, animada, viva e representativa dos usos e costumes, que enche os olhos ao povo.

local: Moimenta da Beira | GPS: 40°58’50.1”N 7°36’50.0”W

Dia 10

Romaria de Nossa Senhora da Lapa  | Sernancelhe

Existem dois grandes momentos de peregrinação à Senhora da Lapa: a 10 de junho e a 15 de agosto.

Estas peregrinações são precedidas de novenas, que funcionam como uma espécie de retiro aberto e são verdadeiramente concorridas. Milhares de pessoas acorrem àquele santuário mariano, movidos pela fé na imagem da santa, encontrada pela pastorinha Joana debaixo de uma lapa.

Há igualmente uma peregrinação no segundo domingo de setembro, já com uma larga tradição. Das três romarias, a de agosto é a maior.

local: Santuário de Nossa Senhora da Lapa | GPS: 40°52’12.53’’N 7°34’30.56’’W

Dias 10 a 14

Festas concelhias em honra de Santo António | Vila Verde

De 10 a 14 de junho, Vila Verde será palco de uma das mais afamadas romarias minhotas, as Festas Concelhias em honra de Santo António. Durante cinco dias, inúmeras atividades irão proporcionar momentos inesquecíveis: as rusgas, as fogueiras, os cantares ao desafio, as imponentes sessões de fogo de artifício.

Destaque, ainda, para os festivais de folclore, as marchas, a Corrida de Cavalos, os espetáculos musicais, o Cortejo Etnográfico que conta com a participação das juntas, das associações numa mostra da autenticidade da cultura e das tradições do concelho.

O espaço gastronómico será outra das atrações para quem visita Vila Verde.

local: Centro de Vila Verde | GPS: 41°38’56.89”N 8°26´8.09”W

Dia 12

Festa de Santo António | Vale de Cambra

Santo António, padroeiro de Vale de Cambra, desde sempre teve o seu dia comemorado pelos valecambrenses.

Aliada às cerimónias religiosas, missa e procissão, existe um variado número de atividades e animações que transformam o centro urbano durante alguns dias.

local: Praça Comendador Álvaro Pinho Costa Leite | GPS: 40°50’58.15”N 8°23’40.02”W

Dia 13

Festas em honra de Santo António | Amares

As festividades em honra de Santo António decorrem durante vários dias, com principal destaque para o dia de Santo António, 13 de junho.

Solenidades religiosas, marchas populares, folclore, música filarmónica, música popular, tradicional portuguesa e atividades desportivas, entre outras, constituem habitualmente as principais propostas do programa.

local: Praça do Comércio – Ferreiros | GPS: 41.627.785 -8.366.015

Dia 13 e durante uma semana

Festas Antoninas | Vila Nova de Famalicão

As Festas Antoninas em honra do Santo Casamenteiro, mobilizam todo o concelho e chamam à cidade milhares de turistas. Vivem-se as tradições populares mais profundas, com a descoberta e o reencontro de costumes, sentimentos e sabores ancestrais.

Pelas ruas, os aromas dos manjericos confundem-se com os da sardinha assada na brasa e das fêveras de porco. Come-se o caldo verde e bebe-se o vinho tinto do pipo.

A festa dura toda a noite e, um pouco por toda a cidade, há música, bailaricos e arraiais populares. Os rapazes compram um manjerico para oferecer à namorada com uma quadra popular original e, por vezes, brejeira ou jocosa. A festa faz-se na rua e todos são convidados.

As Rusgas Populares, as Fogueiras e as Cascatas de Santo António são outros dos momentos tradicionais, aos quais se juntam as cerimónias religiosas com destaque para a distribuição do Pão de Santo António. As Marchas Populares são um dos pontos altos das festas.

local: Ruas da Cidade | GPS: 41°24’21.31” N 8°31’06.21” W

Dias 13 a 24

Festas de S. João | Braga

O S. João é a maior festa concelhia. As primeiras referências remontam ao ano de 1489, ignorando-se, já nessa época, quando terá ocorrido a primeira das festividades.

A programação é rica e variada, com muita música popular, ranchos folclóricos, iluminações artísticas, sessões de fogo-de-artifício e uma série de manifestações culturais, desportivas e de âmbito religioso.

É festejado com os martelinhos, alho-porro, o cheiro dos manjericos, saltos à fogueira e arraiais com os seus tradicionais bailaricos.

Festa popular e religiosa que conta com a presença indispensável de ranchos folclóricos, bandas de música, grupos de Gigantone ou Cabeçudos, de bombos e “Zés Pereiras”, teatro, jogos tradicionais, concertos e a grande festa da noite de 23 de junho.

local: centro histórico | GPS: 41.541975 -8.418793

Festa de São João | São João da Pesqueira

Com o objetivo de reviver as tradições das festas S. Joaninas no nosso concelho, e em homenagem ao padroeiro da vila, o município de S. João da Pesqueira (por vezes em parceria com instituições locais) realiza várias atividades, nomeadamente o Concurso de Marchas Populares, Feira Etnográfica, tasquinhas, onde se pode degustar as sardinhas assadas típicas nestas festividades e muita e variada animação.

local: Ruas da Vila de S. João da Pesqueira | GPS: 41°08’49,11”N 5°24’23,17”W

Dias 18 a 29

Festa de São João | Tabuaço

Festa bairrista que reúne todas as freguesias, cimo e fundo de vila na Marcha Luminosa, que se realiza na noite de 23 de junho.

A 24 de junho (feriado municipal), celebra-se o dia de S. João Batista, com Missa Solene e sermão, seguida de procissão acompanhada de banda de música, que percorre as principais ruas da vila, adornada com os andores dos padroeiros de todas as freguesias do concelho. Integram, também, as crianças trajadas de figuras bíblicas.

Em todos os dias da festa, a população e visitantes podem usufruir das “tasquinhas” com petiscos e vinhos da região, onde não falta a sardinha assada. Decorre ainda uma feira de artesanato e à noite, há atuação de grupos de baile até altas horas da madrugada.

local: Tabuaço | GPS: 41116898 -7565643

Dias 20 a 24

Festa de São João | Cinfães

As Festas do Concelho de Cinfães, em honra de São João, são um dos marcos incontornáveis da vida do município e que contam com a visita de um número cada vez maior de crentes e orgulhosos foliões. De 20 a 24 de junho, são milhares as pessoas que festejam os Santos Populares em Cinfães.

O município apresenta um programa de animação variado e arrojado e, com a vila vestida a rigor e as ruas cheias de cores e aromas, é mais que muita a alegria e boa disposição.

local: Largo da Feira | GPS: 41,071905 -8.086.987

Festa de São João | Campos – Vila Nova de Cerveira

Ao longo de quatro dias, a freguesia de Campos celebra a festa do seu padroeiro, São João Batista. Para além das cerimónias religiosas, um dos momentos altos está reservado para a noite de sábado, com as imponentes Marchas Populares.

Depois de muito trabalho, as pessoas que integram as diversas estruturas locais e lugares da freguesia, vestem-se a rigor e, ao som de muita música, desfilam com os arcos coloridos, perante os aplausos dos presentes.

A vertente religiosa da festa acontece domingo à tarde com a Missa e majestosa Procissão, e os restantes dias a serem marcados por arraiais minhotos.

local: Largo de S. João – Campos | GPS: 41.979.729 -8.701.862

Dias 20 a 30

Festas em honra de São Pedro | Afurada – Vila Nova de Gaia

Gente de grande devoção, todos os anos os pescadores prestam a devida homenagem ao santo, com toda a pompa e circunstância onde para além das cerimónias religiosas não falta a tradicional sardinha assada com a típica broa de Avintes e o fogo de artifício.

Esta festa atinge o seu auge, aquando da saída da procissão, cujos andores transportam imagens de santos e santas de tamanho natural, seguidos pelos seus fiéis devidamente trajados com as tradicionais vestes das gentes da pesca.

À passagem defronte ao Rio Douro, procede-se à bênção dos barcos acompanhados pelo toque das sirenes e morteiros.

local: Centro Piscatório da Afurada – Afurada | GPS: 4108’34.09”N 8038’52.61”W

Semana anterior ao dia 24

Festa de São João | Vila do Conde

O programa celebra o padroeiro S. João, cuja imagem se venera na quinhentista Igreja Matriz. Nele se misturam o culto religioso com atos de índole profana, numa festa com profundas raízes na tradição popular e com ligações multisseculares ao Convento de Santa Clara.

A programação tem como pontos altos a Procissão, a tradicional Ida à Praia e a Grande Noite de S. João, com a participação dos ranchos das rendilheiras do monte e da praça, a que se junta uma deslumbrante sessão de fogo de artifício.

local: Igreja Matriz de Vila do Conde e outros locais | GPS: 41°21’14.17”N 8°44’33.61”W

Dia 23

Festa em honra de São João | Vila Real

A festa de S. João tem lugar no centro histórico de Vila Real. Todas as ruas estão com decorações alusivas as festas dos santos populares.

Inúmeras pessoas deslocam-se para saborear as sardinhas assadas e as fêveras, servidas por vários restaurantes, que estendem longas mesas pelas ruas. A festa prolonga-se pela noite dentro com muita animação musical.

local: Rua Central, Largo da Capela Nova | GPS: 41.178224 N 7.446878 W

Dias 23 e 24

Festa de São João | Castelo de Paiva

Por terras de Paiva, mantém-se a tradição de festejar os Santos Populares, sendo o São João o que merece mais destaque, justificando o feriado municipal no dia 24 de junho.

Como não podia deixar de ser, as coloridas e animadas marchas marcam a noite do dia 23, cuja animação continua madrugada fora, com uma bonita sessão de fogo-de-artifício à meia-noite e a atuação de grupos de referência do panorama musical português.

No dia 24 (feriado municipal), sobressai a tradicional sardinhada que é oferecida à população pelo Município, acompanhada pelo Vinho Verde de Paiva.

local: Largo do Conde – Sobrado | GPS: 41.040.845 -8.271.861

Dia 24

Bugiada e Mouriscada do São João de Sobrado | Valongo

Anualmente, no dia de S. João, revive-se uma tradição invulgar. São as Bugiadas e Mouriscadas, que durante uma jornada, desde bem cedo até ao final da tarde, maravilham os visitantes, com rituais, danças, guizalhada, humor, colorido e alegria.

Entre os Bugios e Mourisqueiros, desenrola-se uma batalha e são várias centenas de figurantes que se envolvem na manifestação que é candidata a Património Imaterial da Humanidade.

Para além dos rituais do dia de S. João, os festejos em honra do santo acontecem durante vários dias com muita diversão, noitadas e espetáculos, sempre com muito fogo-de-artifício.

local: Largo do Passal – Sobrado | GPS: 41°12’35,02”N 8°27’41,67”W

Festa de São João | Esposende

As “Festividades Sanjoaninas”, em Esposende, atingem a exuberância e o brilhantismo que a data oferece, mandando a tradição que nesta altura se façam elevar balões de papel pelos céus iluminados, se acendam fogueiras à volta das quais o povo dança e canta, se ergam arcos nos arraiais ricamente decorados e se organizem marchas populares que alegremente percorram as principais artérias das localidades.

O São João significa folguedo popular, alegria e exuberância, onde não deve faltar a tradicional sardinha, a broa e verde tinto que rega as sedentas gargantas de tão festiva gente.

local: Cidade de Esposende | GPS: 41°32’3.87”N 8°46’59.42”W

Festa de São João | Marco de Canaveses

O S. João de Alpendorada é uma celebração religiosa com forte cariz profano pois, na noite de S. João, realizam-se as Marchas Populares, o momento alto das celebrações.

A tradição cumpre-se, em noite de S. João, nas ruas de Alpendorada e Matos, perante milhares de pessoas, as Marchas Populares proporcionaram um desfile cheio de cor, alegria e música que anima a festa.

Uma noite inolvidável, pois as Marchas Populares em Alpendorada são já uma referência nas celebrações são-joaninas do concelho do Marco de Canaveses, pela beleza e qualidade dos trajes e coreografias apresentadas.

O desfile das marchas realiza-se na noite de 23 para 24 de junho. As comemorações têm também uma vertente gastronómica e musical. A organização geral do evento é da responsabilidade da Junta de Freguesia e conta com o apoio da Câmara Municipal do Marco de Canaveses.

local: Av. Futebol Clube de Alpendorada – Alpendorada e Matos | GPS: 41°05’17.6”N 8°14’57.1”W

Dia 24 ou fim-de-semana seguinte (de acordo com o calendário)

Festa de São João do Carvalhinho | Santo Tirso

Festa de carácter popular que se realiza junto à Capela do Monte de S. João do Carvalhinho, local arborizado, onde se desfruta de uma bela paisagem.

Consta de arraial com iluminações, fogo-de-artifício e conjuntos típicos. A parte religiosa integra uma procissão que sai da Igreja Paroquial para a referida capela.

local: Monte de S. João do Carvalhinho – Burgães | GPS: 41°20’29.9”N 8°26’49.9”W

Dias 27 a 30

Festa de São Pedro de Cerva | Ribeira de Pena

A Festa do São Pedro é celebrada no dia 29 de junho, mas a festividade começa dois dias antes. Trata-se de uma das principais romarias do concelho e que nesta altura do ano faz parte do seu calendário festivo.

O programa das festas é variado, incluindo referências de uma romaria tradicional portuguesa, nomeadamente, grupos de bombos, bandas musicais, missa e procissão solene, ranchos folclóricos e o típico fogo-de-artifício. A festa é muito animada com boas noites de folia.

local: Praça de Cerva | GPS: 41°28’25.29”N 7°50’49.75”W

Dias 28 e 29

Festa em honra de São Pedro | Vila Real

A feira de São Pedro encerra o ciclo de festas vividas em todo o mês de junho em Vila Real. É na Rua Central, defronte da Capela Nova, que a tradição é rainha, com uma importante Feira de Artesanato (barros de Bisalhães e linhos de Agarez e Mondrões).

Para coroar a noite de festa, está a ser retomada uma antiga tradição tipicamente Vila-Realense: o jogo do Panelo, em que grupos de pessoas se espalham pelo centro histórico, formando rodas, atirando o panelo aleatoriamente de mão em mão.

Quem deixar cair e partir, terá de pagar (ou segundo a tradição, “roubar”) outro panelo!

local: Rua Central, Largo da Capela Nova | GPS: 41.178224 N 7.446878 W

Dia 29

Romaria de S. Pedro | Cinfães

Num extenso planalto deserto e inóspito, onde aqui e acolá crescem tojos e fetos, surge surpreendente o Santuário de S. Pedro do Campo.

Junto à capela, há pedras antigas e monumentos tumulares de sociedades e cultos pré-históricos, que transportam o espaço para o motivo sagrado da romaria.

Poucos registos há da capela, mas sabe-se que no início do século XVII já por aqui passavam estradas medievais e já por aqui se faziam negócios. É por isso uma das maiores celebrações culturais, uma romaria de feira, de tradição e de fé.

local: Santuário de S. Pedro do Campo | GPS: 41,008386 -8,085399

Festa de São Pedro | Espinho

Ao longo dos últimos anos, a Festa de S. Pedro tem-se assumido como uma das grandes romarias do concelho.

O Desfile das Rusgas a S. Pedro, a Recriação da Arte Xávega, com recurso às juntas de bois e a Majestosa Procissão que percorre as principais artérias da cidade saindo da capela, são os pontos altos desta festa que traz muita gente até Espinho.

Muita música e festa de arraial são a componente profana, desta festa, mais uma vez dedicada às lides do mar.

local: Freguesia de Espinho | GPS: 41°00’00.9”N 8°38’43.9”W

Festas do concelho – São Pedro | Felgueiras

São Pedro é o santo popular e o padroeiro do concelho de Felgueiras que os felgueirenses se habituaram e gostam de festejar com pompa e circunstância.

Todos os anos, vários milhares de visitantes juntam-se a esta festa, a maior romaria de Felgueiras. A Câmara Municipal de Felgueiras organiza as Festas de S. Pedro, tendo em conta a importância tradicional das festividades e o facto do dia de S. Pedro ser Feriado Municipal.

Destacam-se do programa, o Cortejo das Flores, a solene Procissão, o desfile das Marchas de S. Pedro, as tasquinhas, a Feira de Artesanato e Atividades Económicas, o Concurso “Pinta”, vários espetáculos musicais, animação de rua, fogo piromusical e folclore.

local: Cidade de Felgueiras – Santa Quitéria | GPS: 41°21’57’’N 8°11’52’’W

Festa de São Pedro | Penedono

Feriado Municipal. É neste dia que todas as freguesias do concelho se reúnem em função do Desfile Etnográfico. O dia começa bem cedo com a feira anual, seguido da Eucaristia e Procissão.

Mas um dos pontos altos é, sem sombra de dúvidas, o Desfile Etnográfico, onde participam todas as forças vivas do concelho, juntas de freguesia e associações.

Cada um tenta retratar no desfile uma tradição, histórias e estórias, ou algo que os caracterize e pelas ruas da vila fazem festa, num misto de desafio e ao mesmo tempo de são convívio.

local: Rua Eiras de S. Pedro | GPS: 40.986563 -7,396566

Festa de São Pedro | Santa Marta de Penaguião

São Pedro é um santo popular. Este dia é também conhecido como o dia de São Pedro e São Paulo. A data é celebrada no mês dos santos populares – junho, e a tradição manda que a população festeje a data decorando as ruas com várias cores e manjericos.

Bailes e marchas populares são organizados nas ruas e a música está sempre presente. Na gastronomia, a sardinha assada, o pimento, a broa, o caldo verde e o vinho são os elementos principais da festa.

local: Sobrado – Sanhoane | GPS: 41°11’55,09 7°31’55,20

Festa de São Pedro | São Pedro de Castelões – Vale de Cambra

A Festa a S. Pedro, na vila de São Pedro de Castelões, tem o seu momento alto no dia 29 de junho, marcado sobretudo pelas cerimónias religiosas.

Ao longo das festividades, é ainda possível apreciar a gastronomia local da qual se destaca: os rojões à lavrador, as papas de serrabulho, o caldo verde e também os famosos vinhos verdes da região.

local: Praça de S. Pedro – S. P. Castelões | GPS: 40°49’42.85”N 8°23’52.80”W

Terceiro domingo

Festa da Senhora D’Orada | Pinheiro – Vieira do Minho

Situada no sopé da Serra da Cabreira, o que lhe proporciona uma envolvente natural de grande beleza, a Senhora da Orada insere-se na freguesia de Pinheiro, a cerca de sete quilómetros da vila de Vieira do Minho.

Junto à capela, podemos deparar com uma escadaria toda em pedra, o Fontanário Arquiepiscopal, a Casa da Confraria, um coreto, um palco, um cruzeiro e no alto do monte um Calvário que tem no meio um lago e ao fundo um crucifixo de grandes dimensões.

No interior da capela podemos encontrar dois altares laterais dedicados à Senhora de Fátima e à Senhora do Guadalupe e, no fundo, um retábulo que data do século XVII. Desde 1840 que a festa em honra da Senhora da Orada se realiza no terceiro domingo de junho.

local: Freguesia de Pinheiro | GPS: 416.243.409 81.024.814,17

Última semana

Festa de São Pedro | Macedo de Cavaleiros

S. Pedro é o padroeiro de Macedo de Cavaleiros, que lhe dedica o dia 29 de junho, feriado municipal com missa e procissão em sua homenagem. Tempo de calor e, em épocas passadas, tempo abundante de ceifas.

Durante estas festas, a Feira de S. Pedro é, também, de grande importância, remontando esta aos anos 40, quando ranchos de ceifeiros de todo o país concluíam, vindos do sul, a Macedo de Cavaleiros, – o Concelho da Fouce como, por esse motivo, também era conhecido – a fim de oferecerem a sua mão-de-obra, em licitações disputadas pelos agricultores locais.

Um excelente cartaz de espetáculos e de diversões variadas, proporciona a todos noites de festa e de divertimento.

local: Parque Municipal de Exposições | GPS: 41°32´10.38’’N 6°57’53.67’’W

Festa de São Pedro | Tarouca

No final do mês de junho, celebram-se as Festas em honra de S. Pedro (dia 29), padroeiro da freguesia de Tarouca e sede do concelho. Cerimónias religiosas, música, fogo-de-artifício e muita animação dão vida a este evento que ocorre anualmente no concelho.
local: Centro Cívico da Cidade de Tarouca | GPS: 41°1’6.57”N 7°46’34.68”W

25 de Junho a 5 de Julho

Festas de São Pedro | Póvoa de Varzim

As Festas de S. Pedro correspondem a uma semana de espetacular animação, em que a Póvoa sai para a rua. Ruas enfeitadas, rusgas, tronos, roupas brilhantes das tricanas, músicas populares, fogueiras, sardinhas e a alegria dos poveiros transformam a cidade.

Milhares de pessoas divertem-se nas ruas, na noite do dia 28 até ao amanhecer e outras tantas espalham-se ao longo do percurso para verem passar a procissão, no dia 29 e assistirem nessa mesma noite ao espetáculo das rusgas, um momento único de cor e beleza.

local: Ruas da Póvoa de Varzim – Bairro Norte, Bairro da Matriz, Bairro Sul, Bairro de Regufe, Bairro de Belém e Bairro da Mariadeira | GPS: 41°22’47,727’’ N 8°45’42,856’’ W

Fonte: informações retiradas daqui

Festas e Romarias dependentes da data da Páscoa

 

Festas e Romarias sem data fixa, pois a realização das mesmas depende da data da Páscoa.

Todas as sextas-feiras que vão do Carnaval à Páscoa

Sete Passos – Freixo de Espada à Cinta

Procissão pagã que representa a encomendação das almas, de origem medieval e que sobreviveu até aos nossos dias. Realiza-se nas sete sextas-feiras que vão do Carnaval à Páscoa (Quaresma), a partir da meia-noite com total ausência de luz elétrica nas ruas.

local: Principais ruas da Vila | GPS: 410.921.184 -68.053.106

Domingo de Lázaros (Domingo anterior ao Domingo de Ramos)

Procissão dos Penitentes – Encontro – Santa Marta de Penaguião

Esta procissão reconstitui a caminhada de Cristo até ao Calvário numa tentativa de evocar a narrativa bíblica da Paixão e do Encontro de Jesus com Sua Mãe na Via-Sacra. A procissão parte com o andor de Santa Maria, da Igreja Matriz, acompanhada pelo padre, acólitos, escuteiros e fiéis. Sobe pela rua da Igreja até o Largo do Cerrado. Ao mesmo tempo, parte o andor com o Senhor dos Passos, da capela e dá-se por fim o encontro entre Santa Maria e seu filho, Jesus, no Largo do Cerrado. Depois de uma pequena oração, a procissão segue para a Igreja Matriz (onde existem os dois altares – Santa Maria e Jesus). Ali faz-se a oração final e encerramento da Procissão do Encontro.

local: Sobrado – Sanhoane | GPS: 41.230.153 7.801.474

Quarto domingo da Quaresma

Senhor dos Passos – Valongo

Anualmente, no quarto fim-de-semana da Quaresma, pelas ruas da zona mais antiga da cidade de Valongo, ocorrem as tradicionais e impressionantes Solenidades dos Santos Passos da Paixão de Cristo. No sábado à noite, às 21h30, realiza-se a Procissão da Senhora da Soledade. Na tarde de domingo, pelas 16h00, tem lugar a Majestosa Procissão do Senhor dos Passos. Um dos pontos altos do ritual acontece com o Encontro entre Jesus e Maria, junto do Cruzeiro do Padrão (Monumento Nacional). As tricentenárias procissões, de elevado significado religioso, iniciaram-se em Valongo no ano de 1710, com a instituição da grande impulsionadora destas manifestações, a Confraria de Senhor dos Passos. Quando as condições meteorológicas não permitem, há adiamento para o fim-de-semana seguinte.

local: Zona antiga e central de Valongo | GPS: 41°11’21,75’’N 8° 29’50,58’’W

Semana que antecede a Páscoa

Solenidades da Semana Santa – Santa Maria da Feira

A Semana Santa em Santa Maria da Feira, muito mais do que um acontecimento religioso, tornou-se, ao longo dos anos, um evento de carácter social e cultural. A celebração da Semana Santa envolve a população da cidade e do concelho e, sobretudo, traz a Santa Maria da Feira visitantes que vêm conhecer a cidade e o concelho e o que de melhor se faz.

local: Centro Histórico de Santa Maria da Feira |GPS: 40.552609 -8.323042

Solenidades da Semana Santa – Vila Flor

A Santa Casa da Misericórdia e a Comissão Fabriqueira, com o apoio da Câmara Municipal de Vila Flor, celebram anualmente a já tradicional Semana Santa em Vila Flor. Procissão dos Ramos, Procissão do Enterro do Senhor e Procissão da Ressurreição, integram o programa, normalmente acompanhados por concertos de Música Sacra de Páscoa, Via-Sacra ao vivo e outras cerimónias alusivas à quadra pascal que atraem, ano após ano, um número considerável de visitantes.

local: Vila Flor | GPS: 41°18´24.78´´N 7°09´07.73´´W

Solenidades da Semana Santa – Vizela

Conjunto de festividades religiosas realizadas nas freguesias de S. João e S. Miguel, na cidade de Vizela. Ao longo da semana, decorrem várias cerimónias de cariz religioso, entre as quais a Procissão dos Entrevados, que é uma procissão pública e com muito acompanhamento pelas ruas e caminhos. Esta manifestação pública de fé ao Santíssimo Sacramento vai de doente em doente, de lugar em lugar, com multidão cantando e rezando e a banda de música enriquecendo com melodias apropriadas o ambiente de recolhimento e oração assim testemunhados. Outra procissão de grande relevância é a Procissão do Enterro do Senhor que, pelo aparato de um cortejo religioso e evocação bíblica, onde inúmeras crianças desfilam de “anjinhos”, atrai à cidade milhares de crentes.

local: Centro da Cidade – União das Freguesias de Caldas de Vizela (S. Miguel e S. João) | GPS: 41.223.313 – 8.183198

Solenidades da Semana Santa – Vila Nova de Famalicão

A Semana Santa é uma das principais festividades religiosas da região, que celebra a Paixão, a Morte e a Ressurreição de Jesus Cristo. Um período de forte relexão interior para os fiéis, com um programa de cariz religioso, onde se destaca a Via Sacra e a Procissão do Senhor Ecce Homo.

local: Ruas da cidade | GPS: 41°24’21.31” N 8°31’06.21” W

Solenidades da Semana Santa – Vila Nova de Foz Côa

Tendo em consideração a devoção da população fozcoense à sua padroeira, Nossa Senhora do Pranto, as tradicionais cerimónias da Semana Santa demonstram a religiosidade da população fozcoense. As solenes procissões da Semana Santa estão muito vivas e são demonstrativas dos mistérios da redenção do Salvador.

A Procissão do Senhor dos Passos é o momento alto, vivenciado pelo povo fozcoense e por inúmeros visitantes de outras regiões que se deslocam a Foz Côa para presenciar o Canto de Verónica e demais momentos significativos da Semana Santa.

local: Praça do Município | GPS: 41,083468 -7,136006

Quarta-feira Santa

Procissão dos Fogaréus – Arouca

Recriando os últimos passos de Cristo até ao Calvário, a tradicional Procissão dos Fogaréus percorre as ruas da vila, ao som da Banda Musical de Arouca e à luz das velas dos fiéis. Com paragem no Calvário, onde se escutam as preces, os andores recriam os momentos mais significativos da Paixão de Cristo, desde a sua entrega, ao caminho percorrido com a cruz sobre o ombro e, finalmente, a sua Crucifixão. Uma manifestação de fé e tradição.

local: Rua do Calvário | GPS: 40.932.392 -8.247.611

Festa das Endoenças – Penafiel

Invulgar é a Festa das Endoenças, em Entre-os-Rios, na Quinta-feira Santa. Esta cerimónia da Semana Santa, que se realizava um pouco por toda a Europa, tem aqui um enquadramento paisagístico ímpar, uma vez que a procissão noturna do Encontro tem de atravessar o rio Tâmega, junto à desembocadura no Douro, o que até meados do século XX se fazia apenas de barco.

local: Freguesia de Eja | GPS: 8,172853 41,0514,53

Semana Santa (quinta e sexta-feira)

Procissão Endoenças – Marco de Canaveses

Celebração religiosa da Semana Santa. A Procissão das Endoenças realiza-se há mais de 300 anos, ligando as duas margens do troço final do Tâmega, na confluência com o Douro, entre o Torrão (Marco de Canaveses) e Entre-os-Rios (Penafiel), num percurso que inclui a Ponte Duarte Pacheco. Antes da inauguração desta infraestrutura, em 1941, a procissão atravessava o Tâmega em barcos rabelos iluminados com lanternas, seguido do sermão das Endoenças e o percurso da Via-Sacra até ao Calvário, na Capela de S. Sebastião.

Programa das procissões: quinta-feira: 20h30 Missa da Ceia do Senhor na Igreja Paroquial do Torrão; 21h30 Procissão do Senhor dos Passos da Igreja Paroquial do Torrão para Entre-os-Rios; sexta-feira: 15h00 Procissão (Enterro do Senhor) da Capela de S. Sebastião para a Igreja Paroquial do Torrão e Celebração da Paixão do Senhor com celebração da Palavra.

local: Rua Padre Augusto Carlos Fidalgo – Torrão | GPS: 41°04’58.3”N 8°17’21.4”W

Domingo de Páscoa a terça-feira

Festa em honra de Nossa Senhora da Cabeça – Monção

Anualmente, na terça-feira após a Páscoa, realiza-se a romaria de Nossa Senhora da Cabeça. Romaria com muitas diversões e frequentada por inúmeros romeiros espanhóis e portugueses, que cansados já da adoração dos tempos pascais, vão recrear o espírito nesta encantadora aldeia a dois quilómetros da vila. Depois de cumpridas as suas promessas, os romeiros acomodam-se aqui e ali, na magnífica carvalheira, que rodeia a capela e saboreiam os apetitosos farnéis.

A Romaria da Senhora da Cabeça é uma das maiores e mais concorridas do concelho.

local: Lugar de Bouças – Cortes | GPS: 42.068997 -8.52188

Segunda e terça-feira após a Páscoa

Festa de Nossa Senhora da Cabeça – Valença

Festa tradicional galaico-portuguesa em que se destaca o Lanço da Cruz, na segunda-feira de Páscoa, nas águas do Rio Minho.

local: Cristêlo-Covo | GPS: 42°01’31.13’’N 8°39’23.41’’W

Segunda-feira a seguir à Páscoa

Páscoa – Travessia do rio Homem pelo Compasso – Amares

Este é um dos momentos altos das solenidades da Pascoa na freguesia de Fiscal, em Amares. A Travessia do rio Homem pelo Compasso é um orgulho local, que atrai milhares às margens do rio. O entusiasmo instala-se bem cedo: para que as pessoas possam beijar a cruz em suas casas, o Compasso tem que atravessar o rio de barco. Nos barcos seguem os mordomos com a cruz, o pároco, a banda de música e também um barco com os fogueteiros.

local: Rua S. Bento das Pedras | GPS: 4.165.821.707.958.680 -8.402.638.578.991.170

Arraial da Páscoa – Oliveira de Azeméis

O Arraial da Páscoa ou “Saltar o Rêgo» é uma tradição centenária que traz milhares de pessoas das redondezas. Desde corridas de cavalos à atuação da Banda de Música de Loureiro, às inúmeras tascas e vendedores ambulantes, o leque de animações é variado. Desconhecida a origem desta romaria, presume-se que teve início numa simples brincadeira: um burro a saltar um rego com água e, que mais tarde, se transformou numa corrida de cavalos por eliminatórias, como acontece na atualidade.

local: Largo da Alumieira – Loureiro | GPS: 40.812.136 -8.532.277

Fim-de-semana após a celebração da Páscoa

Festa em honra de Nossa Senhora das Brotas – Chaves

As festividades em honra desta padroeira são uma tradição que a memória perdeu no tempo. Logo depois da Páscoa, a população flaviense presta homenagem a esta santa, numa autêntica manifestação e devoção de fé, no Forte de São Neutel, com um vasto programa recreativo e religioso, com especial destaque para duas missas em honra da padroeira, uma no domingo e outra na segunda-feira, dia da padroeira. A Senhora das Brotas é a primeira festa do ano na cidade de Chaves.

local: Forte de S. Neutel | GPS: 41˚ 45’01.73” N 7˚ 28’03.29” W

Oito dias depois da Páscoa – Pascoela

Festa em honra de Nossa Senhora do Campo – Vila Nova de Foz Côa

As festas em honra de Nossa Senhora do Campo são já um marco incontornável das festividades do concelho, atraindo um número muito significativo de público das mais diversas proveniências a nível regional. Trata-se de uma impressionante manifestação de devoção religiosa, em que a componente emocional está bem patente no Santuário da Nossa Senhora do Campo.

local: Santuário Nossa Senhora do Campo – Almendra | GPS: 41.000.170,00 -7.054.021

Segundo domingo após a Páscoa

Festa de Nossa Senhora da Saúde – Maia

A Nossa Senhora da Saúde é a primeira das grandes festividades na cidade da Maia. É costume ouvir-se dizer que a devoção à Nossa Senhora da Saúde é uma tradição em muitos locais de Portugal, já desde o século XVI, contudo outros apontam para uma data posterior a 1646, quando ainda na euforia da Restauração, D. João IV coroou “Nossa Senhora” em Vila Viçosa. Ainda que até ao momento nada seja concreto, a verdade é que esta tradição ainda hoje perdura, sendo que todos os anos, após a Páscoa é realizada uma festa em homenagem à Nossa Senhora da Saúde em Gueifães, na Maia.

local: Largo da Igreja – Gueifães | GPS: 41°13’3.66”N 8°36’11.79”W

[themoneytizer id=”19156-16″]

 

 

Romarias e Festas Populares em Abril

Durante o mês de Abril, realizam-se as seguintes Romarias e Festas Populares em Portugal:

Último fim-de-semana

Festa de Nossa Senhora da Luz | Constantim – Miranda do Douro

No último domingo de abril, celebra-se em Constantim, Miranda do Douro, a Festa em honra de Nossa Senhora da Luz. Uma festa de cariz religioso à qual se associa a vertente comercial, com a realização de uma feira internacional.

Realiza-se uma Missa Campal, seguida de procissão em torno da capela, sendo este é o momento alto das festividades. Esta é uma das muitas romarias que se realizam no concelho de Miranda do Douro, neste caso o que a torna particular é o facto de acontecer na raia, no local exato onde se dividem os dois países, Portugal e Espanha, o que lhe confere um carácter internacional.

local: Santuário de Nossa Senhora da Luz | GPS: 4.163.302.214 -625.497.043

25 de abril a 3 de maio

Festa das Cruzes | Barcelos

A iniciativa promovida pelo Município de Barcelos mantém a natureza tradicional que faz desta festa a primeira grande romaria minhota.

A Procissão da Invenção da Santa Cruz, a presença de elementos culturais, etnográficos, folclóricos e populares constituem a matriz deste grande evento, que tem o seu ponto alto a 03 de maio, feriado municipal, dia consagrado ao Senhor do Bom Jesus da Cruz. Ler+

local: Cidade de Barcelos | GPS: 41.53278832598624 -8.618077039718628

Fonte: informações retiradas daqui

Festas e Romarias na cultura popular

«As festas e romarias, tão caras à alma do nosso povo, crente e folgazão, têm uma função simultaneamente religiosa e social

A elas afluem, de todas as partes por onde andam dispersos, os filhos da terra, para alimentar a fé que os liga à sua igreja e fortalecer as raízes que os ligam ao seu torrão natal.

Nelas se robustecem velhas amizades e se criam outras novas, embora, às vezes, se gerem também discórdias, porque o calor aperta e o vinho sobe à cabeça dos romeiros, o que felizmente se vai tornando cada vez mais raro.

Depois de satisfeitas as devoções e cumpridos os votos, vá de dar largas à emoção e à alegria, num convívio salutar e fraterno, com os parentes e amigos, cantando e dançando, no largo da igreja ou no recinto da ermida.» Joaquim Alves Ferreira, in “Cancioneiro – Literatura Popular de Trás-os-Montes e Alto Douro” Ler+

Romaria de Nossa Senhora d’Agonia

Romaria de Nossa Senhora da Agonia – Viana do Castelo – 2019

Devoção e Tradição

Há quase 250 anos que, a cada mês de agosto, a cidade de Viana do Castelo entra em festa, por entre devoção e muita tradição, com a “Rainha das Romarias de Portugal”.

Ainda hoje a Romaria de Nossa Senhora de d’Agonia mantém alguns dos aspetos mais genuínos daquela que é a mais tradicional festividade do país e que anualmente leva milhares de pessoas a esta cidade do norte de Portugal.

Em 2019, a festa faz-se em cinco dias, terminando a 20 de agosto, feriado municipal e dia consagrado à padroeira, com a realização da procissão ao mar em honra de Nossa Senhora d’Agonia, uma das mais verdadeiras provas de devoção das gentes da Ribeira de Viana do Castelo.

A Romaria em honra de Nossa Senhora d’Agonia nasce em 1772, pela devoção dos homens do mar, que pedem proteção à padroeira. A festa foi crescendo e junta hoje a devoção, a história e a riqueza etnográfica, valendo-lhe o título popular de “A Romaria das Romarias de Portugal”.

Dita a festa que se acorde ao som dos foguetes, enquanto de fundo se ouvem por toda a cidade os bombos e as concertinas. Nos dias de festa não faltam os desfiles das mulheres com os seus trajes e a sua “chieira”, envolta em peças únicas de ouro tradicional.

E assim, Viana do Castelo torna-se na maior montra de ouro, palco de tradições únicas, dos tapetes de sal que a fé alimenta, ao fogo-de-artifício que fecha cada dia de festa que começa por entre o alvoroço e as brincadeiras dos gigantones e cabeçudos.

Sejam bem-vindos à Romaria d’Agonia.

Programa

Dia 3

16h30 – Abertura da XVIII “Exposição/Feira de Artesanato da Romaria d’Agonia”

Dia 16

08h30 – Alvorada – Praça da República
09h30 – Circuito do Feirão – Em vários locais da cidade
09h30 – Concertos Musicais
11h00 – Apresentação de cumprimentos ao Executivo Municipal
12h00 – Revista de “Gigantones e Cabeçudos” – Praça da República
14h00 – Concertos Musicais
16h00 – Desfile da Mordomia – Saída do Palácio dos Cunhas, antigo Governo Civil, em direcção à Cúria Diocesana – Largo de S. Domingos
21h00 – Desfile de Grupos de Bombos e Cabeçudos – Avenida dos Combatentes da Grande Guerra
22h00 – Concertos Musicais
22h00 – Espectáculo musical – com “Sons do Minho” – Praça da Liberdade
00h00 – Fogo-de-artifício – Jardim Marginal
Arraial de Dj ́s – Junto ao Castelo Santiago da Barra

Dia 17

08h30 – Alvorada – Praça da República
09h30 – Concertos Musicais
10h00 – Remo no estuário do Rio Lima
12h00 – Revista de “Gigantones e Cabeçudos” – Praça da República
14h00 – Concertos Musicais
16h00 – Cortejo Histórico Etnográfico, com formação na Alameda 5 de Outubro terminando junto à Rotunda do Pescador, na Alameda Campo d’Agonia
21h00 – Desfile “Vamos para o Festival” – Av. dos Combatentes da Grande Guerra
21h30 – Concertos Musicais
22h00 – Festival Folclórico – Palcos da Praça da Liberdade e anfiteatro do Jardim da Marina
00h00 – Fogo-de-artifício, designado por Fogo do Meio ou da Santa – Campo d’Agonia
Arraial de Dj ́s – Junto ao Castelo Santiago da Barra

Dia 18

08h30 – Alvorada – Praça da República
09h30 – Circuito do Feirão – Em vários locais da cidade
09h30 – Concertos Musicais
12h00 – Revista de “Gigantones e Cabeçudos” – Praça da República
14h00 – Concertos Musicais
16h00 – Procissão Solene em honra de Nossa Senhora d’Agonia pelas ruas da cidade
21h00 – Desfile de Grupos de Bombos e Cabeçudos – Av. dos Combatentes da Grande Guerra
21h30 – Concertos Musicais
22h00 – Praça da Música – Música Popular
22h00 – Festa do Traje – Centro Cultural de Viana do Castelo
00h00 – Serenata – Rio Lima
Arraial de Dj ́s – Junto ao Castelo Santiago da Barra

Dia 19

08h30 – Alvorada – Praça da República
09h30 – Concertos Musicais
12h00 – Revista de “Gigantones e Cabeçudos” – Praça da República
14h30 – Concertos Musicais
15h00 – Festival de Concertinas | Cantares ao Desafio – Praça da Liberdade
21h00 – Desfile “Vamos para o Festival” – Av. dos Combatentes da Grande Guerra
21h30 – Concertos Musicais
22h00 – Festival Folclórico – Palcos da Praça da Liberdade e anfiteatro do Jardim da Marina
22h – Tapetes Floridos – Início da confecção dos “Tapetes Floridos” nas ruas da Ribeira
Arraial de Dj ́s – Junto ao Castelo Santiago da Barra

Dia 20 – Dia de Nossa Senhora D’Agonia

08h30 – Alvorada – Praça da República
09h00 – Tapete floridos – Visita às ruas da Ribeira para admirar os “Tapetes Floridos”, cuidadosamente feitos durante a noite
09h30 – Concertos Musicais
09h30 – Circuito do Feirão – Vários locais da cidade
12h00 – Revista de “Gigantones e Cabeçudos” – Praça da República
14h30 – Concertos Musicais
14h30 – Procissão ao Mar – Solene Concelebração Eucarística no Santuário de Nossa Senhora d’Agonia, seguida de Procissão ao Mar
21h00 – Desfile de Grupos de Bombos e Cabeçudos – Av. dos Combatentes da Grande Guerra
21h30 – Concertos Musicais
22h00 – Espectáculo musical com “Augusto Canário e Amigos” – Campo d’Agonia
00h00 – Fogo-de-artifício – Campo d’Agonia
Arraial de Dj ́s – Junto ao Castelo Santiago da Barra
Fonte

Notícias sobre Folclore e Cultura Popular Portuguesa

 

Anualmente, todos os meses ou com outra periodicidade, realizam-se, de Norte a Sul de Portugal Continental e nas Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira, inúmeras Feiras  dedicadas a temas diversificados, com destaque para o Artesanato, a Gastronomia – onde se incluem os Festivais ou Semanas Gastronómicas, etc -, os Produtos Regionais e Locais (Fumeiro e Enchidos, Doçaria, Vinhos, Azeite, Mel, Cerejas, Castanhas, etc.), sem esquecer as Feiras Medievais ou as Recriações Históricas

Também se realizam Festivais ou Encontros de Folclore, ou de Música Tradicional ou Popular,inúmeras Festas e Romarias, para além de diversas outras iniciativas.

Como forma de colaborar na divulgação deste tipo de iniciativas e outras relacionadas, direta ou indiretamente, com a Cultura Popular, vamos colocar este espaço do Folclore.PT as notícias que consideramos interessantes e, eventualmente, importantes sobre este tipo de iniciativas:


Em abril, quem gosta de docinhos alentejanos vai querer estar em Torrão
É no Jardim do Coreto, na vila alentejana de Torrão, que de 12 a 14 de abril, os gulosos vão descansar o palato em petiscos doces como as pinhoadas, bolo fidalgo, bolo raiva, hóstia real, entre outras especialidades doceiras. Saber mais

Romaria a cavalo de 24 a 28 de abril
A XIX Romaria a Cavalo Moita-Viana do Alentejo realiza-se de 24 a 28 de abril. Considerado como um dos maiores eventos nacionais equestres, conta com a participação de centenas de romeiros vindos de diversos pontos do País. Continuar a ler

O Rancho Folclórico Ceifeiras e Campinos de Azambuja
O Rancho Folclórico Ceifeiras e Campinos de Azambuja comemorou 62 anos levando a etnografia para as ruas da vila de Azambuja. Continuar a ler

Fim-de-Semana Gastronómico do Bacalhau de Cebolada em Ponte de Lima
Ponte de Lima vai acolher, entre os dias 1 e 3 de Março, o Fim-de-semana Gastronómico do Bacalhau de Cebolada, um evento dedicado ao bacalhau, que convida a degustar este prato típico, confeccionado de «mil e uma maneiras», e que outrora era muito comum nas feiras quinzenais como iguaria, preservando-se até hoje essa rica tradição gastronómica que alimenta os que aqui vêm feirar. Continuar a ler

Quem quer ser um dos rostos da Feira Medieval de Silves 2019?
A Câmara Municipal de Silves está à procura de três homens e de uma mulher que queiram ser os rostos dos cartazes da Feira Medieval de Silves deste ano. Continuar a ler

Foliões vão andar nas ruas animar o Carnaval do Alto Tâmega
O Carnaval é a época do ano mais animada. Os municípios do Alto Tâmega organizam, por estes dias, várias atividades para comemorar a época carnavalesca a rigor, com muita cor, alegria e diversão. Continuar a ler

Enguia volta a ser rainha à mesa em Salvaterra de Magos
De 1 a 31 de Março a enguia volta a ser o prato forte no concelho de Salvaterra de Magos com a realização de mais uma edição do Mês da Enguia. Continuar a ler

Conheça o programa do Festival do Azeite e Fumeiro em Proença-a-Velha
Terra de muitos sabores e tradição, Proença-a-Velha, freguesia do concelho de Idanha-a-Nova, vai animar-se com o muito aguardado XVII Festival do Azeite e Fumeiro que é já nos dias 2 e 3 de março. Continuar a ler

Auditório Municipal recebe o II Encontro da Cultura Popular do Ribatejo
Região especialmente heterogénea, o Ribatejo, carece de uma análise social e cultural que permita perceber a sua matriz conceptual em volta da qual a ideia de Região se estruture e desenvolva. Continuar a ler

XV Feira Medieval de Belver
A XV edição da Feira Medieval de Belver, Gavião, vai decorrer este ano nos dias 14, 15 e 16 de junho, anunciou a autarquia, evento que leva até à vila representações da época medieval e vários artesãos e que, durante um fim-de-semana, recriam um ambiente diferente e atraem milhares de pessoas à Vila Medieval. Continuar a ler

FIAPE 2019 – Feira Internacional Agropecuária de Estremoz
A 33ª edição da FIAPE – Feira Internacional Agropecuária de Estremoz, vai realizar-se em paralelo com a 37.ª edição da Feira de Artesanato de Estremoz, de 1 a 5 de maio do corrente ano. Continuar a ler

Mercado à Moda Antiga volta a Azeméis a 18 de maio
Esta será a 23.ª edição da iniciativa que, apontada como o principal evento do calendário anual da autarquia, procura recriar os hábitos comerciais e sociais do antigo mercado mensal da Praça dos Vales, em finais do século XIX, e envolve para isso cerca de 2.000 figurantes, 60 artesãos e 90 associações, escolas e outras instituições do concelho. Continuar a ler

XXIV Feira das Tradições de Pinhel
Realizada desde a primeira edição no fim de semana que antecede o Carnaval, a 24ª Feira das Tradições tem data marcada para os dias 1, 2 e 3 de março e vai ter lugar no Centro Logístico de Pinhel, espaço de amplas dimensões onde a organização procura assegurar conforto e bem-estar a expositores e visitantes. Continuar a ler

Entrudo: as Aldeias do Xisto vão ter jogos, música e Carnaval
No primeiro fim de semana de março tem um ótimo motivo para visitar as Aldeias do Xisto: a festa tradicional do Entrudo. Vai haver muita animação de Carnaval nas ruas de Aigra Nova e nas aldeias vizinhas no domingo, dia 3. Continuar a ler

Constância | Conversas sobre Etnografia e Folclore junta especialistas
O Cineteatro Municipal de Constância recebe no sábado, dia 16 de fevereiro, a iniciativa “Conversas sobre Etnografia e Folclore”, evento que vai reunir alguns especialistas da área. Continuar a ler

Fatacil celebra 40 anos com «edição memorável»
A Fatacil – Feira de Artesanato, Turismo, Agricultura, Comércio e Indústria de Lagoa decorre de 16 a 25 de Agosto e vai comemorar os 40 anos de existência com uma «edição memorável». Continuar a ler

Carnaval de Torres Vedras à espera de 400 mil visitantes entre 01 e 05 de março
O Carnaval de Torres Vedras realiza-se de 01 a 05 de março, aguardando por 400 mil visitantes, mas abre este sábado as festividades com a inauguração do monumento alusivo ao tema deste ano, ‘Made in Portugal’. Continuar a ler

Tertúlia sobre música tradicional portuguesa no Teatro Esther de Carvalho
Uma tertúlia sobre ‘A música tradicional portuguesa: passado, presente e futuro’ vai realizar-se no sábado, às 21.30, no Teatro Esther de Carvalho, no centro da vila de Montemor-o-Velho. Continuar a ler

Vila de Rei | Folclore no Centro regressa com Feira de Velharias, Antiguidades e Colecionismo
O Pavilhão Polidesportivo da Fundada recebe a quarta edição da iniciativa “Folclore no Centro” entre as 12h00 e as 18h00 do próximo dia 17 de fevereiro, em simultâneo com Feira de Velharias, Antiguidades e Colecionismo. O programa arranca com a arruada da Funfarra da Sociedade Filarmónica União Maçaense e inclui a participação de cinco ranchos folclóricos. Continuar a ler

FATACIL faz 40 anos e promete novidades
A FATACIL – Feira de Artesanato, Turismo, Agricultura, Comércio e Indústria de Lagoa assinala os 40 anos de existência na edição de 2019 que vai ter lugar de 16 a 25 de Fevereiro, e promete muitas novidades. Continuar a ler

Aldeias de Portugal promove Turismo Rural e Gastronomia no Norte, Centro e Alentejo
A marca Aldeias de Portugal quer promover o turismo rural este ano nas aldeias do Norte, Centro e Alentejo com o projeto premiado ‘Almoce e jante connosco’, avançou hoje à Lusa a presidente daquela estrutura. Continuar a ler

“O nome Martinho Dimas vai estar sempre agregado” às Mondadeiras, diz pres. do Rancho de Casa Branca no 7º Encontro de Saias
O Rancho Folclórico as Mondadeiras, de Casa Branca, realizou no passado sábado o 7º Encontro de Saias. Para além do grupo organizador, estiveram em palco o Rancho Folclórico dos Foros da Fonte Seca (Redondo), Grupo Folclórico e Cultural da Boavista (Portalegre) e o Rancho Folclórico Cravos e Rosas (Orada, Borba). Continuar a ler

Crianças de Constância aprendem cultura popular do concelho
De boca em boca – contos, lendas, adivinhas, lengalengas…” é o nome das sessões de promoção do património cultural imaterial que o Museu dos Rios e das Artes Marítimas de Constância vai promover junto das crianças dos jardins de infância dos centros escolares de Montalvo, Constância e Santa Margarida da Coutada, nos dias 19 e 27 de fevereiro. Continuar a ler

Conheça a 20ª Feira de São Brás c/vídeo
A Feira e Mostra de São Brás vai decorrer no próximo domingo, dia 3 de fevereiro em Ferreira do Zêzere. Este evento organizado pela Junta de Freguesia de Ferreira do Zêzere, é uma recreação das feiras dos anos 30 do século passado. Continuar a ler

Rede cultural leva novos espetáculos à região Dão Lafões
Um espetáculo de teatro que é também um jantar, uma imersão sonora nas termas e composições musicais associadas a filmes icónicos são algumas das propostas culturais, hoje divulgadas, que este ano vão percorrer a região Dão Lafões. Continuar a ler

Constância recebe conversas sobre folclore e etnografia
Conversas sobre Folclore e Etnografia” é o nome da iniciativa que o conselho técnico da Federação do Folclore Português (FFP) para a Região do Alto Ribatejo vai realizar no próximo dia 16 de fevereiro, a partir das 14h30, no cineteatro municipal de Constância. Continuar a ler

Grupo Folclórico União de Tradições comemora segundo aniversário
O Grupo Folclórico União de Tradições, da União de Freguesias de Esqueiros, Nevogilde e Travassós, festeja este domingo o seu segundo ano de actividade. Continuar a ler

Ponte de Lima leva a Loures os melhores vinhos verdes para regar o Arroz de Sarrabulho com Rojões
O almoço de arroz de sarrabulho com rojões à moda de Ponte de Lima vai ser acompanhado à escolha com o apaladado vinho verde loureiro e o vinhão da Casa da Cuca, de Moreira do Lima, vinhos verdes da Adega de Ponte de Lima e reservas do afamado restauranto “Sonho do Capitão”, da Correlhã. Continuar a ler

Câmara de Santa Maria da Feira apoia 39 projetos culturais com 165 mil euros
A Câmara Municipal de Santa Maria da Feira revelou hoje que vai apoiar este ano 39 iniciativas culturais de 27 entidades locais, disponibilizando para os seus projetos uma verba de 165 mil euros. Continuar a ler

8ª Feira do Fumeiro do Demo
A 8.ª Feira do Fumeiro do Demo é um evento organizado pela Câmara Municipal de Vila Nova de Paiva e Junta de Freguesia de Touro e decorrerá nos dias 09 e 10 de março , no Parque Urbano de Touro. Continuar a ler

Acordeando – Festival de Acordeão
A ACCFF, em parceria com o Município da Figueira da Foz, assumiu a necessidade de promover e divulgar o acordeão como forma de assegurar a sua prática e continuidade ao serviço do folclore e das tradições locais. Continuar a ler

Feira de Artesanato e Velharias de Monção muda para campo da feira
A Feira de Artesanato e Velharias de Monção, depois de alguns anos a decorrer na Praça Deu-la-Deu Martins, vai mudar para o campo da feira. Continuar a ler

Mercado Municipal palco da feira de artesanato “Artes e Talentos”
O Mercado Municipal da Moita recebe, nos dias 2 e 9 de Fevereiro, entre as 9h00 e as 13h30, a Feira de Artesanato “Artes e Talentos”.
A Feira de Artesanato “Artes e Talentos” realiza-se no interior do Mercado Municipal da Moita, sempre no primeiro e segundo sábado de cada mês, e conta com a participação de artesãos de várias áreas: madeira, tecido, metal, cerâmica, cortiça, crochet, entre outras. Continuar a ler

Festival das Sopas regressa a Sernancelhe em Fevereiro
O Exposalão de Sernancelhe vai voltar a receber entre 15 e 17 de fevereiro o Festival de Sopas e Encontro de Ranchos. A autarquia sublinha que vai promover a iniciativa “para fazer jus à tradição e respeitar a herança gastronómica sernancelhense”.
O certame, que vai entrar na sexta edição, vai contar com 17 associações locais que vão preparar-se para criar milhares de litros de sopa em sabores distintos e endógenos, confecionadas com práticas de cultura biológica e legumes trazidos pelas próprias instituições, assim como com 10 ranchos folclóricos vindos de todo o país, inclusive vindos das regiões do litoral, do Minho e da Beira Alta. Continuar a ler

Festival Antena 2 vai ter concertos e teatro no palco do Teatro Dona Maria II
Em 2019, o Festival Antena 2 vai acontecer no princípio de Fevereiro e o palco escolhido é o do Teatro D. Maria II. Durante quatro dias há teatro e um concerto gratuito. Continuar a ler

D. Maria II acolhe pela primeira vez o Festival Antena 2
Três concertos de música clássica, música tradicional portuguesa e um outro concerto pela Banda Sinfónica da Polícia de Segurança Pública, fazem parte do programa da iniciativa. A entrada é gratuita. Continuar a ler

Sérgio Mirra apresenta CD no sábado à noite
O auditório da EPATV – Escola Profissional Amar Terra Verde, em Vila Verde, recebe no próximo sábado a apresentação do CD de Sérgio Mirra. Continuar a ler

Música Tradicional Portuguesa regressa a Mafra
A Câmara Municipal de Mafra organiza, entre os meses de Janeiro e Fevereiro, a segunda edição do Ciclo de Música Tradicional Portuguesa “Raízes”. Continuar a ler

Três artistas desconhecidos que vão inspirar sua carreira
Quando começamos uma carreira, seja ela qual for, uma boa parte de nossas inspirações são os “monstros sagrados”. Na música, por exemplo, não são poucas as pessoas que começam a tocar por causa de uma determinada lenda do rock. Mas como o mundo é cheio de “ilustres desconhecidos”, listamos aqui 3 artistas relativamente anónimos, mas que certamente te apresentarão novas perspectivas acerca do profissionalismo. Continuar a ler

Concertos nas igrejas de Vila Nova de Cerveira promovem Caminho Português da Costa
Vila Nova de Cerveira acolhe, entre 27 de janeiro e 10 de março, um ciclo de sete concertos nas igrejas de sete freguesias do concelho. Os ‘Sons no Caminho’ acontecem todos os domingos. Continuar a ler

Fontes diversas

Chulas e Malhões | Danças populares e tradicionais

Chulas e Malhões

As Chulas

Chula Amarantina; Chula de Santa Cruz; Barqueiros e “Paus”.

Estas são apenas algumas das versões da ‘chula’ que percorre as margens do Douro e se estende até ao Minho. Atrai para os átrios das igrejas, os que gostam de bailar e sempre que chega o Natal, aproveita-se para comemorar com umas “chulas“.

Pedro Homem de Mello caracterizou-a como uma “dança complicada, rica e subtil onde certos saltos evocavam modas escandinavas”.

“Houve tempos em que os trabalhos agrícolas, como as mondas, as desfolhadas ou as espadeladas do linho eram pretexto suficiente para puxar da concertina, da viola ou da rabeca e dar ritmo aos movimentos.

Eram serões animados pelas modas criadas à medida do carácter do minhoto, para quem “dança” é impreterivelmente sinónimo de alegria. As próprias letras das canções fazem a isso referência e, se alguém tiver duvidas, basta ouvir com atenção um excerto da ‘chula d’ Areosa”: “hei-de cantar hei-de rir, hei-de ser muito alegre; hei-de mandar a tristeza, pró diabo que a leve…”

As romarias eram outro bom pretexto para se dançar as “chulas”.

Eram criadas com letras e coreografias um pouco diferentes consoante a localidade em que surgia. Mas cada freguesia defendia a sua, com brio e vaidade.

É igualmente uma dança de roda, mas o porquê do nome não está esclarecido. Hoje os serões minhotos são preenchidos de forma diferente. Os processos mecanizaram-se e a intervenção do homem nas tarefas agrícolas foi minimizada.

Agora, quem dança as ‘chulas’ são os grupos folclóricos que foram surgindo ao longo dos anos, trajados à moda do Minho e ornamentados com as relíquias em ouro.

As chulas não são as únicas rainhas das danças do norte.

Os Malhões

Descemos ao Baixo Minho e entramos no reino dos “malhões‘, o ambiente é de folia e animação. É conhecido como “malhão velho’, ‘malhão minhoto’ ou simplesmente “malhão”.

A dança começa quando os pares dispostos em círculo, se voltam para dentro dando a direita à moça. Depois de irem dançando em ‘passo de chula”, e de o mandador dar ordem, eis que se inicia o “voltear“. É executado em cinco tempos, durante os quais os pares volteiam sobre si em passos mais largos. No final deste movimento surge o característico “pulo” a ‘pé-coxinho”.

Para alguns interessados nestas matérias, esta será uma dança campestre que terá surgido no distrito do Porto.

O nome de “malhão” terá tido origem em algum instrumento agrícola e nos tempos em que era dançado nas aldeias, tinha uma coreografia diferente, mulheres e homens dispunham-se em fila, frente a frente. Iam-se aproximando e afastando sucessivamente e batiam o ritmo com os pés. O fim da dança acontecia quando todos fechavam a roda e pulavam.

Curioso é, no entanto, o testemunho dos mesmos autores para os quais a dança tomou um rumo e uma conotação bastante diferente depois de ter passado do campo para a cidade, pois dizem que a dança foi “adoptada nas orgias e bacanais do povo rude“. Porém, esse significado foi ultrapassado e hoje o “Malhão” é dançado sem preconceitos.

Fonte | Imagem de destaque: Rancho Folclórico Barqueiros do Douro

 

Romarias e Festas Populares no mês de Agosto

 

Durante o mês de Agosto, realizam-se as seguintes Romarias e Festas Populares em Portugal:

 

Dias 1 a 16

Festa em honra de Nossa Senhora do Socorro | Peso da Régua
É em agosto que se realizam as Festas em honra de Nossa Senhora do Socorro – Festa do Douro. Tendo início com o Festival das Francesinhas na 1ª emana de agosto que, no mesmo certame, junta a gastronomia e música, a Festa do Socorro tem os seus pontos altos na noite de 14 de agosto na parte alta da cidade, onde milhares de pessoas se juntam em folia: na Procissão do Triunfo que se distingue como o ponto mais alto das festas e o Arraial do Rio que ombreia com o que de melhor se faz no país.
local: Peso da Régua | GPS: 41.16227854 -7.79186048

Dias 3 a 5

Romaria a S. Domingos | Fontelo – Armamar
Fontelo organiza uma das principais e mais concorridas romarias do Município. Acontece todos os anos, nos dias 03, 04 e 05 de agosto. A tradição remonta à Idade Média. Ao longo dos séculos, a romaria ganhou tamanha importância que a Câmara de Lamego era “obrigada” a tomar parte, juntamente com os vigários capitulares da Sé, clérigos, Franciscanos do Convento de S. Francisco e muita gente da cidade e seus arredores. Era costume distribuir-se um jantar no final das cerimónias aos participantes na procissão. A Feira Franca acontece a 03 de agosto e marca o início das festividades.
local: Fontelo | GPS: 41.121.395 -7.745.095

Dia 4

Romaria de S. Domingos | Raiva – Castelo de Paiva
Esta romaria, uma das maiores do concelho, realiza-se num dos pontos mais emblemáticos: o Monte de São Domingos. Aqui acorrem milhares de peregrinos de vários pontos do país, percorrendo longas distâncias a pé para pagarem as suas promessas. As cerimónias religiosas têm início na Capela de Nossa Senhora das Amoras, em Oliveira do Arda, seguindo depois uma procissão serra acima em direção à Capela de São Domingos, onde é rezada uma missa em honra do santo. A procissão é acompanhada por uma banda de música e os andores são levados às costas por devotos como pagamento de promessas.
local: São Domingos – Raiva | GPS: 41.016.667; -8.350.000

Dia 5

Festa de Nossa Senhora das Neves | Viana do Castelo
Realizada no Largo das Neves, um lugar-comum a três freguesias – Barroselas, Vila de Punhe e Mujães – esta romaria tem por principal atrativo o famoso Auto Medieval da Floripes, uma peça de teatro medieval, de tradição popular, que encena uma batalha entre cristãos e turcos, que representa um dos mais antigos espécimes do teatro popular, realizada a 5 de agosto, nas Neves.
local: Largo das Neves – Barroselas, Vila de Punhe e Mujães | GPS: 41652954; -8.720.466

Dias 6 a 10

Festa de Nossa Senhora da Lapa | Arcos de Valdevez
A implantação em 1758 do culto a Nossa Senhora da Lapa na vila de Arcos de Valdevez estimulou a edificação de um templo religioso em sua homenagem, concluído em 1767, sendo deste período as primeiras manifestações públicas de celebração, que se mantiveram constantes até meados do século XX. Retomadas em 2009, as festividades passam a integrar, e a titular, as Festas do concelho, realizadas no segundo fim-de-semana de agosto, devolvendo aos arcuenses uma das suas mais importantes e simbólicas festividades religiosas.
local: Igreja da Lapa e Zona Histórica de Arcos de Valdevez | GPS: 41°50’45.20”N 8°25’08.79”W

Festas concelhias em honra de São Brás | Terras de Bouro
O Município de Terras de Bouro promove, como é tradição, de 06 a 10 de agosto, mais uma edição das Festas Concelhias em honra de S. Brás. De destacar as arruadas e a tradicional animação de rua, os desfiles dos grupos folclóricos que participam no Festival Folclórico Concelhio, as “rodas” compostas por grupos de concertinas que animam as ruas, as bandas filarmónicas, os cantores de música popular, a Corrida de Cavalos de Passo Travado e a Feira Franca, além dos jogos de futsal da fase final do Torneio Concelhio de Futsal, as importantes cerimónias religiosas e do fogo de artificio, todas completam um animado e variado programa festivo.
local: Praça do Município | GPS: 41°43’8.72”N 8°18’29.55”W

Dias 7 a 10

Romaria de Nossa Senhora da Saúde | Saudel  – Sabrosa
Romaria que se realiza entre o dia 07 e 10 de agosto, tendo o seu dia principal no dia 09 com a Missa e Procissão Solene em honra da Senhora da Saúde que vai num andor com cerca de dezasseis metros de altura.
local: Santuário de Nossa Senhora da Saúde | GPS: 41°31’41.67’’N 7°59’19.44’’W

Dias 8 e 9

Romaria de Nossa Senhora do Castanheiro | Valtorno – Vila Flor
Consta de festa religiosa e arraial popular no santuário, que integra uma igreja românica tardia, que antigamente albergava os peregrinos de Santiago de Compostela. Alguns sepulcros embutidos na parede, em forma de capelas e uma imagem setecentista de Santa Maria do Castanheiro ornamentam o seu interior. Ao lado deste templo existe um castanheiro antiquíssimo com uma toca no tronco e, segundo dizem os antigos, Nossa Senhora aparecia na toca da árvore.
local: Valtorno | GPS: 41°15´05.67´´N 7°12´32.94´´W

Dia 10

Festa de São Lourenço e Dia do Município | Vimioso
Festa em honra de São Lourenço, que é também dia do município, altura em que os agricultores do concelho se reúnem com a intenção de fazer negócios de vendas de animais (gado bovino de raça mirandesa). O Município organiza o Concurso de Gado Bovino de Raça Mirandesa e a Luta de Touros. À noite, há espetáculo musical com um artista português.
local: Parque Municipal | GPS: 41°34’59.97”N 6°31’50.92”W

Dias 10 a 15

Romaria de S. Bento da Porta Aberta | Terras de Bouro
É uma romaria típica da cultura popular e tradicional do nosso povo, com uma dimensão religiosa no cumprimento de promessas ao S. Bento, Missa Solene, sermão e majestosa procissão com andores de flores naturais e figurantes. Como diversões, há bandas de música e vários grupos de concertinas. Nas noites de 12 e 13 há o famoso fogo-de-artifício.
local: Rua 1, São Bento | GPS: 41°41´23.2” N 8 °12´14.2” W

Dias 12 a 15 de agosto

Festa de Nossa Senhora de Fátima | Balteiro – Ribeira de Pena
Em honra de Nossa Senhora de Fátima, que é venerada numa festa religiosa e profana nos dias 12, 13 e 14 de agosto, a Festa de Balteiro continua a atrair muitos devotos e romeiros que procuram a tradicional animação musical com o Rancho de Balteiro, grupos musicais e a Procissão de Nossa Senhora de Fátima. Além disso, podem fazer-se compras na tradicional e mensal Feira dos 13.
local: Balteiro | GPS: 41°32’16.51”N 7°47’9.69”W

Festa da Vila e do Concelho em honra de Nossa Senhora da Assunção | Torre de Moncorvo
Uma das referências mais antigas que se conhece sobre a Festa de Nossa Senhora da Assunção em Torre de Moncorvo aparece numa Provisão de 1695 «para que em dia de Nossa Senhora da Assunção se faça pela Câmara Festa na Igreja …». Desde 1695 até 1973 decorreram, nesta vila, as festividades em honra de Nossa Senhora da Assunção. Após uma interrupção de treze anos, as festividades reiniciam-se no ano de 1986 até ao presente. O cartaz festivo é muito diversificado com sessões de fogo de artifício, arruadas pelas bandas filarmónicas e arraiais com grupos musicais. No dia 15, predomina a vertente religiosa com Missa Solene e Procissão em honra da padroeira Nossa Senhora da Assunção.
local: Centro Histórico da Vila de Torre de Moncorvo | GPS: 4.117.403 -705.235

Festas em honra de Nossa Senhora da Saúde | Vila Nova de Gaia
As Festas em honra da Nossa Senhora da Saúde, realizam-se no Monte Murado, num ambiente natural, nos os dias 12, 13,14 e 15 de agosto, atraindo milhares de visitantes para aí cumprirem as suas promessas e rezarem as suas preces. Junto à capela, situada ao cimo deste monte, é erguido um altar, sob um toldo, onde são realizadas duas missas campais, uma às 09h00 e a da festa pelas 11h00, saindo depois a procissão longa numa interminável fila de fiéis, abrilhantada por grupos filarmónicos. Milhares de romeiros levam compridos círios, intercalando com os respetivos andores, descem e contornam o cruzeiro e sobem novamente a íngreme ladeira. Para além da animação não falta a tradicional sardinha assada, o bacalhau assado na brasa, caldo verde com a típica broa, rulotes de farturas, doces e fruta. Durante o dia, atuam vários grupos musicais. O fogo-de-artifício é às 24 horas. No dia seguinte, temos a famosa Corrida de Cavalos, argolinhas e desfilada e, à noite, a exibição de grupos musicais. Esta romaria é considerada das maiores festas religiosas de Gaia e do Norte de Portugal.
local: Carvalhos – Pedroso | GPS: 41°3’36.8676”N 8°34’37.2612”W

Dias 12 a 22

Festa de Nossa Senhora das Graças | Bragança
As festividades de Nossa Senhora das Graças, padroeira da cidade de Bragança, decorrem de 11 a 22 de agosto. O programa conta com uma série de espetáculos musicais, animação no Castelo de Bragança com a Festa da História e um espetáculo piromusical na noite do arraial. O programa religioso, dedicado à padroeira da cidade, tem o seu ponto alto com a missa na Catedral, seguida da grandiosa Procissão Solene pelas ruas da cidade.
local: Bragança | GPS: 41.806715° -6.754933°

Dias 13 a 15

Romaria de Nossa Senhora da Assunção | Vila Flor
É o maior e um dos mais importantes santuários marianos de Trás-os-Montes onde se realiza, todos os anos, uma romaria, a maior da região, cujo expoente máximo ocorre dia 15 de agosto, com a majestosa Procissão. Acompanhada por bandas de música, várias centenas de peregrinos descalços, milhares de visitantes, cerca de uma centena de figuras bíblicas, 11 andores, sendo o maior o de Nossa Senhora, carregado por cerca de cinquenta pessoas, vai desde a aldeia de Vilas Boas até ao santuário, numa distância de dois quilómetros.
local: Santuário Nossa Senhora da Assunção | GPS: 41°20´55.26´´N 7°10´51.96´´W

Dias 13 a 16

Festa em honra de Santa Maria Maior | Alijó
Festividade de grande relevo para Alijó, dedicada a Santa Maria Maior, padroeira desta vila. Realiza-se em agosto e tem uma duração de quatro dias, recheados de atividades religiosas, culturais e etnográficas onde a folia e a diversão duram até altas horas da madrugada.
local: Alijó | GPS: 41.26671093007253 -7.445812225341797

Dias 13 a 16 de Agosto

Festa de Nossa Senhora da Guia | Santa Marinha – Ribeira de Pena
Consagrada padroeira do concelho em 1952, a Senhora da Guia envolve a devoção das gentes de Trás-os-Montes e do Minho que, religiosamente, todos os 15 de agosto assistem à sua procissão e cumprem promessas ao redor da capela. Os três dias da festa são acompanhados com música ao vivo. A procissão, desde a Igreja de Santa Marinha até à capela, conta com a participação de milhares de devotos e dos seus belos andores. A localização da capela, nas encostas do Alvão, sobranceira ao Vale do Tâmega, confere-lhe um miradouro natural fabuloso. Também Camilo Castelo Branco terá assistido à Romaria da Senhora da Guia, tendo sido inspiração para escrever o sexto dos “Doze Casamentos Felizes”.
local: Fonte de Mouro – Santa Marinha | GPS: 41°31’58.81”N 7°46’1.37”W

Dias 14 e 15

Festa de Santa Maria de Barrô | Resende
A festa normalmente inicia-se no dia 14 e prolonga-se pelo dia 15 de agosto. A procissão solene, na tarde do dia 15, destaca-se pelo grande número de anjinhos e de andores que nela se incorporam e ainda, pelo original andor da Senhora da Boa Viagem, uma imagem de pedra que todos os anos vão buscar ao seu pequeno nicho nos rochedos da margem esquerda do rio Douro com a ajuda de força, cordas e escadas que, por tradição, os antigos arrais e restantes marinheiros a traziam num barco-andor por eles construído, como forma de agradecimento pela milagrosa proteção divina recebida nas fainas perigosas dos rabelos.
local: Rua de Santa Maria de Barrô – Barrô | GPS: N41.129094 W7.88262

 

Religiosidade, crenças e superstições no Alto Minho

Religiosidade, crenças e superstições no Alto Minho

Romarias e ermidas

As ermidas, situadas no cimo de elevações sobranceiras aos povoados, atraem geralmente as romarias mais arcaicas.

Segundo crença, que remonta à Idade Média, essas ermidas situadas no alto dos montes protegiam as populações, os seus gados e culturas. Eram fundamentais para a realização das procissões propiciatórias de ladainhas e de clamores que o cristianismo medieval e moderno tão bem acolheu. As que se situam no limite de freguesias passaram a ser frequentadas por populações vizinhas.

Na Ribeira Lima existem antigas e afamadas romarias como as de

– S. Silvestre de Cardielos (Viana do Castelo),

– S. Bartolomeu de Ponte da Barca,

– S. Bento de Ermelo (Arcos de Valdevez),

– S. Bento do Cando da Gavieira (Arcos de Valdevez)

– e de Nossa Senhora da Peneda (Arcos de Valdevez).

Também existem grandes romarias de invocações modernas, caso da

Nossa Senhora da Agonia, em Viana do Castelo,

– da Nossa Senhora da Boa Morte da Correlhã (Ponte de Lima)

– ou do Senhor da Saúde em Sá (Ponte de Lima).

Clamores

Os clamores eram procissões em que os participantes rezavam a cantavam o mais alto possível, em que se “berravam as preces”. Isso para que a petição ecoasse o mais longe e alto possível e, desse modo, chegasse aos céus. Nestes clamores, iam à frente os tamborileiros, espingardeiros e, por vezes, homens com foices e gadanhas, pois o barulho fazia parte dos ritos mágicos essenciais ao afugentar de males.

Enterros de devoção

Os enterros de devoção, um costume muito usual no Norte de Portugal e no Sul da Galiza, praticavam-se no santuário da Peneda (Arcos de Valdevez), assim como noutros santuários da Ribeira Lima.

Tratava-se de uma promessa em que uma pessoa, geralmente curada de doença, tinha de participar na procissão dentro de um caixão, fazendo-se transportar em funeral, como se estivesse morta.

Culto ao Espírito Santo

O culto do Espírito Santo encheu a região de santuários e de capelas, mas foi sendo esquecido.

Houve importantes confrarias do Espírito Santo em Ponte de Lima, Ponte da Barca e Arcos de Valdevez.

A devoção ao Espírito Santo esteve em voga, nos finais da Idade Média, quando se espalhou por Portugal continental e passou aos Açores.

Outras modalidades de religiosidade popular

A religiosidade popular apresenta outras velhas modalidades.

Por exemplo, a crença de que, em certas noites, a freguesia era percorrida pela procissão de defuntos. A tradição apoiava-se em inúmeras histórias, como a de Beiral (Ponte de Lima), mas em muitos outros locais eram conhecidas idênticas narrativas.

A crença em bruxas e no diabo também estava bem arreigada nas mentes populares.

Do diabo todos tinham medo. Este aparecia, de noite, nos caminhos, nos terreiros e mesmo nos recantos mais escuros das casas.

De lobisomens, pieiras de lobos e feiticeiras nem é bom falar! Até se conhecem locais assiduamente frequentados e peripécias com alguns daqueles que os tiveram de enfrentar.

Fonte: “Cores, sabores e tradições – Passeios no Vale do Lima” | Imagem de destaque