Romarias e Festas Populares no mês de Julho

Durante o mês de Julho, realizam-se as seguintes Romarias e Festas Populares em Portugal:

Primeiro fim-de-semana

Festa do Senhor do Socorro | Ponte de Lima

O Santuário do Senhor do Socorro foi construído em 1773, tem uma só nave, capela-mor com lanternim e fachada rococó com duas torres. Apresenta-se com uma imponente escadaria ladeada de um muro repleto de figuras bíblicas e anjos.

A tradicional romaria decorre no primeiro sim de semana de julho, juntando romeiros e forasteiros que ali confluem para apreciar a festa: os bombos a anunciar a festa, as bandas de música, os ranchos folclóricos, a animação popular durante o baile de sábado e a majestosa procissão de domingo.

local: Avenida de Nosso Senhor do Socorro – Labruja | GPS: 41°50’30,330”N 8°35’36,642”W

Romaria Grande de São Torcato | Guimarães

A Romaria Grande de S. Torcato permite viver e sentir uma das maiores romarias do Minho. Aqui pode-se sentir as mais vincadas tradições populares numa área de grande ruralidade e com um modo de vida próximo de antigos costumes rurais.

O culto a S. Torcato remonta a tempos imemoriais, no entanto, a Romaria Grande terá começado em 1852, aquando da trasladação do corpo incorrupto de S. Torcato da antiga igreja para o novo templo.

Tem as suas atividades divididas entre cerimónias religiosas de devoção ao santo e manifestações populares de alegria, onde predomina o folclore genuíno do Minho.

local: Mosteiro de S. Torcato | GPS: 41°28’54.65”N 8°15’30.54”W

Festa de Santa Ana | Mogadouro

Ofício religioso de invocação a Santa Ana, mãe de Maria. O dia 26 de julho é dedicado a Santa Ana e a S. Joaquim, os pais de Maria.

A festa em Mogadouro comemora-se no primeiro domingo de julho. A Ermida de Santa Ana é apenas lugar de romaria uma vez por ano que, no seu caracter mais pagão, é designada a “festa dos solteiros”.

local: Rua de Santa Ana | GPS: 41°20’13.00”N 6°43’25.57”W

Primeiro domingo

Festa em honra de Nossa Senhora do Livramento | Terras de Bouro

A freguesia de Vilar, concelho de Terras de Bouro, celebra no primeiro domingo de julho as festividades de Nossa Senhora do Livramento.

Das festas, destacam-se os diversos atos religiosos, nomeadamente a Procissão de Velas ao início da noite e a procissão com o andor da Senhora do Livramento em direção ao santuário, com paragem junto ao Calvário do Senhor dos Aflitos.

Depois da procissão é celebrada uma eucaristia e sermão. De igual modo, os grupos musicais e o fogo-de-artifício enaltecem estas festividades.

A Capela Nossa Senhora do Livramento, construída entre os séculos XVII e XVIII, é um pequeno santuário que tem por curiosidade a existência de uma caixa de morteiros – pequena peça de artilharia – de pólvora seca, que serve para anunciar as festividades aos povos vizinhos.

local: Freguesia de Vilar | GPS: 41°43’38.06”N 8°16’56.88”W

Festa da cidade de Rebordosa e de São Migue | Rebordosa – Paredes

Festa de carácter religioso, com Missa e Procissão Solene, realizam-se também três procissões das três capelas.

De carácter recreativo, destaque para o Encontro de Coros, Festival de Folclore, espetáculos de música popular e fogo-de-artifício.

local: Alameda do Salvador | GPS: 41.222.247,00 -8.411.417

Fim-de-semana anterior ao dia 11 até ao fim de semana seguinte

Festa em honra de S. Bento das Pêras | Gondomar

A 11 de julho, Rio Tinto celebra a Festa em honra de S. Bento, conhecido por S. Bento das Pêras, cujo ponto alto é a procissão, atraindo milhares de devotos que fazem o percurso levando cravos.

São Bento é considerado o advogado das causas impossíveis.

local: Igreja Matriz de Rio Tinto – Largo do Mosteiro | GPS: 41.17786; -8.I559227

Dias 10 a 13

Festa de São Bento | Caminha

Entre os dias 10 e 13 de julho, a freguesia de Seixas está em festa. Comemoram-se as Festas em honra de São Bento.

Esta festividade popular, já com tradição, atrai milhares de romeiros à freguesia, quer para participarem no culto religioso – como, por exemplo, entregar os cravos e outras esmolas a São Bento -, quer para desfrutarem da animação que a festa proporciona: bandas de música, fanfarras, Zés Pereiras e bombos, espetáculos de fogo-de-artifício e espetáculos variados.

Do programa religioso, destaca-se a Missa Solene que se realiza na manhã do dia 11, seguida da procissão e do tradicional sermão, na praia fluvial e a “Bênção dos Barcos”.

local: Largo e Capela de S. Bento – Seixas | GPS: 41°53’45.86’N 8° 49’6.71’W

Dia 11

Festa de São Bento | Melgaço

Celebração de Missa no Convento de Fiães, seguida de piquenique festivo realizado tradicionalmente na envolvente do Convento de S. Bento.

local: Freguesia de Fiães | GPS: 42°06’14.62’’ 8°12’40.19’’

Dia 11 e fim-de-semana posterior

Festa de São Bento das Pêras | Vizela

A Festa em honra de S. Bento das Peras, ou “S. Bentinho”, como carinhosamente é conhecido, realiza-se a 11 de julho, acontecendo a grande peregrinação no domingo a seguir.

Na véspera, a imagem do santo desce um ano para a Igreja de S. Miguel e outro para Tagilde, saindo das mesmas no domingo em peregrinação até ao alto da montanha, associando-se milhares de peregrinos que, a pé, rezam e cantam, ou simplesmente vão em silêncio, levando cravos vermelhos ou brancos na boca.

É também frequente verem-se, sobretudo, mães com os seus filhos ao colo, agradecendo assim a S. Bento as graças concedidas. No final da caminhada celebra-se uma Missa Campal.

Nas noites de sexta e sábado, há alguma animação musical, proporcionando o convívio de muitas famílias, fazendo-se os tradicionais piqueniques e jogos tradicionais.

local: Rua Monte de S. Bento |GPS: 41.230574 -8.171681

Dia 11 e dias anteriores ou posteriores (de acordo com o calendário)

Romaria de São Bento | Santo Tirso

É a principal romaria do concelho de Santo Tirso, onde o sagrado e o profano se interligam. Atrai à cidade milhares de devotos que fazem a sua peregrinação até à Igreja Matriz, para cumprimento de suas promessas, oferecendo para o efeito ovos, sal e cravos.

11 de julho é dia de S. Bento e feriado municipal. São realizadas várias missas solenes.

A parte profana conta com um programa bastante diversificado, onde se destacam os concertos, arruadas de bombos, atividades desportivas, exibições etnográficas e várias sessões de fogo-de-artifício.

No recinto da feira tem lugar o típico arraial com todas as características minhotas, barracas de vinhos e petiscos, artesanato e divertimentos.

local: Praça 25 Abril | GPS: 41°20’29.9”N 8°28’24.2”W

Semana anterior ao segundo domingo até à segunda-feira seguinte

Festa de Nossa Senhora do Bom Despacho | Maia

As Festas do concelho da Maia em honra a Nossa Senhora do Bom Despacho são uma tradição na cidade da Maia que remonta a meados do século XVIII, havendo uma narração datada de 1733.

É uma expressão de fé associada a manifestações culturais, desportivas e lúdicas, que têm a capacidade de construir e solidificar uma comunidade que se pretende unida e pautada por valores propícios ao bem comum.

local: Av. Visconde Barreiros e Largo da Igreja | GPS: 41°13’58.04”N 8°37’31.56”W

Segunda semana

Romaria de Santa Helena da Cruz | Tarouca

Durante nove dias, a Serra de Santa Helena acolhe a população nas tradicionais novenas.

O ponto alto dos festejos tem lugar no segundo domingo de julho, com a eucaristia normalmente presidida pelo Bispo de Lamego, à qual se segue a Bênção dos Campos e a Procissão do Adeus.

Durante o dia da festa, tem também lugar a tradicional Feira Anual.

A singularidade das comemorações em honra de Santa Helena da Cruz atrai, anualmente, centenas de visitantes ao cume da Serra, havendo inclusive a tradição de pernoitar nas imediações do santuário durante os dias de festa.

local: Serra de Santa Helena | GPS: 41°0’5.96”N 7°47’40.69”W

Segundo fim-de-semana

Festa de Vilar de Maçada em honra do Senhor Jesus da Capelinha | Alijó

A Festa de Vilar de Maçada realiza-se em julho e é dedicada ao Senhor Jesus da Capelinha.

Esta romaria é por norma muito animada, especialmente a nível musical, e por isso conta sempre com muita adesão por parte dos jovens que a ela acorrem com um grande espírito de diversão.

local: Vilar de Maçada | GPS: 41.268259257791044 -7.466583251953125

Festas do concelho | Fafe

As Festas em honra de Nossa Senhora de Antime e de Nossa Senhora das Dores têm origem numa conhecida lenda.

Segundo esta, a imagem da Virgem teria aparecido no Monte de S. Jorge, local disputado pelas duas freguesias, Fafe e Antime.

Após longas discussões, as populações decidiram que a imagem de Nossa Senhora de Antime ficaria todo o ano na Igreja de Antime mas, no dia da sua festa, os homens de Antime iriam levá-la ao limite da paróquia.

Aí, os de Fafe a levariam para a sua vila, onde festejariam até ao pôr-do-sol, altura em que a imagem de Nossa Senhora voltaria à sua residência habitual.

Atualmente, depois da eucaristia, começa a procissão.

Dez homens, de sobrepeliz branca e pés descalços, pegam no pesado andor onde está instalada a imagem da Nossa Senhora da Misericórdia, com o ilho ao colo, enfrentando três horas de caminho.

Junto à Ponte de S. José, na fronteira entre as freguesias, dá-se o encontro entre a imagem de Nossa Senhora de Antime e da imagem de Nossa Senhora das Dores.

Aí, frente a frente, fazem uma pequena vénia, que simboliza as boas vindas de Fafe à sua convidada de Antime. A Senhora é, então, de Fafe, ainda que por poucas horas. A procissão prossegue, pára nos Paços do Concelho, passa pela Igreja Matriz e termina na Igreja Nova de S. José.

Ali permanece até às 18:00 horas, regressando a Antime. Ao final da tarde, cumpridas as promessas, a imagem regressa ao seu lugar de todo o ano.

local: Centro da Cidade | GPS: 41°27’05.91”N 8°10’15.18”W

Festa do Mártir São Sebastião | Matosinhos

A Festa do Mártir S. Sebastião é a festa dos pescadores de Matosinhos. Da Igreja Matriz sai uma majestosa procissão que vai até à Doca Pesca.

Os pescadores exprimem ao seu santo padroeiro toda a sua devoção e pedem-lhe um mar farto e seguro. Vestem os seus filhos de anjinhos, carregam o andor do Mártir S. Sebastião e engalanam os seus barcos para que sejam benzidos, juntamente com o mar.

No domingo de manhã assistem a uma Missa Solene na Igreja do Bom Jesus de Matosinhos. A festa religiosa não acaba sem um espetáculo de variedades e de ranchos folclóricos, seguido de um magistral fogo-de-artifício.

local: Lota de Matosinhos | GPS: 41.183781 8.695921

Festa da Vila de Murça em honra de Nossa Senhora dos Aflitos e de São Domingos | Murça

É a maior romaria do concelho de Murça, em honra de Nossa Senhora dos Aflitos e S. Domingos.

A majestosa procissão de dezenas de andores levados em ombros, até ao altivo morro de S. Domingos, é o momento alto das celebrações.

Durante dois dias, acorre a Murça gente de toda a região que entre o religioso, o tradicional e o pagão celebram a memória deste povo.

local: Freguesia de Murça | GPS: 41°40’81”N -7°45’37”W

Sebastianas | Freamunde – Paços de Ferreira

Sebastianas são as festas da cidade de Freamunde, em Portugal, celebradas em honra de São Sebastião. É uma festa anual que decorre sempre no segundo fim-de-semana de julho.

Com mais de 115 anos de história, a festa foi crescendo de importância e dimensão.

Inicialmente, Festas em honra de São Sebastião só na parte religiosa, com o decorrer dos anos foram evoluindo para as Sebastianas atuais. São, agora, misto de festa sagrada e profana, com uma parte cultural e de animação muito mais marcada, sem nunca perder a raiz popular.

Ao longo dos últimos anos, tem vindo a obter uma maior participação de público, sendo uma atração turística com mais de 120 mil visitantes.

local: Centro da cidade de Feamunde

Romaria de São Bento da Porta Aberta | Paredes de Coura

Conta a lenda que, após a conclusão da Capela S. Bento, colocaram o santo no altar e no dia seguinte a porta da capela estava aberta. Voltaram a fechar e esta aparecia sempre aberta.

A Confraria decidiu então retirar a porta de madeira e colocar uma porta rendilhada em ferro para o santo poder ver para o exterior e daí nasceu a designação de S. Bento da Porta Aberta.

É uma das romarias do concelho de Paredes de Coura com mais fiéis, os poderes milagrosos atribuídos a este santo que nos “livra” de cravos e verrugas atrai os crentes courenses e dos concelhos limítrofes.

local: S. Bento – Cossourado | GPS: 41°55’55,21 N 8°37’43,15 W

Segundo domingo

Festa da Senhora da Lapa | Vieira do Minho

A Capela da Senhora da Lapa, situada no Monte do Penamourinho, freguesia de Soutelo, foi construída em 1694 a mando de João Gonçalves e sua esposa Margarida da Silva. Esta capela destaca-se pela sua originalidade, uma vez que foi edificada no interior de um penedo.

É de salientar ainda a porta da entrada que data de 1898, várias inscrições gravadas no teto e o quadro encaixilhado com a história do santuário escrita pelo Padre José Maria Machado em 1851.

Nas imediações do santuário existem um coreto, várias fontes, as instalações que dão apoio à romaria anual (segundo domingo de julho) e um miradouro.

local: Freguesia de Soutelo | GPS: 416.038.139 81.954.699,17

Festa da Senhora de ao Pé da Cruz | Baião

A festa da Senhora de ao Pé da Cruz tem um dos seus pontos altos na noite de sábado com arraial, animado por dois conjuntos musicais, complementado com as atividades do parque de diversões e pelas tendas de brinquedos, bebidas, petiscos e doçaria.

À meia-noite há fogo-de-artifício.

No domingo, destacam-se as festividades religiosas com a procissão ao final da tarde que sai da Capela da Senhora de ao Pé da Cruz em direção à Igreja Matriz de Ancede, voltando novamente ao ponto de partida. A animação mantém-se durante todo o evento.

local: Rua Nossa Senhora de ao Pé Da Cruz – Ancede | GPS: 41.129979 -8.014285

Segundo e terceiro fim-de-semana

Festas do Marco | Marco de Canaveses

As Festas do Marco são o principal evento cultural do concelho, decorrem, anualmente, no mês de julho e conjugam um conjunto de atividades de cariz cultural, religioso, enogastronómico e social.

Durante dez dias, a Câmara Municipal promove um conjunto de atividades de animação que criam oportunidades de lazer e diversão, numa perspetiva intergeracional e para todos os gostos.

A promoção e divulgação das potencialidades do concelho, assente nas raízes locais com a realização das Feira de Artesanato e da Feira de Gastronomia, da Feira Social e da Feira dos Vinhos, tem sido uma aposta contínua, valorizando desta forma o património, as paisagens naturais, a hospitalidade e a simpatia dos marcoenses.

local: Jardim Municipal | GPS: 41°11’06.10”N 8° 08’52.63”W

Dias 17 a 20

Festas da cidade de Paredes e em honra do Divino Salvador | Paredes

Festa de carácter religioso e recreativo com espetáculo de fogo-de-artifício. As Festas da cidade e do concelho em honra do Divino Salvador contam com um vasto programa cultural e religioso. O programa religioso é composto por Missa Solene e com a majestosa Procissão em honra do Divino Salvador.

O programa cultural conta com grupos de animação, ranchos folclóricos e com um desfile de carros alegóricos e escolas de samba, o qual se designa Marchas Luminosas.

local: Parque da Cidade de Paredes | GPS: 41.209.078 -8.325.009

Festa de São Bento de Vairão | Vila do Conde

São Bento nasceu em Núrsia, atual território italiano, em março de 480, tendo crescido no seio de uma família abastada e cristã. Foi enviado para Roma para terminar os seus estudos, onde se dececiona com a degradação de valores morais da cidade.

Abandonando-a, dirigiu-se a uma montanha próxima da cidade de Roma, onde se recolheu numa gruta durante três anos, como ermita e para reflexão.

Após esse período funda a Ordem Beneditina, ou de S. Bento, cujo lema é: Ora e Reza. Morreu em março de 547 após uma vida dedicada a Deus e ao auxílio dos outros, sendo-lhe atribuídos diversos milagres.

Irmão de Santa Escolástica, S. Bento é o patrono da freguesia e do Mosteiro de Vairão e é alvo de uma grande devoção por parte da comunidade piscatória.

local: Igreja do Mosteiro de São Salvador e outros locais | GPS: 41°19’58.25”N 8°40’12.02”W

Noite de 24 para 25 de julho

Noite de Romeiros de Santiago | Mondim de Basto

A noite de 24 de julho foi escolhida pela Câmara Municipal para instituir a Noite dos Romeiros de Santiago, na tentativa de recuperar a ancestral romaria.

É hoje, um dos principais eventos das festas do concelho de Mondim de Basto.

É vê-los: lindas moçoilas de lenço, de arrecadas de ouro e de gigas da merenda à cabeça, homens de colete, correntes de cavalinho e chapéu de três bicos com a estampa de Santiago.

Estúrdias, tocatas e ranchadas, acompanham os merendeiros na rua com petiscos genuínos e Vinho Verde de Basto e há bailarico até altas horas da madrugada.

local: Núcleo Histórico – Jardim Municipal | GPS: 41°24’40.17’’N 7°57’12.02’’W

Dia 25

Romaria de Santiago | Mondim de Basto

A Romaria de Santiago, que se perde na memória dos tempos, marca Mondim de Basto e o alto da Nossa Senhora da Graça, como o epicentro de toda a região.

O pagamento das promessas anuais continua a ser a grande motivação dos romeiros. Chegam de noite a pé, animados pelas tocatas e pelo bucólico canto das mulheres de Basto.

De madrugada sobem o monte sagrado para assistir às celebrações religiosas e profanas. Por rotas e caminhos de antiguidade regressam ao lar, cantando, dançando e fazendo a festa pelas localidades atravessadas.

A sua existência estará, provavelmente, relacionada com as antigas rotas dos peregrinos que demandavam a Santiago de Compostela.

local: Senhora da Graça – Mondim de Basto | GPS: 41°24’59.01’’N 7°54’56.35’’W

Dias 25 a 26

Festas do concelho em honra de São Tiago | Celorico de Basto

As Festas do Concelho decorrem no fim-de-semana de 25 de julho e contemplam uma série de atividades culturais, com ênfase para o Cortejo Etnográfico que envolve as associações, entidades e coletividades do concelho.

Nesses dias, decorrem grandes concertos musicais com grupos nacionais. Neste âmbito, promove-se o folclore e os despiques de bombos.

local: Praça Cardeal D. António Ribeiro e Praça Albino Alves Pereira | GPS: 41.388080° N 8.000083° W

Dias 28 e 29

Romaria de Santa Marta da Falperra | Braga

A Falperra vive o seu grande dia de Romaria em honra de Santa Marta e de Santa Maria Madalena, celebrada pela Igreja a 29 de Julho.

Trata-se da segunda maior festa de Braga e uma das mais antigas da região do Minho, atraindo milhares de romeiros.

O programa desta romaria congrega o sagrado, o tradicional e o profano: à devoção e pagamento de promessas, juntam-se os bailaricos, a venda ambulante, os merendeiros e os foguetes.

local: Falperra | GPS: 41.518946 – 8.391599

Último fim-de-semana

Festa da Senhora da Boa Morte | Correlhã – Ponte de Lima

São dias de festa, apreciados por quem habitualmente não perde a oportunidade de assistir aos vários momentos do programa da romaria.

Aqui pede-se auxílio na morte, mas celebra-se também a vida, com a música, dança e os foguetes.

No sábado de manhã, a Feira do Gado, à tarde, as bandas de música, à noite, o baile e o fogo-de-artifício. No domingo, a procissão é o ponto alto desta romaria.

local: Rua do Santuário da Senhora da Boa Morte – Correlhã | GPS: 41°44’16,320”N 8°36’9,408”W

Festa Grande do concelho em honra do Senhor dos Aflitos | Lousada

Todos os anos, no último fim-de-semana de julho, a vila de Lousada enche-se de alegria e animação com a Festa Grande do concelho em honra do Senhor dos Aflitos.

Bombos, gigantones e cabeçudos, Feira Franca e Concurso Pecuário, Missa Solene e Majestosa Procissão, fanfarra e bandas de música, artistas da música ligeira, provas de ciclismo e a Marcha Luminosa preenchem um programa que atrai diariamente milhares de forasteiros.

Em cada noitada, o fogo-de-artifício e as tradicionais vacas de fogo, figuração tosca de um alentado bovídeo, que vai lançando sobre a assistência bichas-de-rabear, o que pretexta cenas hilariantes que o povo muito aprecia.

Na noitada de domingo, o Monte do Senhor dos Aflitos é iluminado por milhares de tigelinhas, proporcionando um espetáculo original.

local: Av. do Senhor dos Aflitos – Silvares | GPS: 41°16’38.25’’N 8°16’56.93’’W

Festas em honra de Santa Maria da Feira, Santa Bárbara e São Frutuoso | Constantim – Vila Real

Estas festas, que se realizam – no último fim-de-semana de Julho – em Constantim (perto do santuário proto-histórico de Panóias, e que, entre a sua fundação – em 1096, por foral de foral do conde D. Henrique e de D. Teresa, – e 1289, ano da fundação de Vila Real, foi capital administrativa e jurídica das Terras de Panóias) têm tradições peculiares:

despique entre duas bandas filarmónicas, na noite de domingo, e que dura até “altas horas” da madrugada; antes de se despedirem, ambas as bandas, acompanhadas de muitas dezenas de habitantes e de forasteiros, vão do recinto das festas até ao adro da Igreja, onde terminam as respetivas atuações.

No final da procissão, o pároco dá a beijar aos fiéis devotos a Santa Cabeça (crânio de São Frutuoso Gonçalves, natural de Constantim, que nasceu em 1070, foi frade e prior do Mosteiro de Caramos, visitou Jerusalém, e morreu em Constantim, como abade da respetiva igreja, com fama de santo, em 1162).

Ainda hoje há inúmeros devotos que demandam a Constantim à procura da cura de diversos males, para o que assistem à Missa, beijam a Santa Cabeça e cumprem com as respetivas promessas.

local: Constantim – Vila Real

Festa de Nossa Senhora do Livramento | Paredes de Coura

Durante muitos anos a Romaria da Senhora do Livramento era o local predileto do pagamento de promessas da população de Paredes de Coura e dos concelhos limítrofes, ou por terem “livrado” os jovens mancebos do serviço militar ou da ida para o Ultramar.

Hoje em dia interpela-se a santa para nos “livrar” dos mais variados males.

local: Outeiro – Formariz | GPS: 41°55’28,26 8°35’10,61

Último domingo

Senhora do Amparo | Valongo

Tradicionalmente, no último domingo de julho, realiza-se a Romaria da Senhora do Amparo. No sábado à noite da semana anterior, em procissão de velas, a imagem da Senhora é trasladada para a Igreja Matriz.

No dia da festa, de manhã, acompanhada por vários andores, regressa novamente ao santuário da sua invocação em Majestosa Procissão. À tarde há espetáculo, destacando-se o rancho folclórico e a banda de música locais.

Um elegante tapete florido com cerca de dois quilómetros, entre a Igreja Matriz e o santuário, caracteriza esta festa, tornando-se num cartão-de-visita, revelador da devoção e dedicação dos alfenenses.

local: Rua Nossa Senhora do Amparo – Alfena | GPS: 41°14’44,87”N 8° 30’ 46,38”W

Romaria ao Santuário do Senhor do Monte | Boticas

Localizado na Serra do Facho, é um dos maiores santuários do concelho.

Conta a lenda que antigamente era apenas um caminho por onde passavam os almocreves que ali paravam para descansar e por hábito colocavam uma esmola num nicho, apelando à proteção divina contra os ladrões.

Até ao dia da aparição do Senhor do Monte numas pedras onde ainda hoje se podem ver as pegadas. O povo construiu-lhe ali uma capelinha e o culto cresceu de tal forma que as esmolas permitiram a construção de uma igreja, cujas pedras foram transportadas em carros de bois pelos lavradores locais.

É considerado o protetor dos animais e em sua honra realiza-se anualmente esta festa, cuja tradição se mantém, no sábado, com o ritual de levar o gado a dar três voltas ao santuário.

No domingo, o santuário enche-se de fiéis para assistirem à celebração religiosa e à majestosa procissão que se realiza em volta do santuário, acompanhada por várias bandas de música.

Depois, comem-se as merendas, atua um grupo musical e passeia-se pelo recinto onde os vendedores ambulantes expõem os seus produtos.

local: Santuário do Senhor do Monte – Pinho | GPS: 41°39’43” N 07°37’60” W

Festa em honra do Padroeiro Salvador de Lordelo | Paredes

Estas são as maiores festas da freguesia. Tem Missa Solene e procissão.

No que diz respeito à animação, participam grupos de artistas populares, ranchos folclóricos e bandas de música. No final, existe um espetáculo de fogo-de-artifício.

local: Praça da Comunidade | GPS: 41.222.185 8.411.419

Dias 31 de julho, 01 e 02 de agosto

Festa da Vila e do Concelho | Vila Pouca de Aguiar

Evento popular, de cariz religioso com grande participação da população residente e emigrante. A animação inclui bandas filarmónicas, fanfarras e Arruadas de Bombos, a par de espetáculos de grande escala, realizados ao ar livre, no centro da sede do concelho.

A procissão de domingo, dedicada ao padroeiro da sede do concelho e aos padroeiros das freguesias, é o momento alto das comemorações, de grande solenidade e religiosidade popular.

local: Rua Dr. António Gil | GPS: 41°29’57.82”N 7°38’46.20”W

Última semana até 15 de agosto

Festas em honra de Nossa Senhora da Saúde | Porto

No Jardim de Arca de Água e no Largo do Campo Lindo, nesta romaria os visitantes encontram carrosséis, comes e bebes, artesanato, doçarias, louças e marroquinaria, entre outros.

A animação é constante com concertos diários. A majestosa procissão decorre no dia 15 de agosto de tarde e o fogo-de-artifício decorre dias 14 e 15 de agosto à noite.

local: Praça Nove de Abril e Largo do Campo Lindo – Paranhos | GPS: 41.171903 -8.611972

Fonte: informações retiradas daqui

Mostra Folclórica do Atlântico 2019 | Relva – Açores

XXVII Grande Festival de Folclore da Relva Mostra Folclórica do Atlântico

Espetáculo Principal de Gala – 27 de julho de 2019 – Relva

Programa

19h30 – Cerimónia de entrega de lembranças no Centro Cívico e Cultural.

20h00 – Concentração no Centro Cívico e Cultural da Relva todos os Grupos participantes.

20h30 – Desfile Folclórico e Etnográfico pela Av. 5 de Agosto e Av da Igreja

21h00 – Abertura do XXVII Grande Festival de Folclore da Relva – Mostra Folclórica do Atlântico.

21h15 – Início do XXVII Grande Festival de Folclore da Relva – Mostra Folclórica do Atlântico, no Jardim 5 de Agosto, com a participação dos seguintes Grupos:

– Grupo Folclórico de São Miguel – Ponta Delgada 

– TRAGA – Associação de Folclore Tradições de Gaula, Santa Cruz – Madeira

– Grupo Folclórico da Fajã de Baixo

– Grupo Folclórico de São José – Salga

– Rancho Folclórico Camponeses de Canados, Alenquer, Estremadura Saloia – Continente Português

– Rancho Folclórico de Santa Cecília – Fajã de Cima

– Folk Dance Ensemble „GRANDINELE“, Panevezys – Lituânia

– Grupo Folclórico de Cantares e Balhados da Relva

24h00 – Encerramento, seguindo-se convívio, no Salão Cultural e Recreativo de Nossa Senhora das Neves

Organização: Junta de Freguesia da Relva e Grupo Folclórico de Cantares e Balhados da Relva

A Freguesia de Relva

A Freguesia de Relva situa-se na ilha de São Miguel, Região Autónoma dos Açores.

“A escassos cinco quilómetros a poente de Ponta Delgada, confrontando com as freguesias de Santa Clara, Arrifes, Covoada, Capelas e Feteiras, situa-se a freguesia de Relva, com cerca de onze quilómetros quadrados, já praticamente inserida na malha urbana de Ponta Delgada.

Assim denominada por ser outrora lugar de «boa erva», onde o gado se ia alimentar, foi das primeiras freguesias do concelho de Ponta Delgada a ser constituída.

A Relva tem vindo a crescer, (contando já com mais de três mil habitantes e um razoável parque habitacional, que atinge as novecentas e cinquenta moradias), mercê da sua boa localização e do facto de possuir um já apreciável número de infraestruturas, que cria uma natural apetência para aqui viver.

Freguesia caracterizada pela preservação das mais belas tradições, mantém em funcionamento muitas instituições ligadas às mais diversas actividades: culturais, desportivas, recreativas, sociais e religiosas.

Tem no Parque Empresarial dos Valados umas das suas principais zonas económicas, contando com mais de uma centena de unidades comerciais e/ou industriais.

Possui ainda na Rocha da Relva um legado precioso, deixado pelos nossos antepassados. Lugar onde ainda é possível acordar com o cantar dos pássaros e o murmúrio das ondas, constitui um bom cartaz turístico desta freguesia.” (Fonte)

 

15º Aniversário do Rancho Folclórico da A.C.R.D. de Rubiães

 

No âmbito das comemorações do 15º aniversário Rancho Folclórico da Associação Cultural Recreativa e Desportiva de Rubiães – Paredes de Coura, vai realizar-se, no próximo dia 21 de Julho, na Junta de Freguesia de Rubiães, o 16º Festival de Folclore. A presente edição do Festival de Folclore terá como tema “O Linho”, motivo pelo qual a decoração do palco terá diversos elementos relacionados com os “Trabalhos do Linho”.

O Festival de Folclore terá início pelas 14h30, com o habitual desfile dos grupos convidados: o Rancho Folclórico “As Janeiras” pertencente à freguesia de Glória do Ribatejo – Salvaterra de Magos, distrito de Santarém, o Rancho Etnográfico “Os Pinhoeiros de Lobão” de Santa Maria da Feira, distrito de Aveiro, e o Grupo Infantil e Juvenil da A.D.R. da Gandra – Ermesinde, distrito do Porto, seguindo-se a habitual entrega das fitas comemorativas do 15º Aniversário, tal como as respectivas lembranças.

O Rancho Folclórico da Associação Cultural Recreativa e Desportiva de Rubiães foi fundado a 04/06/2004, por iniciativa de umas senhoras da freguesia que tinham como sonho fazer parte de um Rancho Folclórico. Desde então, este Grupo tem vindo a representar a freguesia, não só em Portugal, mas também em França e Espanha.

A sua apresentação passa pelo uso de trajes negros, por uma simples razão: Rubiães é uma freguesia do concelho de Paredes de Coura situada no coração do Alto Minho. Como tal, o Grupo apresenta-se com os designados trajes domingueiros, por parte dos seus dançadores, e na parte da tocata os trajes são à base de linho e lã, que eram os trajes utilizados nos trabalhos do campo.

Também por ser um Grupo que representa a região do Minho, as danças que apresenta são: Viras, Chulas e Canas-verdes. Para além dos instrumentos de percussão, apresenta também as concertinas, instrumento usual no Alto Minho.

Este Rancho é composto por dois Grupos, o Grupo Infantil e o Grupo Adulto, num total aproximado de 70 pessoas, que têm como principal missão recolher, preservar a divulgar os usos e costumes deixados pelos seus antepassados.

No recinto onde se vai realizar o Festival de Folclore, haverá um serviço de Bar e uma pequena Quermesse.

Estão todos convidados para estarem presentes na comemoração do nosso 15º aniversário e esperemos que gostem.

A Direção do Rancho Folclórico da Associação Cultural Recreativa e Desportiva de Rubiães

XXIII Festival de Folclore Internacional do Alto Minho

Folclore junta grupos de quatro continentes no Alto Minho, a cantar e a dançar nas ruas de Viana, de 15 a 21 de Julho de 2019

Grupos de quatro continentes juntam-se a partir de 15 de julho, em Viana do Castelo, para o XXIII Festival de Folclore Internacional do Alto Minho.

Organizado pela VianaFestas desde 1996, e por uma comissão executiva, o festival conta, este ano, ao longo de seis dias, com espetáculos de grupos

do Brasil – Sarandeiros, Colômbia – Ballet Folclorico Nacional Jaime Orozco, México – Compañía de Danza Folklorica “México Vivo”, Quénia – Kactas Africa, Índia – Shrustii Multicultural New Delhi e Roménia- The Kolomeika Ensemble.

Além dos mais de 200 dançarinos e músicos estrangeiros, provenientes de seis países além de Portugal, o festival envolve, como é hábito, os grupos de Viana do Castelo.

As atuações realizam-se em galas a realizar em locais emblemáticos da cidade, como a Praça da República e o Centro Cultural de Viana do Castelo, para além de desfiles pela cidade.

Com efeito, no programa de 2019, repete-se o “Viana Sensorial”, com exibições de dança em diferentes locais, uma mostra de produtos gastronómicos pelos grupos convidados e exposição dos trajes internacionais.

Conseguimos, dessa forma, desafiar os cinco sentidos da população e dos turistas para novas realidades. Para sentirem, através da visão e da audição, nas danças, do paladar e do olfato, nos produtos que nos trazem, e pelo tato, com os trajes, o que estes grupos nos trazem”, acrescenta, Maria José Xavier, presidente da Comissão Executiva deste festival e da direção da Ronda Típica de Carreço, há quase 20 anos ligada ao folclore.

Realçou, ainda, como nota de destaque, que “os grupos se têm sentido muito bem recebidos em Viana do Castelo, sendo exemplo disso o Grupo Mexicano que nos visita pela segunda vez, tendo em conta que, desde a sua primeira participação, este grupo encetou contatos frequentes com a organização, manifestando uma grande vontade de voltar a este Festival e à cidade de Viana do Castelo, o que se proporcionou este ano, sendo esta a prova maior da diferenciação pela positiva deste festival, ao nível da hospitalidade e do reforço de laços de amizade entre povos e culturas, pilares basilares dos Festivais CIOFF”.

Ao longo da semana, realizar-se-ão seis galas, sendo a gala de encerramento no dia 21 de julho, pelas 22h00, na Praça da República. Todas as galas têm entrada livre.

Da comissão executiva da edição de 2019 fazem parte a Ronda Típica de Carreço, o Grupo Etnofolclórico “Renascer” de Areosa, o Grupo Folclórico de Viana do Castelo, o Rancho Folclórico do Centro Desportivo e Cultural de Outeiro e o Rancho Folclórico das Lavradeiras de Vila Franca.

Programa do Festival de Folclore Internacionaldo Alto Minho

Segunda-Feira, 15 de Julho de 2019
18h às 00h – Receção aos 6 grupos Estrangeiros e alojamento.

Terça-Feira, 16 de Julho de 2019:
16h – Atuações e desfile dos grupos estrangeiros, pela Avenida dos Combatentes de Grande Guerra, Praça da República.
18h – Receção oficial na Porta Mexia Galvão.
20h – Jantar-convívio de todos os grupos no Turismo do Porto e Norte Portugal, no Castelo de Santiago da Barra.

Quarta-Feira, 17 de Junho de 2019
10h30 – Atuações de Grupos estrangeiros em Instituições de Solidariedade Social.
22h – Gala de abertura com participação especial Open Dance School da Meadela na Praça da República.

Quinta-Feira, 18 de Junho de 2019
10h30 – Atuações de Grupos em Instituições de Solidariedade Social.
22h – Gala da União: Quénia, Índia, Colômbia e um grupo vianense convidado, atuam na Praça da República.

Sexta-Feira, 19 de Julho de 2019
15h – Gala da Família: Brasil, Roménia, Colômbia, Quénia, Índia, México, Portugal e com participação especial: Rancho Folclórico da Casa Povo do Livramento da Ilha de São Miguel – Açores no Centro Cultural.
22h – Gala da Amizade: Brasil, Roménia, Colômbia, Quénia, Índia, México e um grupo Vianense convidado na Praça da República.

Sábado, 20 de Julho de 2019
10h às 13h – em diferentes locais da cidade:
Viana Sensorial – 1 cidade 5 sentidos;
Visão/Audição – exibições de dança;
Paladar/ Olfato – mostra de Produtos: artesanato e gastronomia Estrangeira.
Tato – exposições de Trajes na Praça de República.
22h – Gala da Fraternidade: México, Roménia, Brasil e um grupo Vianense convidado na Praça da República.

Domingo, 21 de Junho de 2019
13h – Piquenique das Nações em Viana do Castelo.
21h – Desfile de encerramento pela Praça da Liberdade, Avenida dos Combatentes de Grande Guerra, Passeio das Mordomas e na Praça da República, com a participação de todos os grupos.
22h – Gala de Encerramento na Praça da República.

Galas na Praça da República têm entrada livre.

O evento conta ainda com o apoio da Câmara Municipal de Viana do Castelo, da Fundação INATEL, da Associação Mutualista Montepio e o do CIOFF (Conselho Internacional das Organizações de Festivais de Folclore e Artes Tradicionais).

 

Outros Festivais CIOFF em Portugal, durante 2019

 

Mercado Tradicional “O Feirão” em Andorra

O Feirão – Mercado Tradicional em Andorra

O Principado de Andorra irá acolher, no próximo dia 7 de Julho, a 6ª edição do Mercado Tradicional “O Feirão”, uma iniciativa organizada e promovida pelo Grupo de Folclore ‘Casa de Portugal’, com o apoio da Câmara de Andorra la Vella, capital do Principado.

A manifestação de portugalidade vai ter lugar a partir da 11 horas na Plaça Guillemó. Este é o espaço ideal para a recriação  dum mercado à moda antiga, como se realizava em qualquer aldeia ou vila portuguesa, nos inícios do século XX.

Como vem sendo habitual em edições anteriores, o espaço feiral estará distribuído em cinco zonas temáticas, nas quais e a gastronomia e a música tradicional portuguesa partilham espaço com o artesanato e os produtos agrícolas. O curral, com animais vivos, cativa os mais jovens, e os petiscos lusitanos fazem as delícias do público que assiste a esta mostra.

Os momentos musicais e a dança estarão a cargo do Grupo de Folclore ‘Casa de Portugal’. Uma vez mais, foi convidado o Rancho Folclórico dos Residentes do Alto Minho para enriquecer o evento com os cantares tradicionais minhotos.

Sobre o Grupo de Folclore ‘Casa de Portugal’

O Grupo de Folclore ‘Casa de Portugal’ no Principado de Andorra foi fundado no dia 1 de Maio de 1996.

Apresenta, em terras andorranas, danças e cantares das regiões da Ribeira Lima e da Serra d’Arga, no Distrito de Viana do Castelo, norte de Portugal.

Os elementos que compõem o Grupo, têm participado nos diversos festivais em Andorra sendo um referente da cultura portuguesa e têm levado em diversas ocasiões o seu trabalho de representação a países como: Espanha, França, Portugal, Luxemburgo, Suíça e Mónaco.

Desde 2006, este Grupo é o promotor das Janeiras, com especial visita à Catedral de Sta. Maria d’Urgell (Espanha) na presença do Arcebispo Joan Enric Vives, Copríncipe de Andorra, assim como a instituições de solidariedade e estabelecimentos portugueses e andorranos.

Nesse mesmo ano, inaugurou, em colaboração com a Embaixada de Portugal, uma exposição retrospectiva do grupo titulada “Uma década de cultura e amizade”.

Festival de Folclore Ibérico

Anualmente, no mês de Maio, no âmbito da celebração do respectivo aniversário, realiza o seu festival de folclore. Desde 2007, organiza o “Festival de Folclore Ibérico — Principado de Andorra”. Este é um evento já consolidado que conta com a participação de grupos de Espanha, de Portugal e Andorra.

Em 2011, por ocasião do seu XV aniversário, realizou um importante trabalho fotográfico sobre as tradições minhotas de inícios de séc. XX, sob o nome de “Mosaicos de uma cultura”. Este foi um motivo de exposições em Andorra la Vella e Pas de la Casa ( Andorra) e em Vila Praia de Âncora (Portugal). Repetiu em 2016 em Andorra la Vella.

Com 3 trabalhos discográficos editados, em 2001, 2006 e 2014, o Grupo tem participado em vários programas de televisão em Andorra, Catalunha, França e Portugal e em diferentes meios de comunicação radiofónicos e na imprensa escrita.

O seu trabalho etno-folclórico foi reconhecido no dia 20 de Janeiro de 2013 com o galardão de “instituição de mérito” outorgado pelo Município de Viana do Castelo, em Sessão Solene, aquando das celebrações do 165º aniversário da elevação de Viana do Castelo a Cidade.

Fonte e saber mais

 

 

Festivais de Folclore CIOFF em Portugal – 2019

«O CIOFF® (Conselho Internacional de Organizações de Festivais de Folclore e Artes Tradicionais) é Parceiro Oficial da UNESCO, acreditado para o Comité de PCI. Criado em 1970, a missão do CIOFF® é salvaguardar, promover e difundir a cultura tradicional e o folclore.

A Associação CIOFF Portugal representa Portugal junto do CIOFF® e os seus membros constituem uma rede de festivais e grupos Portugueses.

Os Festivais CIOFF® promovem o intercâmbio cultural e a Paz entre os Povos. Neles participam grupos nacionais e pelo menos 5 grupos estrangeiros, que apresentam espetáculos de dança e música ao vivo, artesanato, workshops, jogos tradicionais, etc. Em Portugal existem diversos Festivais CIOFF® e Festivais Associados, que envolvem na sua organização mais de 1.000 voluntários anualmente.» Fonte

FOLK Cantanhede – Semana Internacional de Folclore

Festival de Folclore Internacional Alto Minho

Danças do Mundo – Festival Internacional de Folclore nas Terras da Feira

‘FestiMaiorca’ Festival Internacional de Folclore de Maiorca

Festival Internacional de Folclore Rio

FESTARTE – Festival Internacional de Artes e Tradições Populares de Matosinhos

FOLK AZORES – Festival Internacional de Folclore dos Açores

FOLKFARO – Folclore Internacional Cidade de Faro

FOLKMONCAO – Festival Internacional Folclore

Festival Internacional de Folclore ‘Celestino Graça’ – Santarém

6 a 14 de Julho de 2019 | Próximos anos: 04.07 – 12.07.2020 / 03.07 – 11.07.2021

Folk Cantanhede – Semana Internacional de Folclore

Grupo Folclórico Cancioneiro de Cantanhede | Rua Cancioneiro de Cantanhede, 150 | 3060-135 Cantanhede

«O projeto FOLK Cantanhede – Semana Internacional de Folclore foi lançado no ano de 2006 com a perspetiva de proliferar, de forma ativa, a cultura tradicional do mundo. Desde logo visou a certificação do festival pelo CIOFF® – Conselho Internacional de Organizadores de Festivais de Folclore e Artes Tradicionais, organismo não-governamental com assento na UNESCO, na área da salvaguarda do património cultural imaterial, que se veio a concretizar a 11 de Novembro de 2008, no 38º Congresso Mundial do CIOFF®, realizado na cidade de Istambul – Turquia. Na Assembleia-Geral CIOFF® Internacional, que decorreu em Bautzen – Alemanha, nos 21 a 26 de outubro de 2014, o FOLK Cantanhede foi um dos doze festivais internacionais, de todo o mundo, distinguido e galardoado EMBAIXADOR CULTURAL CIOFF®.»

16 a 21 de Julho de 2019 | Próximos anos: 14/07 – 19/07/2013 / 13.07 – 18.07.2021

Festival Internacional de Folclore – Alto Minho

Parque Empresarial da Praia Norte, Lote 18 | 4900-350 Viana do Castelo

O Festival de Folclore Internacional – Alto Minho é um símbolo de compreensão e convívio.

Esta semana, o Festival Internacional de Folclore, sempre a decorrer no início de Setembro, inclui Grand Galas no mais antigo salão da cidade atlântica mais setentrional de Portugal – Viana do Castelo – mas também actuações em várias instituições sociais e culturais, uma iniciativa que mostra a A solidariedade do festival para com aqueles que não podem participar dos eventos noturnos.

O Festival sempre ofereceu um programa ambicioso e diversificado que fortalece a miscigenação cultural, contribuindo simultaneamente para a promoção da cultura tradicional e ajudando a distinguir Viana do Castelo como Capital do Folclore Português.

«Reconhecido pelo CIOFF desde 2006, este festival tem acolhido grupos de diferentes países do mundo e percorrido um caminho de consolidação que tem permitido ganhar credibilidade, colocando Viana do Castelo no percurso dos mais importantes festivais internacionais de Folclore da Europa.

É organizado pela VianaFestas e AGFAM, com o apoio da Câmara Municipal de Viana do Castelo e CIOFF.»

18 a 28 de Julho de 2019 | Próximos anos: 23.07 – 02.08.2020  / 22.07 – 01.08.2021

Danças do Mundo – Festival Internacional de Folclore nas Terras da Feira

Casa da Gaia – CCDR | Rua da Casa da Gaia, 273 | 4505-041 Argoncilhe- Santa Maria da Feira

«O “Danças do Mundo” é um festival promovido pela associação CASA DA GAIA – Centro de Cultura Desporto e Recreio de Argoncilhe. Decorre todos anos na 2ª Quinzena de Julho e tem como anfitrião o Grupo Folclórico das Terras da Feira – Casa da Gaia. Constitui um dos eventos de animação turística mais aguardados no Concelho da Feira. É um evento que envolve cerca de 500 participantes. Habitualmente conta com a participação de 7 grupos estrangeiros e 6 grupos nacionais oriundos de diferentes regiões de Portugal. Tem a duração de 12 dias. Durante este período de tempo um número razoável de voluntários sócios e não sócios trabalham arduamente para que tudo corra bem e para que os grupos visitantes vejam o “Danças do Mundo” como um dos melhores festivais pelos quais já passaram. É considerado um dos maiores festivais da zona norte do País. Percorre cerca de 12 freguesias das 31 que constituem o concelho de Santa Maria da Feira e um número razoável de concelhos vizinhos. É visto anualmente por cerca de 50.000 pessoas.

A sua programação é composta por diversas galas como é exemplo a gala de abertura, a gala nacional e a gala internacional, além das pequenas galas que são realizadas pelo concelho de Santa Maria da Feira e concelhos limítrofes. São também realizados ao longo deste período, diversos workshops de dança, jogos tradicionais, festas temáticas e visitas turísticas.

O “Danças do Mundo” é uma mistura de culturas onde predomina a amizade, a alegria e a tradição.»

19 a 24 de Julho de 2019 | Próximos anos: 17.07 – 23.07.2020 / 16.07 – 22.07.2021

‘FestiMaiorca’ Festival Internacional de Folclore de Maiorca

Rua Poeta João de Lemos | 3090-466 Maiorca

A primeira edição do nosso festival foi em 1975, sendo na altura exclusivamente com grupos nacionais portugueses. Em 1982, um grupo da Galiza – Espanha, abriu as portas para o festival internacional que conhecemos hoje.

Em 1991, o Festival Internacional de Folclore de Maiorca ganhou um novo nome: FESTIMAIORCA, e desde 2002 vem ocupar lugar de destaque no calendário do festival internacional de folclore que se realiza em Portugal, sob o símbolo do CIOFF – Conselho Internacional de Organizações. do Festival de Folclore e Artes Folclóricas.

O CIOFF® é uma relação consultiva informal da Organização Não-Governamental com a UNESCO.

Ao longo das várias edições passaram o palco do “Palace Square” (Terreiro do Paço) grupos de vários países de todo o mundo: Espanha, França, Itália, Bélgica, Holanda, Alemanha, Grécia, Turquia, Sérvia, Suécia, Rússia, Geórgia, Ucrânia, Lituânia, Hungria, Roménia, Bulgária, México, Argentina, Israel, Togo, Serra Leoa, Timor, República Checa, Eslováquia e as várias regiões do país, incluindo os Açores e a Madeira.

O programa do festival teve algumas mudanças ao longo dos anos. Inicialmente o festival foi confinado a um único dia. Em 1991, agora tem dois dias de iniciativas, com a introdução da Dança da Amizade (Baile da Amizade). Em 2002 o festival abraça a roupa que hoje conheces: seis dias de iniciativas, desde a festa de boas vindas da Dança da Amizade na noite de sexta-feira, passando para os jogos tradicionais portugueses, a Missa Internacional na Igreja Matriz de Maiorca no domingo, com a participação de grupos internacionais.

19 de Julho a 2 de Agosto de 2019 | Próximos anos: 17.07 – 31.07.2020 / 16.07 – 30.07.2021

Festival Internacional de Folclore Rio

Largo Guilherme Gomes Fernandes | 4755-060 Barcelinhos

«O Festival Internacional de Folclore Rio teve a sua origem em 1980. Apesar de inicialmente não se identificar com os festivais CIOFF hoje existentes, a procura de um momento em que pudesse haver um intercâmbio de culturas, levou o Grupo Folclórico de Barcelinhos a organizar um festival de folclore com a participação de grupos oriundos da vizinha Espanha. Mais tarde, concretamente a partir de 1989, foi-se alargando a outros países, tendo em 2002 recebido o diploma de reconhecimento oficial de festival CIOFF.

Durante a sua existência, o festival acolheu representantes dos cinco continentes, tendo já passado pelo palco principal, junto à margem esquerda do rio Cávado, cerca de 75 grupos estrangeiros e nacionais em representação de mais de 40 países. A sua realização acontece anualmente por volta da última semana de Julho. Durante os cerca de 10 dias do festival, os participantes têm oportunidade de partilhar com o vasto público vários momentos que envolvem, sobretudo, as danças e cantares, a gastronomia e o artesanato.»

26 de Julho a 4 de Agosto de 2019 | Próximos anos: 24.07 – 02.08.2020 / 23.07 – 01.08.2021

Festarte – Festival Internacional de Artes e Tradições Populares de Matosinhos

Rua Óscar da Silva, 146  | Rua Luis José Alves, 425 2º Esq. | 4450-752 Leça da Palmeira / Matosinhos

«É realizado desde 2002 como CIOFF® e teve origem no Festival Internacional de Folclore de Leça da Palmeira, organizado desde 1982 também pelo Rancho Típico da Amorosa. Os grupos estrangeiros participam da feira de artesanato e do festival gastronómico com seus artesãos e cozinheiros.

Há duas formas de conhecer um país: viajar pela sua epiderme, observando apenas aquilo que ela apresenta à superfície ou, então, descobrir e tomar pulso à sua alma. A Alma do seu povo, feita de sons, cores, movimentos, sabores e saberes.

Dos cálidos ambientes mediterrânicos, ao exotismo do oriente, passando pelos tórridos cenários africanos, pelo calor contagiante da América Latina, ou pelas refrescantes paisagens da Europa, o Folclore encontra em Matosinhos um espaço privilegiado de fusão e partilha.

O FESTARTE (Festival de Artes e Tradições Populares) traz a Matosinhos a cor, os sons, o artesanato e a gastronomia dos países do mundo. Com o folclore como espelho da humanidade, vamos à descoberta da saudável convivência com outras culturas, e mostrar, a quem nos visita, a qualidade da nossa hospitalidade.»

11 a 18 de Agosto de 2019 | Próximos anos: 16.08 – 23.08.2020 / 15.08 – 22.08.2021

Folk Azores – Festival Internacional de Folclore dos Açores

Rua Cambalim, nº 153, São Bento | 9700-037 Angra do Heroísmo

«O Folk Azores é um festival de folclore organizado pelo COFIT – Comité Organizador de Festivais Internacionais da Ilha Terceira – e traz a Portugal, mais precisamente ao Arquipélago dos Açores, na ilha Terceira, grupos de folclore de todo o mundo.

O festival tem a duração de cerca de uma semana com a atuação dos vários grupos em diversos locais da ilha. O auge deste grandioso evento acontece no seu encerramento com “o grande espetáculo”, na Praça de Toiros da Ilha Terceira, onde todos os grupos têm a oportunidade de mostrar aos inúmeros espetadores a dança folclórica da sua Região.»

17 a 25 de Agosto de 2019 | Próximos anos: 15.08 – 23.08.2020 / 21.08 – 29.08.2021

FolkFaro – Folclore Internacional Cidade de Faro

Teatro das Figuras / Passeio da Doca, Faro | Rua Rodrigues Davim, 29 | Apartado 271 | 8001-904 Faro

O único festival CIOFF® reconhecido no sul de Portugal, o FOLKFARO, tem lugar em Faro (Portugal) e arredores da cidade, na segunda quinzena de agosto.

Faro é a capital do Algarve – a bela região ensolarada do sul de Portugal, conhecida mundialmente pelo seu clima agradável, praias delineadas por rochas moldadas pelo mar e imensas extensões de areia dourada.

Este evento internacional procura promover e compartilhar o folclore e as tradições de diferentes nações para fortalecer a amizade e a identidade de cada país. Inclui uma grande variedade de atividades: espetáculos de gala no teatro, apresentações ao ar livre, desfiles internacionais, programas para crianças e idosos, oficinas de dança, etc.

Durante 9 dias, grupos de 7 países, num total de mais de 300 participantes, pintam a região do Algarve com as cores das suas tradições.

A organização do evento é responsável pelo “Grupo Folclórico de Faro”, apoiado pela Câmara Municipal de Faro e outras instituições públicas da Região do Algarve, e também com o patrocínio de empresas locais.

28 de Julho a 4 de Agosto de 2019 | Próximos anos: 02.08 – 09.08.2020 / 01.08 – 08.08.2021

Folkmonção – Festival Internacional de Folclore

Monção – Arcos de Valdevez – Caminha – Melgaço – Paredes de Coura – Ponte da Barca – Ponte de Lima – Valença – Vila Nova de Cerveira | Rancho Folclórico Casa Povo Barbeita | Edifício Casa do Povo – Chão de Lopes – Barbeita | 4950-040 Monção

«O Festival Internacional de Danças Folclóricas “FOLKMONÇÃO” foi reconhecido pelo C.I.O.F.F. (Conselho Internacional das Organizações de Festivais de Folclore e de artes tradicionais, estatuto B da UNESCO) em Novembro de 2006, C.I.D. (Conselho Internacional de Dança) em 2005, I.O.V. (Organização Internacional das Artes Populares) em 2004.

Conhece um sucesso crescente, tanto pela qualidade dos grupos convidados e pela organização como pelo calor do acolhimento e pela atmosfera de amizade que reina entre os grupos e a população. Os espectáculos em Monção têm lugar na Praça Deu-La-Deu, com 1.500 lugares sentados e grande espaço em redor para assistir em pé. Na mesma praça cada grupo terá a possibilidade de instalar uma tribuna de exposição e venda de artesanato, discos, cassetes… representativos do grupo e a sua região. As refeições e dormitórios têm lugar em escolas de Monção.»

3 a 9 de Setembro de 2019 | Próximos anos: 01.09 – 07.09.2020 / 07.09 – 13.09.2021

Festival Internacional de Folclore “Celestino Graça”

Campo Infante da Câmara – Santarém | Centro Etnográfico “Celestino Graça” – Apartado 363 | Campo Infante da Câmara – Apartado 363 | 2001-905 Santarém

«O Festival Internacional de Folclore de Santarém realiza-se desde 1959, tendo surgido no âmbito da Feira do Ribatejo. Celestino Graça criou e desenvolveu este Festival, o qual foi membro fundador do CIOFF® em 1971, em França. A partir de 1995 a designação do Festival passou a incluir o nome do seu fundador, em sua homenagem.»

O Festival é organizado pelo “Grupo Académico de Danças Ribatejanas”, um grupo folclórico também fundado pelo Sr. Celestino Graça.

Provérbios populares sobre meses do ano

Provérbios populares sobre meses do ano

Ao longo dos séculos, o povo português criou e preservou, passando de geração em geração, um conjunto diversificado de provérbios ou ditos populares ligados à vida agrícola, à respetiva região, à família, aos amigos e à sociedade em geral, etc.

Deixamos aqui alguns provérbios ou adágios recolhidos em diversas localidades da região de Trás-os-Montes e Alto Douro, e que nos falam sobre os meses do ano, para acrescentar a outros já disponibilizados em Calendários.Info.

«Quatro coisas há no mundo
Que nunca lhe faltarão:
As trovoadas em Maio,
A névoa de S. João,
O Verão de S. Martinho,
Tempestade em S. Simão.»

Sobre o mês de Janeiro

» Janeiro: geeiro.

» Em Janeiro, sete casacos e um sombreiro.

» Janeiro molhado não é bom para o pão, mas é bom para o gado.

» Janeiro frio e molhado enche a tulha e farta o gado.

» Em Janeiro, seca a ovelha no fumeiro.

Sobre o mês de Fevereiro

» Fevereiro: rego cheio.

» Fevereiro enxuto rói mais que todos os ratos do mundo.

» Chuva de Fevereiro mata o onzeneiro.

» Água de Fevereiro enche o celeiro.

» Em Fevereiro, chega-te ao lameiro.

Sobre o mês de Março

» Enxame de Março apanha-o no regaço.

» Março zangado é pior que o diabo.

» Em Março, onde quer passo.

» Em Março, tanto durmo como faço.

» Sol de Março queima a dama no paço.

Sobre o mês de Abril

» Em Abril, mau é descobrir.

» Abril: águas mil, quantas mais puderem vir.

» Abril molhado, ano abastado.

» Seca de Abril deixa o lavrador a pedir.

» Abril frio e molhado enche o celeiro e farta o gado.

Sobre o mês de Maio

» Maio couveiro não é vinhateiro.

» Maio pardo faz o ano farto.

» Fraco é o Maio se o boi não bebe na pegada.

» Fraco é o Maio que não rompe uma croça.

» Guarda para Maio o teu melhor saio.

Sobre o mês de Junho

» Sol de Junho amadura tudo.

» Chuva de Junho: peçonha do mundo.

» Junho chuvoso: ano perigoso.

» Chuva de Junho: mordedura de víbora.

» Chuva junhal: fome geral.

XXXIV Festival de Folclore “Cidade de Penafiel”

 

 

Vai realizar-se, no próximo dia 28 de Julho, com início previsto para as 21h30, no Campo de Torres Novas (junto ao Quartel da GNR), o XXXIV Festival de Folclore “Cidade de Penafiel”, promovido pelo Grupo Folclórico de Penafiel

Esta iniciativa tem o seguinte Programa

09h30 – Entrada do Grupo de Bombos

15h00 – Receção aos Grupos convidados

15h30 – Visita guiada pela cidade

18h00 – Jantar-convívio com os elementos dos Grupos participantes e representantes das entodades/instituições convidadas

20h30 – Concentração dos Grupos junto ao Quartel dos Bombeiros Voluntários de Penafiel

21h00 – Início do Desfile Etnográfico

21h30 – Entrega de lembranças e início do Festival de Folclore

 

Grupos participantes

– Grupo de Bombos de Recesinhos | S. Mamede – Penafiel

– Grupo Folclórico de Penafiel | Penafiel

– Grupos das Ceifeirinhas da Casa do Povo | Vila Nova de Anços – Coimbra

– Group Ensemble Ekonom | Eslováquia

– Rancho Folclórico das Bandeiras | Madalena – Açores

– Grupo Folclórico Refoios do Lima | Ponte de Lima

 

Sobre o Grupo organizador

O Grupo Folclórico de Penafiel foi fundado a 15 de Novembro de 2015. Tem como principais objetivos: recolher, preservar e divulgar os usos e costumes, as danças, os cantares e os trajes, enfim, a cultura popular da região onde está inserido, a antiga região de Entre Douro e Minho.

Este Grupo tem a sua sede social em Penafiel, “um concelho de forte vocação e apelo turísticos. As suas manifestações de interesse perpassam vários domínios, como sejam, o seu património, a sua gastronomia, as suas paisagens naturais, as suas tradições, feiras e festividades, às quais acrescem as estruturas turísticas construídas e em construção.

Penafiel é um concelho de montes, vales e rios, que pode ser fruído a partir de vários pontos e lugares. Deixa-se, todavia, a sugestão de aproveitar os belos planos de água decorrentes da albufeira do Tâmega ou as encostas agrestes do Douro.Fonte

 

Festival Internacional de Folclore | Braga 2018

 

Vai realizar-se, amanhã, Sexta-feira, dia 20 de julho, a partir das 16h00, o Desfile Etnográfico do Festival Internacional de Folclore (FIF), entre o Arco da Porta Nova e a Avenida Central, em Braga.

Este Cortejo Etnográfico marca o início do 20.º Festival Internacional de Folclore que decorrerá até ao próximo Domingo, dia 22 de Julho, na Avenida Central, com a participação de 13 grupos oriundos de Portugal, Chile, Índia, Rússia, Peru, Turquia, Sérvia, Espanha e Eslovénia.

O desfile inicia-se no Arco da Porta Nova, seguindo depois pela rua D. Diogo de Sousa e rua do Souto, terminando na Avenida Central.

 

Assim, de 20 a 22 de Julho, Braga volta a acolher o Festival Internacional de Folclore, que terá como palcos principais as Ruas do Centro Histórico e a Avenida Central.

Para além de dois grupos do concelho de Braga, o Festival conta, este ano, com a participação de um grupo da Região Autónoma da Madeira.

 

Grupos Participantes:

Grupo Folclórico da Universidade do Minho (Braga, Portugal)

Ballet Folclorico Municipal (Rancagua,Chile)

Utkarsh Dance Academy LLP (Índia)

The Free Steppe (Rússia)

Taller de Danzas Folkloricas “Todas Las Sangres” (Peru)

“Embers of Anatolia” Anadolu University Folklore Research Center (Turquia)

Kud PKB Korporacije (Sérvia)

Coros y Danzas Santomera (Múrcia, Espanha)

Grupo Folclore de Ponta do Sol (Madeira, Portugal)

Grupo Folclórico Dr. Gonçalo Sampaio (Braga, Portugal)

Folk Dance Group Tine (Rožanc, Eslovénia)

Associação Cultural e Festiva “Os Sinos da Sé” (Braga, Portugal)

Rusga de São Vicente de Braga / Grupo Etnográfico do Baixo Minho (Braga, Portugal)

 

22 de Julho

17h00 | Avenida Central – atuações dos Grupos

Associação Cultural e Festiva “Os Sinos da Sé” (Braga, Portugal)

Grupo Folclore de Ponta do Sol (Madeira, Portugal)

Ballet Folclorico Municipal (Rancagua,Chile);

“Embers of Anatolia” Anadolu University Folklore Research Center (Turquia);

Folk Dance Group Tine (Rožanc, Eslovénia);

Rusga de São Vicente de Braga / Grupo Etnográfico do Baixo Minho (Braga, Portugal)

 

22 de Julho

Largo da Igreja dos Congregados

Mostra de Ofícios e Tradições do Baixo Minho

 

Fonte

 

FolkLoures 2018 – XXVI Encontro de Culturas

 

FolkLoures 2018 – Encontro de Culturas

A edição do FolkLoures’18 – Encontro de Culturas, vai ter o seu início no dia 30 de Junho, prolongando-se durante toda a semana até ao dia 7 de Julho, dia em que se realizará um grandioso espectáculo de culturas tradicionais, a ter lugar no Parque da Cidade, em Loures.

Através desta iniciativa, que inclui exposições, conferências e outras iniciativas de carácter tradicional, os minhotos que vivem em Loures procuram, de alguma forma, retribuir à terra o excelente acolhimento com que foram recebidos neste concelho dos arredores de Lisboa e, ao mesmo tempo, contribuir para a integração e convivência saudável entre todas as comunidades imigrantes que aqui vivem, sejam elas de origem lusófona ou de outras culturas.

O FolkLoures é uma iniciativa do Grupo Folclórico Verde Minho, que conta com o apoio imprescindível da Câmara Municipal de Loures, e tem o seguinte Programa

Dia 30 de Junho

15h30 – No Palácio dos Marqueses da Praia e Monforte, no Parque da Cidade em Loures, estará patente ao público uma exposição temporária de ” Fotografias da aldeia da Furna” no átrio da entrada do referido Palácio no mesmo dia.

16h00 – Palestra sobre os habitantes de Vilarinho da Furna, pelo Prof. Doutor Manuel Antunes, a ter lugar no Auditório do Palácio dos Marqueses da Praia.

Dia 7 de Julho

16h00 – Feira de artesanato. Abertura de tasquinhas com o Grupo de Bombos Arrufarte e Mareantes do rio Douro.

17h30 – Colocação de Insígnias e entrega de Lembranças Institucionais aos grupos presentes a ter lugar no Palácio dos Marqueses da Praia e Monforte.

20h00 – Desfile, seguido de Espetáculo Internacional de folclore e recriações da cultura tradicional

24h00 – Sessão de encerramento com fogo-de-artifício

Grupos participantes

Grupo de Bombos Mareantes do Rio Douro – Douro

Grupo de Bombos Arrufarte – Estremadura

Representação da Festa dos Tabuleiros de Tomar – Ribatejo

Tradições Baile dos Pedreiros de Penafiel – Douro Litoral

Grupo Etnográfico Verde Minho – Minho

Danças Tibetanas – República Popular da China

Grupo Coral e Etnográfico Camponeses de Pias – Baixo Alentejo

Rancho Folclórico de Penafiel – Douro Litoral

Grupo Sargaceiros da Casa do Povo de Apúlia – Minho

Grupo de Danças e Cantares Alto do Moinho – Douro Litoral

Rancho Folclórico de Lousa – Loure Estremadura – Região Saloia

Grupo Folclórico Verde Minho – Loures

O Grupo Folclórico Verde Minho é o anfitrião do FolkLoures – Encontro de Culturas e a quem se deve a criação deste evento que se caracteriza pela sua originalidade, espírito fraterno e carácter inclusivo.

Disse um dia o escritor transmontano Miguel Torga, “…no Minho tudo é verde, o caldo é verde, o vinho é verde…” – não podiam, pois, os minhotos que vivem na região de Lisboa, deixar de tomar para si a identificação cromática que caracteriza a sua região.

Respondendo ao chamamento da terra que os viu nascer, os minhotos que vivem nos arredores de Lisboa, mais concretamente no concelho de Loures, decidiram em tempos criar um grupo folclórico que os ajuda a manter a sua ligação afectiva às origens. Assim nasceu em 1994 o “Grupo Folclórico e Etnográfico Danças e Cantares Verde Minho”, anunciado como seu propósito a preservação, salvaguarda e divulgação das suas raízes culturais.

Este Gripo Folclórico visa, através da sua atuação, promover as tradições da nossa região nomeadamente junto dos mais jovens ao mesmo tempo que valoriza os seus conhecimentos musicais e da etnografia minhota.

Se quiser saber mais informações sobre este ou dos restantes Grupos participantes, clique aqui