Rancho Folclórico Honra e Glória de Arrentela – Seixal

 

O Rancho Folclórico Honra e Glória de Arrentela, inicialmente designado como “Grupo de Danças e Cantares de Arrentela”, nasceu da ideia de um grupo de jovens, por ocasião das Festas Religiosas da Freguesia, no dia 1 de novembro, em honra de Nossa Senhora da Soledade, numa encenação alusiva às origens da festa “O grande terramoto de 1755”.

Fez a sua primeira apresentação pública no dia 26 de maio de 2007, dia que passou a constituir a data de fundação.

O Rancho Folclórico Honra e Glória de Arrentela representa o passado das terras do Seixal, acima de tudo a nossa Freguesia, com os seus trajes, as suas danças e os seus cantares, é constituído, aproximadamente, por 40 elementos, com idades compreendidas entre os 2 e os 80 anos, e conta já com inúmeras atuações no seu historial.

Apresenta como trajes: Ir-ver-a-Deus, Domingueiros, Média Burguesia, Pescadores, Varinas, Calafates, Moleiros, Carvoeiro, Romaria, Apanhadeira de Laranjas, Aguadeira, Corticeiro, Lavadeira, Ceifeira, Vendedora de Fruta, Crianças de Antigamente, entre outros…

Outrora, a nossa freguesia, pertencente ao concelho do Seixal, viveu essencialmente da faina marítima, bem como do trabalho dos campos, e da indústria, pois nela se vieram instalar algumas das fábricas que muito contribuíram para o desenvolvimento da localidade e do concelho. Como as terras do concelho do Seixal ficam muito próximas de Lisboa, em tempos idos deram sempre um grande contribuíram para abastecer a cidade de Lisboa, pois das nossas quintas de Arrentela, bem como de todo o concelho, partiam barcos carregados de hortaliças, laranjas, azeite e algum vinho.

Hoje em dia, as populações de Arrentela, bem como as de todo o concelho, já não vivem do mar, mas nesta região estão instaladas algumas indústrias importantes para o concelho e mesmo para o país.

Aceitamos convites para Festivais de Folclore, Festas, etc., essencialmente através de permuta.

Rancho Folclórico Honra e Glória de Arrentela – Associação Cultural do Rancho Folclórico de Arrentela
Praceta Quinta da Boa Hora, nº 1 – Arrentela | 2840-364 Seixal
Contactos: 964455293 (Nuno Cardoso – Presidente) | 966479823 (Catarina Afonso – vice-Presidente)
Email: ranchohonragloriaarrentela@gmail.com

 

Sobre Arrentela

Arrentela está situada na margem sul do estuário do rio Tejo, em local alto e debruçado sobre o esteiro do Judeu. O seu nome provirá eventualmente de “Aventella”, por ser terra varrida por muitos ventos, ou de “Arreentella”, por causa de estar implantada em areais ou ainda, segundo a tradição popular, de “além terra”, desde que foi avistada do rio por pescadores.

Toda a região da margem sul do estuário do Tejo, integra na grande mancha terciária denominada Península de Setúbal, assenta, por isso, sobre uma vasta área compreendendo formações do Miocénio Marinha e Pliocénico. O Pliocénico ocupa, no entanto, a grande totalidade da Península de Setúbal e os terrenos quaternários constituem as orlas marginais do Tejo e dos seus esteiros. Quase toda a área do Concelho do Seixal, a que pertence a freguesia de Arrentela, se estende sobre a formação Pliocénica da Bacia do Tejo, a qual é bordada por uma larga faixa de depósitos recentes ao longo da orla fluvial.

A povoação de Arrentela está implantada em terrenos do Pliocénico, excepto junto das margens do esteiro em que o subsolo é formação natural recente ou artificial.

Em 1384, a Arramtella era referida por Fernão Lopes, na crónica de D. João I. Em 1399, o Convento da Trindade trocava a sua Quinta de Arrentela por bens em Lisboa. Data de 1403 o aforamento do esteiro de Arrentela a Nuno Álvares Pereira, que o doou, conjuntamente com outras terras, ao Convento do Carmo, em 1404.

Datam de 1581 os primeiros assentos de Baptismo, Casamentos e Óbitos lavrados na Paróquia de Arrentela.

Como outros povoados ribeirinhos da região, a Arrentela desenvolveu-se com base nas potencialidades do rio, quer a nível dos seus recursos naturais, quer das actividades proporcionadas pela localização geográfica, como a construção naval, sobretudo a partir do período dos descobrimentos e expansão marítima portuguesa.

A Arrentela perdeu progressivamente o poder local passando de sede de freguesia importante (que englobava o Seixal e as actuais localidades de Aldeia de Paio Pires e Fernão Ferro), a uma simples freguesia pertencente ao concelho do Seixal e, com a freguesia do Seixal, forma a Cidade do Seixal.

Com a reorganização administrativa territorial autárquica prevista pelo Lei 22/2012 de 30 de maio, a Arrentela irá perder a autonomia de freguesia, passando a englobar a freguesia de Aldeia de Paio Pires-Arrentela-Seixal.” Fonte e saber mais