Provérbios e ditados populares sobre as profissões

 

Os provérbios são elementos de sabedoria popular que transmitem conhecimentos comuns sobre a vida do dia-a-dia, às vezes contraditórios, pois a “verdade” a que dizem respeito não pode ser separada da comunidade sócio-cultural que lhe deu origem.

Abaixo, uma listagem de provérbios e ditados populares sobre as “profissões”, recolhidos na região de Trás-os-Montes e Alto Douro:

» Rodas e advogados, só andam se bem untados.

» Alfaiate, mal vestido; sapateiro, mal calçado.

» Almocreve cavaleiro não ganha dinheiro.

» Da muita neve se queixa o almocreve.

» Ama gorda, pouco leite.

» Barqueiro a barqueiro, não leva dinheiro.

» Fome de caçador, sede de pescador.

» Tapa, massa, enquanto o caldeireiro passa.

» Caldeireiro na terra: chuva na serra.

» Cesteiro que faz um cesto faz um cento se tiver verga e tempo.

» No tempo da tomateira não há fraca cozinheira.

» Mais vale bom estômago do que boa cozinheira.

» Quem faz a cozinheira ligeira é a boa fogueira.

» A criado novo, pão e ovo; a criado velho, pau e demo.

» Ao fim do ano, o criado parece-se com o amo.

» Ao confessor e ao advogado não o tragas enganado.

» Ao confessor e ao advogado confessa o teu pecado.

» Dos enganos vivem os escrivães.

» Em má demanda, escrivão da minha banda.

Sugestão de leitura

Aguadeiro e Aguadeiras | Profissões antigas

[themoneytizer id=”19156-19″]

 

» Estalajadeira à porta: poucos fregueses.

» Em casa de ferreiro, espeto de salgueiro.

» Nunca a boa fiandeira ficou sem camisa.

» Ninguém é [bom] juiz em causa própria.

» Quando o doente diz ai, o médico diz dai.

» Médico velho, cirurgião novo, boticário coxo.

» De médico e de louco todos temos um pouco.

» Erros de médico a terra os cobre.

» O melhor médico é o que se procura e não se encontra.

» Oleiro que faz a panela faz a tampa.

» Fraco é o padeiro que diz mal do seu pão.

» Pedreiro de Agarez põe uma pedra, caem três.

» Peixeira que não mente a bolsa lho sente.

» Pescador de cana come mais do que ganha.

» O poeta nasce, o advogado faz-se

» Quem se ensinou, sapateiro, a tocar rabecão?

Fonte: Literatura Popular de Trás-os-Montes e Alto Douro – Joaquim Alves Ferreira, IV Volume, 1999 | Imagem de Marc Pascual por Pixabay 

[themoneytizer id=”19156-16″]