Uma poda na região demarcada do Douro

Poda no Douro

«O nevoeiro já começava a levantar, mas com lentidão. Só lá para começo da tarde, provavelmente, desapareceria de todo e, até essa hora, os podadores rapariam bom frio.

Tudo era desolador, em torno. As árvores de fruto, depenadas de folhas, pareciam tiritar; e as cepas, arrastando as vides por terra, num abandono triste e miserável, infundiam pena.

Cantavam, entretanto, as tesouras, nas mãos dos homens, lembrando gemidos de pássaros que fugissem com medo. Para trás, as videiras iam ficando podadas, braços pequeninos num tronco atarracado e escuro, sugerindo estranhos mutilados.

De súbito, nova praga do Gião furou o ar. Acabava de prender alguns fios de croça no braço de uma videira. «Boa te juraram», comentou, velhaquete, o Fateixa. «Ora vá prò diabo», atirou enfurecido, não se adiantando mais apenas por respeito ao velho.

Gargalharam os companheiros. Aquilo era de todos os momentos, assim como atascar os tamancos na terra lodosa, mas sabia-lhes sempre a cena de entremez.

A croça, sobretudo feita de palha, era característica da região, mas ali apenas dois a usavam: Gião e Fateixa. Os outros defendiam-se do frio com varinos no fio e antigos capotes de soldado, recordação da vida militar.

Gião bufava, vexado e aborrecido.»

Guedes de Amorim, A Espada dos Arcanjos (Lisboa, 1968) (texto editado)

O que é a poda? 1

A poda é o acto de cortar e retirar partes de uma planta de modo a influenciar o seu posterior crescimento. Tem como principais funções:

– em fruticultura, guiar o crescimento de certas árvores (citrinos, pessegueiros);

– em horticultura, para tirar todo o partido do espaço aéreo disponível e, no tocante às plantas ornamentais, visa objectivos estéticos;

– e em silvicultura, destina-se a formar tronco e obter madeira sem nós.

– na viticultura, para regularizar o crescimento vegetativo e reprodutivo de acordo com um dado potencial de crescimento genético e ambiental de forma a assegurar:

– uma produção suficiente de uvas de qualidade

– a perenidade da planta.

Fonte: 1 Nova Enciclopédia Portuguesa (texto editado, adaptado e ampliado)