Pessoas ligadas à Etnografia e ao Folclore

Pessoas ligadas à Etnografia e ao Folclore

Sem dúvida que as pessoas são uma das maiores riquezas que Portugal tem.

Como indivíduo, com características pessoais únicas e irrepetíveis, ou como membro de um um grupo sócio-cultural e/ou económico, o Português é, nas palavras de Jorge Dias

“… um misto de sonhador e de homem de acção, a que não falta certo fundo prático e realista. (…) é mais idealista, emotivo e imaginativo do que homem de reflexão. O Português é, sobretudo, profundamente humano, sensível, amoroso e bondoso, sem ser fraco. Não gosta de fazer sofrer e evita conflitos, mas, ferido no seu orgulho, pode ser violento e cruel.1

«Como processo social, o folclorismo insere-se em contextos nacionais específicos. (…) Destaca-se o aparecimento de um discurso etnográfico próprio, paralelo e concorrente com o discurso científico.

O universo social do folclore é encarado pelo poder político como um espaço para a construção dum consenso nacional com o objectivo de neutralizar conflitos globais da nação (luta de classes, questão religiosa).

O processo português de folclorização caracterizou-se por uma mobilização da sociedade em torno de uma luta de gostos que substituiu a impossibilidade de debater a conflitualidade social2

Mais de 150 anos…

Ao longo dos últimos 150 anos, muitas pessoas dedicaram ou têm dedicado as suas vidas à investigação, recolha, preservação e divulgação da Cultura Popular Portuguesa, nas suas diversas vertentes.

Neste espaço vamos disponibilizar informações biográficas e outras sobre aqueles(as) que, ao longo da sua vida e por muitos anos, assumiram, com espírito de missão, a defesa da Cultura Popular Portuguesa como uma tarefa inadiável e que urge continuar.

Isto, na certeza de que “Temos obrigação de salvar tudo aquilo que ainda é susceptível de ser salvo, para que os nossos netos, embora vivendo num Portugal diferente do nosso, se conservem tão Portugueses como nós e capazes de manter as suas raízes culturais mergulhadas na herança social que o passado nos legou.”3

 

Francisco Manuel Alves (Abade de Baçal)

Pessoas ligadas à Etnografia e ao Folclore

Figura proeminente em Trás-os-Montes no século XIX, nasceu em Bragança, a 9 de Abril de 1865. Era filho de agricultores – Francisco Alves Barnabé e Francisca Vicente. O seu nome próprio era Francisco Manuel Alves, tendo feito o curso Teologia no Seminário de São José de Bragança e sido ordenado em 1889.

Primeiramente pároco de Mairos, passou depois para a paróquia da sua terra, Baçal, dedicando-se ao estudo arqueológico e histórico da região. Ler+

António Jorge Dias

Pessoas ligadas à Etnografia e ao Folclore

(Porto, 31 de Julho de 1907 – Lisboa, 5 de Fevereiro de 1973) – Etnólogo português, nascido no Porto. Estudou Filosofia Germânica na Universidade de Coimbra e, entre 1938 e 1947, foi leitor de português nas universidades alemãs de Rostock, Munique e Berlim, e nas espanholas de Santiago de Compostela e Madrid.

Especializou-se em Etnologia na Alemanha, onde fez doutoramento em 1944, com a tese “Vilarinho dos Furnas, Uma Aldeia Comunitária“, na Universidade de … Ler+

António Lourenço Fontes

Pessoas ligadas à Etnografia e ao Folclore

Nasceu em Cambezes do Rio, uma aldeia do Barroso, próxima do Rio Cávado, em 22 de Fevereiro de 1940, e teve onze irmãos.

Ingressou no Seminário em Vila Real, em 1950, tendo completado a formação em 1962. Ordenado em 1963, foi colocado em Tourém, onde esteve oito anos. Ainda celebrava Missa em Pitões das Júnias e em Covelães. Ler+