O Menino e a Lua | Contos populares portugueses

O Menino e a Lua | Contos populares portugueses

O Menino e a Lua

Era uma vez um pai que tinha um filho que, desde muito pequenino, costumava ir para o alto de um monte olhar para Lua.

Um dia o pai foi ter com ele e perguntou-lhe para que estava ele olhando para a Lua. O menino respondeu:

É que a Lua tem-me dito muitas vezes que meu pai ainda me há-de querer deitar água nas mãos e eu recusar.

Foi o pai para casa e contou à mulher o que o menino lhe tinha dito e ela respondeu-lhe:

Vejo que o nosso filho quer dizer que nós ainda havemos de ser criados dele; o melhor será deitá-lo ao mar.

O caixão andou três dias no mar até que foi ter a uma terra muito longe e os pescadores, julgando que nele houvesse algum tesouro, foram levá-lo ao rei.

O rei mandou-o abrir para ver o que tinha e, vendo que era um menino muito formoso, disse que tomava conta dele e seria seu filho adoptivo.

Mandou o rei educar o menino como se ele fosse um príncipe e, quando chegou a idade dos vinte anos, deu-lhe dinheiro para viajar com uma grande companhia de gente, como lhe era dado.

Ora o pai e a mãe do menino tinham caído na pobreza e foram pôr uma estalagem em uma terra para ganhar para viver e tinham sempre grandes remorsos pelo que tinham feito ao filho.

Chegou o príncipe com a sua companhia àquela terra e foi hospedar-se em casa de seu pai, sem que o conhecesse.

Apenas ali tinha chegado, veio logo o pai para deitar água nas mãos do príncipe para ele se lavar; mas o príncipe recusou e o pai estremeceu.

Então o príncipe, notando isso, perguntou-lhe:

Porque é que estremeceste quando me deitaste água nas mãos?

O pai respondeu-lhe:

É que eu me lembrei agora de que tive um filho que, se agora fosse vivo, teria a vossa idade e que o deitei ao mar, porque ele me disse um dia que eu lhe havia ainda de deitar água nas mãos para ele as lavar e ele recusar.

Mas que tenho eu com o teu filho? -respondeu o príncipe.

Não tendes nada; vos sois filho do rei e eu sou um pobre estalajadeiro.

Foi o príncipe contar tudo ao rei e, depois de muitas perguntas e respostas, veio-se ao conhecimento de que o príncipe era filho do estalajadeiro.

Então, este já queria que o seu filho fosse viver com ele e com sua mãe, mas o rei ordenou que fossem eles para o palácio, pois por sua morte o príncipe havia de ficar no lugar dele, como rei.

Adolfo CoelhoContos Populares portugueses