A arquitectura e a engenharia na criação da casa tradicional

A arquitectura e a engenharia na criação da casa tradicional

A concepção de casa tradicional do ponto de vista arquitectónico assenta na reunião das linhas estéticas do edifício. Estas variam consoante a região e os hábitos culturais onde se insere.

De igual modo, a engenharia que é empregue na concretização do projecto arquitectónico corresponde às exigências naturais e culturais que presidem à sua construção, nomeadamente as características dos materiais e as suas necessidades de utilização.

E, falamos de projecto arquitectónico uma vez que, por mais elementar que seja o seu planeamento, sempre que alguém se propõe a edificar algo, tem sempre presente uma ideia, ainda que rudimentar, daquilo que vai construir – o projecto!

Tal como sucede com o vestuário, também a casa tem como função primordial o refúgio, a protecção e o bem-estar do indivíduo, afastado dos perigos que o rodeiam no exterior e onde possa encontrar algum conforto.

Assim sendo, o Homem ergue a sua habitação tendo em linha de conta

– os materiais disponíveis,

– as características da paisagem,

– as ameaças que enfrenta

– e as suas próprias necessidades.

Diversidade de tipos de habitação

Não admira, pois, consoante o meio onde se encontra, os homens tenham concebido uma grande diversidade de tipos de habitação, desde os iglos das zonas polares às casas em palafitas, incrustadas no rochedo das falésias ou sobre ilhas artificiais.

As condições climáticas determinam o estilo arquitectónico, mais soalheiras no litoral e abrigada nas zonas húmidas e frias, com terraços do tipo árabe no Algarve ou com o telhado em agulha para não reter a neve como sucede na Dinamarca.

Em função da orientação predominante dos ventos, a forma e altura das chaminés. Ou ainda, para desfrutar da paisagem, as varandas alpendradas no piso superior mais a norte ou as casas térreas, indiferentes à monotonia dos campos mais a sul.

A casa era originariamente construída com os materiais existentes no local pois os meios de comunicação e transporte não permitiam ainda que fosse de outra forma. Assim sendo, encontramos a lousa nos telhados das aldeias transmontanas e o colmo nos antigos casebres do Minho, as casas de xisto na serra da Lousã ou as palafitas nas aldeias avieiras.

A sua concretização exigia o emprego de natural engenho na colocação dos materiais, na concepção das estruturas, o conhecimento da resistência e durabilidade dos materiais e da forma de aproveitamento para o fim em vista.

Consoante as necessidades que determinam a dimensão e ordenamento dos espaços, a sua volumetria e funcionalidade, assim se teria de conceber pilares e traves que permitissem a sua construção.

Sobretudo no Minho, a casa tradicional do lavrador possuía os estábulos do gado – ali designados por cortes – no piso térreo, constituindo simultaneamente um sistema de aquecimento centralizado de toda a habitação.

O concelho de Ourém situa-se numa zona de transição entre o Ribatejo, a Estremadura e a Beira Litoral, recebendo naturalmente de todas elas as suas influências.

Os materiais de construção

Do ponto de vista geográfico, a área a sul daquele concelho encontra-se situada no maciço calcário estremenho identificado pela serra d’Aire. Aqui, as habitações tradicionais são feitas de pedra, das quais, as casas que foram dos videntes de Fátima e ainda o Museu de Aljustrel constituem exemplares dignos de registo.

Porém, na área a norte do mesmo concelho, predominam os arenitos. Por esta razão as casas eram feitas de taipa ou com tijolo de adobe, por vezes caiadas com a cal proveniente das imediações, mormente do concelho de Alvaiázere.

Se quiser receber no seu email os novos artigos publicados, subscreva a nossa Newsletter!
Mantemos os seus dados totalmente privados e nunca os vamos partilhar com outros. Leia a nossa Política de privacidade e responsabilidade