Lendas de Portugal

LENDAS – coisas que devem ser lidas!

Algumas Lendas de Portugal

Lenda do Galo de Barcelos

Ao cruzeiro setecentista que faz parte do espólio do Museu Arqueológico de Barcelos, está associada uma curiosa lenda – a Lenda do Galo de Barcelos.

“Os habitantes do burgo andavam alarmados com um crime e, mais ainda, por não ter descoberto o autor. Ler+

Lenda dos Sete Ais | Sintra

Esta é uma lenda estranha que está na origem do nome de um local do concelho de Sintra (Seteais) e que remonta a 1147, data em que D. Afonso Henriques conquistou Lisboa aos Mouros. Destacado para ocupar o castelo de Sintra, D. Mendo de Paiva surpreendeu a princesa moura Anasir, que fugia com a sua aia Zuleima. Ler+

Lenda da Senhora do Picão | Miranda do Douro

No sítio do Picão situado a quatro quilómetros da Póvoa e a dois do Santuário do Naso, nos finais do séc. XIX e início do séc. XX, na aldeia da Póvoa, concelho de Miranda do Douro [Trás-os-Montes e Alto Douro], algo de milagroso aconteceu a uma menina de nome Mariana dos Ramos João. Ler+

Lenda do Naso | Miranda do Douro

A Capela de Nossa Senhora do Naso é um pólo de atracção principalmente em dia de romaria. Embora à volta desta capela se tenham, recentemente, construído algumas outras capelas, reza a lenda que ela foi edificada por um casal mirandês. Ler+

A Povoação de Agarez | Vila Real

Relacionada com a Serra do Alvão, cenário das lendas O Calhau do Encanto e As Picaretas de Oiro, existe uma outra que se refere à origem, nome e actividade dos habitantes de Agarez. Agarez é uma risonha e soalheira aldeia, alcandorada nas faldas da Serra do Alvão, a oito quilómetros, aproximadamente, de Vila Real.

Foi notável pelo artesanato do linho que os seus moradores cultivavam, teciam e bordavam primorosamente.  Ler+

O Calhau do Encanto | Vila Real

A Serra do Alvão, com os seus ciclópicos penedos e ravinas alcantiladas, vestida de branco no Inverno e de verde no Verão, com ar severo e misterioso, era ambiente propício para excitar a imaginação dos que por lá andavam a ganhar o pão ou por lá passavam, a caminho de Vila Real.

Não admira, pois, que, à sua volta, as lendas surgissem, com toda a naturalidade. Ler+

Lenda do Vale da Crima | Martinela – Leiria

O Vale da Crima surge-nos como curiosidade, ao fazermos o levantamento toponímico da freguesia do Arrabal.

Este local verdejante que se situa a sudoeste da Martinela, acompanhado na sua extensão por altas rochas lajeadas fazendo lembrar um mini lapedo, aparece associado às invasões francesas, segundo depoimentos colhidos junto das pessoas mais idosas da região. Ler+

Lenda da Cabração | Cabração – Ponte de Lima

«Após o recontro no Rêgo do Azar, quiz D. Afonso Henriques voltear pelas montanhas próximas, caçando ursos e javalis. Convidou alguns poucos ricos-homens e infanções.

Quando estavam no sítio que hoje se chama Cabração, apareceu muito açodado o Capelão das freiras de Vitorino das Donas, que à frente de moços com cestos pesados andava desde manhã à busca do real monteador, com um banquete mandado do Mosteiro. Em boa hora vinha a refeição. Ler+

Lenda do Galgo Preto | Ponte de Lima

Se alguma vez passares ao anoitecer na ponte que dá o nome á encantadora villa do Lima, talvez enxergues uma sombra dando reviravoltas no areal, aproximando-se do rio, parecendo beber com sofreguidão, quedar-se a olhar atonita para a corrente das águas, e depois caminhar vagarosa e cabisbaixa para os lados de Vianna, até desaparecer de todo. Ler+

Lenda do Rio Lima – Rio Lethes | Ponte de Lima

“Comandadas por Décios Junos Brutos, as hostes romanas atingiram a margem esquerda do Lima no ano 135 aC. A beleza do lugar as fez julgarem-se perante o lendário rio Lethes, que apagava todas as lembranças da memória de quem o atravessasse, os soldados negaram-se a atravessá-lo.

Então, empunhando o estandarte das águias de Roma o comandante chamou da outra margem a cada soldado pelo seu nome. Assim lhes provou não ser esse o rio do esquecimento.” Ler+

Exit mobile version