Dona Silvana | Romanceiro de Trás-os-Montes e Alto Douro

“Dona Silvana”

É um dos romances mais divulgados na região de Trás-os-Montes e Alto Douro.

Também se chama:

Conde de Alemanha, em Sabroso e Jales – V. Pouca de Aguiar

Conde de Almana, em Lamares – Vila Real

Conde Alberto, em Sanguinhedo e Sabroso – Vila Real

Conde Yanno, em Garrett

D. Silvana, em Pires de Lima

*****

Estando a D. Silvana

Em uma grande agonia,

Acordou seu pai na cama,

Com o choro que fazia.

– Tu que tens, D. Silvana,

Tu que tens, ó filha mia?

– Das sete irmãs que nós somos

Já todas têm família.

E eu, que sou a mais formosa.

Sem me casar ficaria?

– Mas no meu reino não há

Ninguém que te merecia.

Já corri sete reinados,

Também lá os não havia.

Só o conde de Alemanha

Bem digno de ti seria.

– Mande-o chamar, meu pai,

Que esse bem me agradaria.

– Mas o Conde de Alemanha

É casado, tem família.

– Mande-o matar a condessa,

Que já livre ficaria.

Mandou-o El-Rei chamar,

Em missão de cortesia.

Passados alguns momentos,

O Conde à porta batia:

-Que deseja V. Alteza,

Que quer V. Senhoria?

– Que tu mates a Condessa,

Pra casar co’a filha mia,

E me tragas a cabeça

Nesta dourada bacia.

– A Condessa não a mato,

Que ela não o merecia.

– Mas mata-a e traz-me a cabeça

Nesta dourada bacia.

Regressou o Conde a casa,

Não falava nem comia.

Ao ver a sua tristeza,

A Condessa lhe dizia:

-Conta, Conde, Conta, Conde,

Conta-me a tua agonia.

-Vamos antes pró jardim,

Que eu aí te contaria.

Foram ambos pró jardim,

Nem um nem outro colhia.

– Conta, Conde, conta, Conde,

Conta-me a tua agonia.

-Vamos antes para a mesa,

Que eu aí te contaria.

Foram ambos para a mesa,

Nem um nem outro comia.

– Conta, Conde, conta, Conde,

Conta-me a tua agonia.

– Vamos antes para a cama,

Que eu aí te contaria.

Foram ambos para a cama,

Nem um nem outro dormia.

– Conta, Conde, conta, Conde,

Conta-me a tua agonia.

– El-Rei manda que te mate,

Pra casar co´a sua filha,

E leva a tua cabeça

Nesta maldita bacia.

– não me mates querido Conde,

Não faças tal vilania.

Manda-me para meu pai,

Que ele me sustentaria.

– Mas El-Rei quer-te a cabeça

Nesta maldita bacia.

– Manda-me pôr numa torre

Que eu à fome morreria.

– Mas El-Rei quer-te a cabeça

Nesta maldita bacia.

-Manda chamar o barbeiro

Que me faça uma sangria.

– Mas El-Rei quer-te a cabeça

Nesta maldita bacia.

-Mata a nossa cadelinha

E manda-lha na bacia.

– Mas El-Rei é muito esperto,

E logo descobriri-a.

– Deixa-me então despedir

Do meu querido jardim:

Adeus, cravos, adeus, rosas,

Adeus, flor do alecrim…

Venham agora os meus filhos,

Filhos do meu coração,

Que amanhã, por esta hora,

Comigo já não estarão.

Anda cá, filho mais velho,

Anda-me beijar a mão,

Que amanhã, por esta hora,

Outra mãe te arranjarão.

Anda cá, filho do meio,

Vou dar-te a minha bênção,

Que amanhã, por esta hora,

Já terás outra mansão.

Anda cá, filho mais novo,

Mama o leite da paixão,

Que amanhã por esta hora,

Já eu estarei no caixão.

Mama, mama, meu filhinho,

Este leite de amargura,

Que amanhã, por esta hora,

Já estarei na sepultura.

Tocam os sinos na Sé…

– Ai, Jesus, quem morreria?!

Responde o filho mais novo,

Que ainda falar não sabia:

– Morreu a D. Silvana,

Pela traição que fazia,

E o malvado do Rei,

Que também o merecia,

Por descasar bem-casados,

Coisa que Deus não queria!

(*) In “Romanceiro – Literatura de Trás-os-Montes e Alto Douro”, de Joaquim Alves Ferreira | Imagem