Atividade moageira de Albergaria-a-Velha

Atividade moageira de Albergaria-a-Velha

Albergaria-a-Velha é uma terra de tradições compostas de água, moinhos e pão.

É abundante em recursos hídricos (rios Caima e Vouga) que contribuem para a fertilidade dos campos e são força motriz dos moinhos de água.

A prática cerealífera do concelho, especialmente ligada ao milho, remonta ao princípio do Século XVII na freguesia de Telhadela e é mencionada nas memórias paroquiais de Ribeira de Fráguas em 1758.

Os mais de 350 moinhos de água inventariados no concelho de Albergaria-a-Velha constituem um dos elementos importantes da paisagem rural das linhas de água, permitindo uma atividade moageira permanente.

Contudo, também nos rios Fílveda e Jardim, nas ribeiras de Albergaria-a-Velha, Fontão, Frias, Fial e Mouquim e nas inúmeras corgas e valas de todas as freguesias, encontram-se vestígios ou registos de mais de três centenas e meia de moinhos.

Em épocas remotas, o moinho era um dos lugares centrais na vida das comunidades rurais.

Contudo, as memórias de outrora continuam bem vivas nos rituais diários dos moleiros e no girar interminável das suas mós e rodízios.

 

Para ler: Moinhos de maré: um património a preservar

 

Por iniciativa da Câmara Municipal, foram recuperados 11 núcleos (num total de 14 moinhos com 19 casais de mós) e criada uma Rota dos Moinhos (2014), no âmbito de um projeto para a requalificação e valorização do património molinológico.

Destes continuam em laboração 4 moinhos de água (“Regatinho”, em Vilarinho de S. Roque; “Ti Miguel”, no Fontão; “Chão do Ribeiro”, em Mouquim; “Cova do Fontão”, no Fontão). 1

Atividade moageira de Albergaria-a-Velha

Sobre Albergaria-a-Velha

Albergaria-a-Velha é uma cidade que pertence ao distrito de Aveiro, em Portugal.

Com uma história rica e uma paisagem encantadora, é um local perfeito para quem procura tranquilidade e contato com a natureza.

O território que hoje compõe o concelho de Albergaria-a-Velha tem ocupação humana desde a pré-história, conforme os sítios arqueológicos o demonstram.

“Albergaria-a-Velha é uma terra de tradições feita de água, pão e moinhos.

Os últimos predominam em Albergaria-a-Velha – o concelho com maior número de moinhos de água inventariados da Europa – e constituem um dos elementos importantes da paisagem rural das linhas de água que percorrem todo o concelho.

São elementos com elevado valor patrimonial que deliciam a vista às gentes das suas terras e a todos os visitantes que se atrevem a visitá-los.

Pateira de Frossos insere-se no importante sistema lagunar da Ria de Aveiro representando um valioso recurso turístico que exibe uma inigualável biodiversidade de espécies e vegetação, um excelente recurso natural, que importa aproveitar, cuidar, promover e divulgar.

O som da água a correr é uma presença constante na freguesia de Ribeira de Fráguas.

O Rio Caima, que nasce na Serra da Freita e percorre 50 km até desaguar na margem direita do Rio Vouga, bem como os vários afluentes, rompem caminho pelos terrenos irregulares desta zona mais serrana.

O Caminho de Santiago representa para Albergaria-a-Velha um património imaterial marcante, uma memória e uma identidade.”

Fontes: 1 “Saber ser – saber fazer – O património cultural imaterial da região centro” | 2