[ INÍCIO ]   [ Sobre o Portal ]  [ FAQs ]  [ Registar site ou blog ]  [ Enviar informações ]  [ Loja ]   [ Contactos ]

 
"Temos obrigação de salvar tudo aquilo que ainda é susceptível de ser salvo, para que os nossos netos, embora vivendo num Portugal diferente do nosso, se conservem tão Portugueses como nós e capazes de manter as suas raízes culturais mergulhadas na herança social que o passado nos legou."  (Jorge Dias)
 
 
 
Arquitectura e construções
Artesanato
Cancioneiros Populares
Danças Populares
Festas e Romarias
Grupos de Folclore
Gastronomia e Vinhos
Instrumentos musicais
Jogos Populares
Lendas
Literatura Popular
Medicina Popular
Museus Etnográficos
Música Popular
Provérbios
Religiosidade Popular
Romanceiros
Sabedoria Popular
Superstições e crendices
Trajos
Usos e Costumes
 
Agenda de iniciativas
Bibliografia temática
Ciclos
Feiras
Festivais de Folclore
Glossário
Informações Técnicas
Loja
Permutas
Pessoas
Textos e Opiniões
Turismo
 
SUGESTÕES
Calendário agrícola
Confrarias
Datas comemorativas
Feriados Municipais
História do Calendário
Meses do ano
Províncias de Portugal
 
 

Pub  
   
»» "CAMINHOS DE SANTIAGO" >> Caminho de Lamego Pub
Pub    
 

Caminho de Lamego

Lamego, com o seu Castelo e a sua Torre de Menagem (séc.XIII), a Igreja de Santa Maria de Almacave,  a Sé Catedral, foi terra de votos de Santiago. Segundo o Chronicon Iriense, Ramiro II no ano de 834 não satisfeito com a oferta que fez à Catedral de Compostela ordenou que todas as igrejas situadas  desde o rio Pisuerga até ao Douro pagassem ao apóstolo Santiago um censo «no valor de uma medida de pão e de um almude de vinho por cada junta de bois com que lavrassem a terra, como prova de gratidão pela vitória sobre os árabes, pondo assim termo, pelo via militar, à degradante exigência de cem donzelas por ano». E, ainda, no séc. XV a Catedral de Santiago reclamava à diocese de Lamego a renda destes votos! 

Saímos de Lamego em direcção a Peso da Régua. Foi D. Teresa que doou a D. Hugo, Bispo do Porto, a igreja que ali existia com metade do rendimento da barca de passagem. Em quinhentos, atravessavam ao rio Douro a barca de Bagaúste, que pertencia ao Bispo de Lamego; a da Régua, do Bispo do Porto e do Infante D. Fernando; a do Carvalho, privada de uma quinta; a do Moledo, instituída por D. Mafalda; a do Bernaldo, privada e a do Porto de Rei, também da Rainha Mafalda. E ainda lembrados dos velhos rabelos carregados de «vinhos finos», vamos seguir os dois caminhos de Santiago.

Uns, optavam pelo caminho que os levava por Mesão Frio, Amarante (a igreja e o convento de S. Gonçalo foram edificados em 1540, no interior existe um altar dedicado a Santiago; de interesse, também, a Ponte de Amarante mandada construir por S. Gonçalo para os peregrinos poderem transpor o rio Tâmega), e seguiam por Lixa, Felgueiras, em direcção a Guimarães e Braga com opção depois pelo "Caminho de Celanova" ou o "Caminho da Geira Romana".

Outros saíam do Peso da Régua por Vila Real (fundada por D. Dinis em 1289, assumindo o privilégio da antiga Terra de Panóias - visita obrigatória a este santuário rupreste de origem pré-romana, assim como à capela de S. Brás (séc. XIV) e à Sé, antigo convento de S. Domingos, mandada construir por D. João I), Vila Pouca de Aguiar, Pedras Salgadas, Vidago, Chaves (uma das principais encruzilhadas de vias de peregrinos - em 1160 D. Mafalda manda construir capela e albergaria destinada a acolher os peregrinos jacobeus), depois, Verin, Orense, Lalin e Santiago.

Também pode optar, na saída de Braga, pelo Caminho que passa por Pico de Regalados, Ponte da Barca, Arcos de Valdevez, Monção/Salvaterra e/ou pela Geira Romana, com saída na Portela do Homem e entrada na Ameixoeira por Melgaço e A Caniza.

in "Santiago - Caminhos do Minho" da autoria de Francisco Sampaio e editado pela ADETURN (Associação para o Desenvolvimento do Turismo da Região Norte)

Voltar para menu de TURISMO

 

 

Pub

     

        

Se não encontrou nesta página o que procurava, pesquise em todo o Portal do Folclore Português
 



Acompanhe, em primeira mão as actualizações do Portal do Folclore Português:

FOLCLORE DE PORTUGAL - O Portal do Folclore e da Cultura Popular Portuguesa não se responsabiliza pelo conteúdo dos sítios registados
© Copyrigth 2000/2014  - Todos os direitos de cópia reservados - Webmaster