Trajo de Trabalho do Sargaceiro | Trajes Tradicionais

Apúlia. Século XX.             

Branqueia

Acessórios: cinto e chapéu

Casaco designado por branqueia, de burel branco cortado em viés e abotoado com botões do mesmo tecido. Na cintura cinto de cabedal. Chapéu sueste do mesmo tecido, burel por vezes revestido de um outro tecido impregnado de óleo para o impermeabilizar; a copa é talhada em gomos e a aba, pespontada, é mais larga atrás, para proteger o pescoço.

Trajo profissional todo ele concebido para a função a desempenhar, isto é, proteger o corpo do sargaceiro na água. A própria designação, branqueta, como se referiu, estendeu-se também ao próprio trajo. Esta peça apresenta um corte invulgar, talvez proveniente do saio medieval, talhado em viés que permite ficar justo ao corpo e alargar-se a partir da cintura facilitando o movimento das pernas. Vestia-se directamente sobre a pele para evitar perder-se o calor do corpo mesmo depois de molhado. De assinalar o próprio material em que são feitos os botões de branqueia o que mostra o seu arcaísmo.

O sargaceiro segura na mão um galhapão, espécie de instrumento composto por um saco de rede ligado a uma armação de madeira (boca) e seguro por um cabo do mesmo material, com o qual apanha o sargaço trazido pelas correntes e pela ondulação até à praia1.

 

A apanha do sargaço

O minhoto soube aproveitar as condições do meio e fertilizar as areias com os produtos do mar. A apanha de algas assumiu grande importância ao longo da costa Norte. Os campos estéreis da beira-mar foram enriquecidos com pilado – caranguejos em cardume – e sargaço.

Hoje, com a generalização dos adubos químicos, esta actividade está em declínio. Mas, em certos locais, a apanha das algas tem ainda alguma importância. Em Castelo do Neiva, nas primeiras horas da manhã, ainda é possível observar os apanhadores de algas. O sargaço é apanhado nos meses de Verão. Os sargaceiros entram no mar e com o redenho recolhem as algas que estão à superfície ou submersas, junto ou próximo da praia.

Antigamente, os sargaceiros, antes de entrarem no mar, envergavam branqueias, um casaco de tecido de lã, grosso e branco, que envolve o corpo dos sargaceiros até ao joelho. Na cintura é cingido por um cinto de couro e a parte de baixo é rodada.

Quando o mar já não permite a apanha, os montes de algas molhadas não transportados para os sequeiros, nas dunas, em cestos, padiolas ou carros de mão com duas rodas. Nos sequeiros as algas são estendidas com o auxílio do engaço – uma espécie de ancinho.

Uma vez secas, as algas são empilhadas, formando uma palhota. A parte superior é coberta por um telhado de duas águas, construído com colmo. Aí ficam até serem transportadas para os campos que vão fertilizar2.

 

Fontes: 1.- “O Trajo Regional em Portugal” – Tomás Ribas | 2.- “Cores, sabores e tradições – Passeios no Vale do Lima” | Imagem de destaque | Imagem inserida no artigo