[ INÍCIO ]   [ Sobre o Portal ]  [ FAQs ]  [ Registar site ou blog ]  [ Enviar informações ]  [ Loja ]   [ Contactos ]

 
"Temos obrigação de salvar tudo aquilo que ainda é susceptível de ser salvo, para que os nossos netos, embora vivendo num Portugal diferente do nosso, se conservem tão Portugueses como nós e capazes de manter as suas raízes culturais mergulhadas na herança social que o passado nos legou."  (Jorge Dias)
 
 
 
Arquitectura e construções
Artesanato
Cancioneiros Populares
Danças Populares
Festas e Romarias
Grupos de Folclore
Gastronomia e Vinhos
Instrumentos musicais
Jogos Populares
Lendas
Literatura Popular
Medicina Popular
Museus Etnográficos
Música Popular
Provérbios
Religiosidade Popular
Romanceiros
Sabedoria Popular
Superstições e crendices
Trajos
Usos e Costumes
 
Agenda de iniciativas
Bibliografia temática
Ciclos
Feiras
Festivais de Folclore
Glossário
Informações Técnicas
Loja
Permutas
Pessoas
Textos e Opiniões
Turismo
 
SUGESTÕES
Calendário agrícola
Confrarias
Datas comemorativas
Feriados Municipais
História do Calendário
Meses do ano
Províncias de Portugal
 
 

Pub  
   
»» O saber não ocupa lugar >> Textos, Opiniões e Comentários Pub
Pub Festas e Tempos  
  Festas Populares (2)

João Vasconcelos (*)

(Continuação...)
Festas de Verão

É preciso sondar o que é que acontece às festas quando a vivência agrícola que Ihes dava certos sentidos e as envolvia na sua temporal idade se torna marginal. Foi isso que aconteceu em Portugal com particular força nos últimos 40 anos, período durante o qual a percentagem da população activa empregada no sector primário decaiu velozmente dos 50 para os 10 por cento e o mundo rural sofreu intensa sangria demográfica.

O nosso tempo está hoje muito afastado da ciclicidade agrícola. O que não quer dizer que ele se tenha separado da vivência da ciclicidade em geral. O Verão, além de ocorrência climatérica regular, continua sendo um tempo carregado de sentido próprio, e é nos elementos contemporâneos desse sentido que poderemos encontrar outros novos sentidos das festas estivais. Para a maioria dos portugueses, o tempo estival já não é o tempo extenuante e gratificante das colheitas. É, embora não para toda a gente, tempo de férias, é tempo de regresso à terra, é tempo de consumir os produtos e os serviços das indústrias do lazer. O estímulo a este tipo de consumo não nasce já da novidade das colheitas, mas é instigado pela publicidade e, para os assalariados, pela instituição providencial do subsídio de férias.

É na adaptabilidade das festas que reside o segredo da sua permanência As festas que mais decaíram ao longo deste século foram as festividades vincadamente agrícolas. como os clamores primaveris com que inúmeras povoações rurais rogavam protecção para os campos, hoje em dia residuais, ou os elementos festivos que pautavam trabalhos colectivos quase abandonados, como as esfolhadas. Mas mesmo neste tipo de festas há possibilidade de releitura e adaptação. Foi, por exemplo, o que aconteceu em anos recentes na romaria de gado em honra de São Mamede de Janas, nos arredores de Sintra, que, ao mesmo tempo que viu a sua clientela camponesa diminuir, passou a contar com a presença de muitos romeiros burgueses que têm casas de férias na zona e que começaram a frequentar a festa levando à bênção do gado os seus animais de estimação.
 

<<< Página 1 +++ Página 3>>>


(Excertos de "Festas e tempos". Texto do catálogo "O tempo da festa", Porto, Centro Regional de Artes Tradicionais, 1997)
(*) Antropólogo. Investigador no Instituto de Ciências Sociais

   

 

Pub

     

        

Se não encontrou nesta página o que procurava, pesquise em todo o Portal do Folclore Português
 



Acompanhe, em primeira mão as actualizações do Portal do Folclore Português:

FOLCLORE DE PORTUGAL - O Portal do Folclore e da Cultura Popular Portuguesa não se responsabiliza pelo conteúdo dos sítios registados
© Copyrigth 2000/2014  - Todos os direitos de cópia reservados - Webmaster