[ INÍCIO ]   [ Sobre o Portal ]  [ FAQs ]  [ Registar site ou blog ]  [ Enviar informações ]  [ Loja ]   [ Contactos ]

 
"Temos obrigação de salvar tudo aquilo que ainda é susceptível de ser salvo, para que os nossos netos, embora vivendo num Portugal diferente do nosso, se conservem tão Portugueses como nós e capazes de manter as suas raízes culturais mergulhadas na herança social que o passado nos legou."  (Jorge Dias)
 
 
 
Arquitectura e construções
Artesanato
Cancioneiros Populares
Danças Populares
Festas e Romarias
Grupos de Folclore
Gastronomia e Vinhos
Instrumentos musicais
Jogos Populares
Lendas
Literatura Popular
Medicina Popular
Museus Etnográficos
Música Popular
Provérbios
Religiosidade Popular
Romanceiros
Sabedoria Popular
Superstições e crendices
Trajos
Usos e Costumes
 
Agenda de iniciativas
Bibliografia temática
Ciclos
Feiras
Festivais de Folclore
Glossário
Informações Técnicas
Loja
Permutas
Pessoas
Textos e Opiniões
Turismo
 
SUGESTÕES
Calendário agrícola
Confrarias
Datas comemorativas
Feriados Municipais
História do Calendário
Meses do ano
Províncias de Portugal
 
 

Pub  
   
»» Romarias de Portugal >> Trás-os-Montes e Alto Douro Pub
Pub    
  Romaria de Nossa Senhora dos Remédios
 

Tal como a silhueta do santuário, com a sua monumental escadaria, domina a cidade de Lamego, também a romaria de Nossa Senhora dos Remédios (6, 7 e 8 de Setembro) tem um peso preponderante relativamente a outras festividades religiosas vizinhas, atraindo romeiros do vale do Douro, da Beira e até de regiões do Minho.

No local do actual santuário existia, desde 1361, uma ermida dedicada a Santo Estêvão e que também atraía peregrinos vindos de muito longe. Dois séculos depois o pequeno templo ameaçava ruína, o que levou o Bispo da cidade, D. Manuel de Noronha, a decidir-se por erguer nas vizinhanças uma nova igreja.

Num dos altares mandou colocar uma imagem de Nossa Senhora com o Menino ao colo, trazida de Roma, que depressa ganhou fama por remediar os males de que os crentes se queixavam.

A fama de Nossa Senhora dos Remédios começou a crescer na mesma proporção em que diminuía a devoção a Santo Estêvão, ao ponto de, em 1784, ter sido constituída uma confraria com a missão de edificar um novo santuário. As obras iniciaram-se dois anos depois, mas, dada a sumptuosidade do projecto, arrastaram-se até 1905.

O altar-mor é dominado por um trono com a imagem da Senhora dos Remédios. Os dois altares laterais são dedicados aos pais da Virgem, São Joaquim e Santa Ana. Os azulejos das paredes, da autoria de Miguel Costa, narram episódios da vida de Nossa Senhora.

O vasto escadório vence o desnível entre Lamego e o santuário, tendo nada menos de 686 degraus. É, por excelência, um dos locais de cumprimento de promessas. O patamar mais alto é o Pátio dos Reis e nele estão representados 18 monarcas e sacerdotes de Israel pertencentes á árvore genealógica da Virgem. Dos sucessivos patamares tem-se esplêndida vista sobre a cidade e o vale do Douro.

Esta festa é uma romaria no sentido mais lato do termo. Para além dos aspectos estritamente religiosos há todo um aspecto lúdico materializado em jogos populares, bailes, comida e bebida. A «noitada», marcada por arraiais – uns mais organizados e outros mais espontâneos -, continua a atrair multidões. Este exaltar dos sentidos, que pode passar pelos excessos da comida, da bebida, do namoro ou da pancadaria, nem sempre foi muito bem visto pela hierarquia religiosa. De resto, desde o final do século passado [séc.XIX] até ao salazarismo houve um combate das autoridades eclesiásticas e policiais aos «excessos dos arraiais».

Página seguinte>>>

Conhecer outras Romarias de Portugal>>>


   

Também poderá gostar de ler sobre...

» Festa da Senhora da Piedade
Caniçal
» Festa do Senhor Santo Cristo dos Milagres
S. Miguel
» Cavalhadas
S. Miguel
» Romaria de São Mamede
Janas - Sintra
» Festa das Fogaceiras
Sta Maria da Feira
» Festa dos Caretos
Podence - Macedo de Cavaleiros
 
  Gosta da página? Partilhe!

Pub

     

        

Se não encontrou nesta página o que procurava, pesquise em todo o Portal do Folclore Português
 



Acompanhe, em primeira mão as actualizações do Portal do Folclore Português:

FOLCLORE DE PORTUGAL - O Portal do Folclore e da Cultura Popular Portuguesa não se responsabiliza pelo conteúdo dos sítios registados
© Copyrigth 2000/2014  - Todos os direitos de cópia reservados - Webmaster