Provérbios sobre os frutos e sobre o pão

 

Provérbios sobre o pão
» Pão pela cor, vinho pelo sabor.
» Pão que veja, vinho que salte, queijo que chore.
» Pão que sobre, carne que baste, vinho que falte.
» Por carne, vinho e pão, deixa tudo o que te dão.
» Pão de centeio, melhor no ventre que no seio.
» Pão do vizinho tira o fastio.
» Pão de taberna não farta nem governa.
» Fraca é a padeira que diz mal do seu pão.
» Com pão, baila o cão se lho dão.
» Com pão e vinho, anda caminho.
» Não há mau pão com boa fome.
» Quando há fome, não há pão mal feito.
» Saboroso é o pão duro, quando não há mais nenhum.
» Vale mais pão duro que figo maduro.
» Vale mais pão duro que nenhum.
» Vale mais um pão com Deus que dois com o diabo.
» Vale mais pão hoje que galinha amanhã.
» Caldo sem pão só no inferno o dão.
» Lágrimas com pão ligeiras são.
» Quem dá o pão dá a criação.
» Quem dá o pão dá o pau.
» Quem quer o filho ladrão tira-lhe o pão.
» Fidalgo sem pão é vilão.
» De mau grão, mau pão.
» Em ano de pão, guarda pão.
» Onde há pão, há ratos.
» Casa onde não há pão, todos ralham e ninguém tem razão.
» Nem mesa sem pão, nem exército sem capitão.
» Fraca é a mesa que não deixa migalhas.
» Migalhas também é pão.

Poderá também gostar de ficar a conhecer
Provérbios sobre o vinho
Adágios sobre o S. Martinho
Provérbios populares sobre meses do ano
Provérbios sobre a família
Provérbios populares e expressões sobre a comida

Provérbios sobre os frutos
» Amêixoas e ameixoeiras Deus as tire das nossas leiras.
» Ano de ameixas: ano de queixas.
» As Castanhas apanham-se quando caem.
» Do Cerejo ao castanho, bem me avenho. Do castanho ao cerejo, mal me vejo.
» Favas, Maio as traz, Maio as leva.
» Ano de Feijões, ano de pulgas.
» Ano de Figo temporão, ano de pão.
» Figo caído, para o senhorio; figo quedo, para mim.
» Uns comem os figos, a outros rebenta-lhes a boca.
» No tempo dos figos, não há amigos.
» O figo, para ser bom, deve ter pescoço de enforcado, roupa de pobre e olho de viúva.
» Tinha um figo para dar ao meu amigo, mas vi-o, comi-o.
» A Laranja, de manhã, é oiro; à tarde, é prata; e, à noite, mata.
» Vale mais uma laranja, em Janeiro, que maçã, de madureiro.
» O Melão e a melancia só se conhecem depois de abertos.
» São mais as Nozes do que as vozes.
» Dá Deus as nozes a quem não tem dentes.
» Em ano de nozes, prepara a lenha para o Inverno.
» De pequenino, se torce o Pepino.
» Com teu amo não jogues as Pêras: ele come as maduras e dá-te as verdes.
» Muita parra e pouca Uva.

1) in Literatura Popular de Trás-os-Montes e Alto Douro – Joaquim Alves Ferreira, IV Volume, 1999 | Imagem de moritz320 por Pixabay 

 

Facebook