Pessoas ligadas à Etnografia e ao Folclore

 

Sem dúvida que as pessoas são uma das maiores riquezas que Portugal tem. Como indivíduo, com características pessoais únicas e irrepetíveis, ou como membro de um um grupo sócio-cultural e/ou económico, o Português é, nas palavras de Jorge Dias “… um misto de sonhador e de homem de acção, a que não falta certo fundo prático e realista. (…) é mais idealista, emotivo e imaginativo do que homem de reflexão. O Português é, sobretudo, profundamente humano, sensível, amoroso e bondoso, sem ser fraco. Não gosta de fazer sofrer e evita conflitos, mas, ferido no seu orgulho, pode ser violento e cruel.1

«Como processo social, o folclorismo insere-se em contextos nacionais específicos. (…) Destaca-se o aparecimento de um discurso etnográfico próprio, paralelo e concorrente com o discurso científico. O universo social do folclore é encarado pelo poder político como um espaço para a construção dum consenso nacional com o objectivo de neutralizar conflitos globais da nação (luta de classes, questão religiosa). O processo português de folclorização caracterizou-se por uma mobilização da sociedade em torno de uma luta de gostos que substituiu a impossibilidade de debater a conflitualidade social2

Ao longo dos últimos 150 anos, muitas pessoas dedicaram ou têm dedicado as suas vidas à investigação, recolha, preservação e divulgação da Cultura Popular Portuguesa, nas suas diversas vertentes.

Neste espaço vamos disponibilizar informações biográficas e outras sobre aqueles(as) que, ao longo da sua vida e por muitos anos, assumiram, com espírito de missão, a defesa da Cultura Popular Portuguesa como uma tarefa inadiável e que urge continuar, pois “Temos obrigação de salvar tudo aquilo que ainda é susceptível de ser salvo, para que os nossos netos, embora vivendo num Portugal diferente do nosso, se conservem tão Portugueses como nós e capazes de manter as suas raízes culturais mergulhadas na herança social que o passado nos legou.”3

Francisco Manuel Alves (Abade de Baçal) – Figura proeminente em Trás-os-Montes no século XIX, nasceu em Bragança, a 9 de Abril de 1865. Era filho de agricultores – Francisco Alves Barnabé e Francisca Vicente. O seu nome próprio era Francisco Manuel Alves, tendo feito o curso Teologia no Seminário de São José de Bragança e sido ordenado em 1889.

Primeiramente pároco de Mairos, passou depois para a paróquia da sua terra, Baçal, dedicando-se ao estudo arqueológico e histórico da região. Continuar a ler

António Jorge Dias (Porto, 31 de Julho de 1907 – Lisboa, 5 de Fevereiro de 1973) – Etnólogo português, nascido no Porto. Estudou Filosofia Germânica na Universidade de Coimbra e, entre 1938 e 1947, foi leitor de português nas universidades alemãs de Rostock, Munique e Berlim, e nas espanholas de Santiago de Compostela e Madrid.

Especializou-se em Etnologia na Alemanha, onde fez doutoramento em 1944, com a tese “Vilarinho dos Furnas, Uma Aldeia Comunitária“, na Universidade de … Continuar a ler

António Lourenço Fontes – Nasceu em Cambezes do Rio, uma aldeia do Barroso, próxima do Rio Cávado, em 22 de Fevereiro de 1940, e teve onze irmãos.

Ingressou no Seminário em Vila Real, em 1950, tendo completado a formação em 1962. Ordenado em 1963, foi colocado em Tourém, onde esteve oito anos. Ainda celebrava Missa em Pitões das Júnias e em Covelães. Continuar a ler

António Joaquim Magalhães Cabral – Nasceu em Castedo do Douro, a 30 de Abril de 1931 e faleceu a 23 de Outubro de 2007. Possuía o Curso Teológico do Seminário de Vila Real e a licenciatura em Filosofia pela Universidade do Porto. Além de professor, tinha jornadeado pelo país (centros culturais, escolas do ensino básico, secundário e universitário) e pelo estrangeiro, mormente pela Galiza, falando sobre os temas que lhe são preferidos: literatura, jogos populares e pedagogia do jogo. Continuar a ler

Augusto Gomes dos Santos (Arcozelo, 23.07.1924 – Arcozelo, 9.07.2011) dedicou mais de 40 anos da sua vida à divulgação do folclore, da etnografia e das tradições populares portuguesas.

Fundou a Federação do Folclore Português em 1977 (tendo sido Presidente da Direcção desde a sua fundação até 2004, e depois foi seu Presidente Honorário), dirigiu diversos Ranchos em Arcozelo, e organizou/coordenou, durante muitos anos, o Festival de Folclore Nacional do Algarve. Continuar a ler

Ernesto Luís Alves da Veiga de Oliveira – Nasceu no dia 24 de Julho de 1910, na Foz do Douro – Porto, e faleceu no dia 14 de Janeiro de 1990, em Lisboa. Embora oriundo de famílias nortenhas: MinhoTrás-os-MontesDouro Litoral, e até da Galiza, teve uma vivência, educação e hábitos verdadeiramente cosmopolitas.

Etnólogo, responsável pela renovação desta Ciência em Portugal, licenciou-se na Faculdade de Direito, em 1932, e na Faculdade de Ciências Histórico-Filosóficas… Continuar a ler

Fernando Lopes-Graça – (Tomar, 17 de Dezembro de 1906 — Parede, Cascais, 27 de Novembro de 1994) – Um dos mais notáveis compositor e musicólogo contemporâneos. Formado no Conservatório Nacional de Lisboa, estreou-se com “Variações sobre Um Tema Popular Português”, 1929, para piano.

Presencista desde a primeira hora colabora na revista até que em 1936 parte para Paris, onde, de 1937 a 1939, estudou Musicologia na Sorbonne. Regressado a Portugal,… Continuar a ler

Gonçalo António da Silva Ferreira Sampaio – Botânico, musicólogo e professor universitário. Nasceu em São Gens de Calvos, Póvoa de Lanhoso, no ano de 1865, e faleceu na cidade do Porto a 28 de Julhode 1937.

De origens humildes, foi com algum sacrifício de parentes e amigos que iniciou os seus estudos na cidade de Braga e os continuou no Porto. Matriculou-se na Universidade de Coimbra com a intenção de se licenciar em Matemática. Continuar a ler

Joaquim Teófilo Fernandes Braga (Ponta Delgada, 24 de Fevereiro de 1843 — Lisboa, 28 de Janeiro de 1924) – Escritor (poeta e ensaísta), sociólogo e político português. Estudou direito em Coimbra a partir de 1861, doutorando-se sete anos depois. Foi regente da cadeira de literaturas modernas no curso superior de letras, em Lisboa. Fez parte do grupo de intelectuais que, insurgindo-se contra o ultra-romantismo e o estado da nação, originaram a Questão Coimbrã.

Republicano, dirigiu o governo republicano provisório… Continuar a ler

José Leite de Vasconcelos (Ucanha, Tarouca – 7.7.1858 / Lisboa-17.1.1941) – Escritor, arqueólogo, numismata, professor universitário e notável etnólogo e filólogo, era descendente de família da nobreza rural.

Com a idade de dezassete anos e meio foi para a cidade do Porto, levando consigo o exame de instrução primária e um pouco de Latim e Francês. Tira o Curso dos Liceus em três anos (1876-1879) e o de Ciências Naturais de 1879 a 1881. Continuar a ler

Michel Giacometti (Ajaccio, Córsega, 8 de Janeiro de 1929 – Faro, 24 de Novembro de 1990) foi um etnomusicólogo corso que fez importantes recolhas etno-musicais em Portugal. Estudou na Suécia, doutorando-se posteriormente na Universidade da Sorbonne (Paris).

Numa visita ao Museu do Homem, em Paris, a música popular portuguesa despertou-lhe um interesse tal que fez com que se mudasse para o nosso país, em 1959, tendo-se instalado em Bragança. Continuar a ler

Pedro Homem de Mello (Porto, 6.9.1904-ib, 5.3.1984) – Poeta. Em 1926 formou-se na Faculdade de Direito de Coimbra. Foi Delegado do Procurador da República em Águeda (1927) e exerceu a advocacia.

Professor do Ensino Secundário, foi Director da Escola Comercial Mouzinho da Silveira. Estudioso do folclore português, dedicou a este campo numerosos programas na televisão e ensaios como A Poesia na Dança e nos Cantares do Povo Português, 1941…. Continuar a ler

Rosa Barbosa Lopes, conhecida por Rosa “Ramalho” (ou Ramalha), nasceu a 14 de Agosto de 1888, em Galegos S. Martinho, concelho de Barcelos, filha de um sapateiro e de uma tecedeira. Aprendeu a “acariciar” o barro desde muito nova: primeiro na casa de um vizinho, e depois, com apenas 13 anos, estabelecendo-se por conta própria. Com apenas sete anos de idade, começou a reproduzir em barro os cestos de vime que via os ciganos fazer.

Aos 18 anos, casou com um moleiro, de quem teve sete filhos… Continuar a ler

Tomaz Ribas (Tomaz Emídio Leopoldo de Carvalho Cavalcanti de Albuquerque Schiappa Pectra Sousa Ribas) – Escritor e etnógrafo (n. Alcáçovas, Viana do Alentejo – 20.6.1918 / m. Lisboa, Campolide – 21.03.1999). No Conservatório Nacional concluiu o curso especial de Dança e Coreografia. Foi professor no Teatro Nacional de S. Carlos e no Instituto de Novas Profissões. Cultivou o jornalismo, fazendo crítica de Teatro e de Ballet. Praticou encenação coreográfica e teatral e participou em movimentos teatrais de vanguarda. De 1977 a 1986 foi Delegado no Algarve da Secretaria de Estado da Cultura… Continuar a ler

1 Jorge Dias, em “Os Elementos Fundamentais da Cultura Portuguesa
2 Francisco Martins Ramos, em “Etnografia Geral Portuguesa
3 Jorge Dias