Padre António Lourenço Fontes | Pessoas

 

Padre António Lourenço Fontes – Nasceu em Cambezes do Rio, uma aldeia do Barroso, próxima do Rio Cávado, em 22 de Fevereiro de 1940, e teve onze irmãos.

Ingressou no Seminário em Vila Real, em 1950, tendo completado a formação em 1962. Ordenado em 1963, foi colocado em Tourém, onde esteve oito anos. Ainda celebrava Missa em Pitões das Júnias e em Covelães.

O seu meio de transporte, um cavalo, atendendo a que não havia estradas dignas desse nome, servia-lhe para ir para as paróquias celebrar a missa.

Em Tourém criou uma escola, iniciou cursos agrícolas, cursos de bordadura, requisitou leite, farinha, manteiga e óleo à Cáritas, começou por dar as refeições confeccionadas na casa paroquial, onde vivia com uma irmã, já que se desse os alimentos, alguns vendiam-nos.

Ao fim de dois anos o seu meio de transporte muar foi substituído por uma motorizada. Deixou Tourém em 1971 e foi para Vilar de Perdizes, já lá vão mais de 38 anos. Para além desta paróquia tem a seu cargo Mexide e Soutelinho da Raia. Todos os dias celebra Missa em Vilar de Perdizes às oito e meia da manhã.

O Pe. António Fontes é, sem dúvida, um dos principais defensores da cultura popular da região do Barroso, onde Vilar de Perdizes se insere: fundador e principal dinamizador, durante largos anos, do Congresso de Medicina Popular que, anualmente, e no primeiro fim-de-semana de Setembro se realiza naquela localidade, desde 1983, recorda que este nasceu numa altura em que as tradições e a medicina popular antiga estavam a cair em desuso devido à concorrência ou oposição da “medicina química ou moderna”, assim como da “necessidade de registar e dar a conhecer o uso da medicina caseira, tradicional, ainda muito válida”.

Fundador e Director, desde 1980 e durante 25 anos, do Jornal “Notícias do Barroso”, colaborou com outros periódicos regionais e nacionais. Publicou, em colaboração com Barroso da Fonte, um livro sobre os usos e costumes de Barroso, a que deu o título “Etnografia Transmontana” (obras em 2 volumes), e que Viale Moutinho baptizou de Bíblia dos Barrosões.

Escreveu, ainda, “Misarela, a Ponte do Diabo” e “Medicina Popular Barrosã – Ensaio de antropologia médica”, em colaboração com João Gomes Sanches, entre muitas outras obras.

Reconstruiu em Mourilhe o solar do Outão do séc. XVlll, agora hotel rural Sª dos Remédios, centro cultural de promoção e divulgação das terras e cultura Barrosã onde acolhe turistas, visitantes, doentes, universidades e estudantes, artistas, e comunicação social.

Neste momento, o Sr. Padre António Fontes já não tem paróquias a seu cargo.

Fonte: texto elaborado com base em informações recolhidas em diversos sites

Poderá ainda gostar de ler sobre
Ernesto Luís Alves da Veiga de Oliveira
António Jorge Dias
José Leite de Vasconcelos
Pedro Homem de Mello
Tomaz Ribas