[ INÍCIO ]   [ Sobre o Portal ]  [ FAQs ]  [ Registar site ou blog ]  [ Enviar informações ]  [ Loja ]   [ Contactos ]

 
"Temos obrigação de salvar tudo aquilo que ainda é susceptível de ser salvo, para que os nossos netos, embora vivendo num Portugal diferente do nosso, se conservem tão Portugueses como nós e capazes de manter as suas raízes culturais mergulhadas na herança social que o passado nos legou."  (Jorge Dias)
 
 
 
Arquitectura e construções
Artesanato
Cancioneiros Populares
Danças Populares
Festas e Romarias
Grupos de Folclore
Gastronomia e Vinhos
Instrumentos musicais
Jogos Populares
Lendas
Literatura Popular
Medicina Popular
Museus Etnográficos
Música Popular
Provérbios
Religiosidade Popular
Romanceiros
Sabedoria Popular
Superstições e crendices
Trajos
Usos e Costumes
 
Agenda de iniciativas
Bibliografia temática
Ciclos
Feiras
Festivais de Folclore
Glossário
Informações Técnicas
Loja
Permutas
Pessoas
Textos e Opiniões
Turismo
 
SUGESTÕES
Calendário agrícola
Confrarias
Datas comemorativas
Feriados Municipais
História do Calendário
Meses do ano
Províncias de Portugal
 
 

Pub  
   
»» Gastronomia Regional e Vinhos > Peculiaridades das Gastronomias Regionais Pub

Beira Alta
 


CAVACAS DE RESENDE

Ò freguesinho, não vai meio arrátele? Olhe que são de Resende!”, era desta forma que as doceiras do concelho apregoavam, no século XIX, um dos doces regionais mais deliciosos e apreciados nesta região duriense: as Cavacas de Resende.

Este relato é referido num Jornal da época, que ainda salienta o seguinte: “Logo de manhã as doceiras estendiam sobre a toalha, toda franjada de rendas, vários doces muito cobertos de açúcar que despertavam a gulodice dos romeiros”.

Não havia quem resistisse àquele pregão e muito menos às Cavacas!

Nessa época, eram feitas em diversos locais do concelho, nomeadamente Felgueiras, Pimeirol, Vinhós, Lages e Corvo e eram vendidas nas feiras, festas e romarias.

Na Páscoa, este doce era oferecido como folar e no Natal, havia a tradição dos caseiros oferecerem cavacas aos patrões, colocadas em “condessas” (pequenas cestas), épocas do ano em que a procura aumentava e as doceiras “não tinham mãos a medir”, muitas vezes trabalhando dia e noite.

Hoje, as Cavacas encontram-se à venda durante todo o ano em quase todos os cafés, pastelarias e restaurantes do concelho e, como a sua confecção é aparentemente fácil, há muitas pessoas que as sabem confeccionar, não correndo o risco de esta tradição acabar.

Origem
Sobre a origem deste precioso doce não há registos, no entanto, existe uma lenda que defende o seguinte: na Idade Média, uma senhora que residia em Vinhós preparava a boda de casamento da sua filha e confeccionou o bolo de noiva, entretanto, o casamento teve de ser adiado devido a uma peste que estava a assolar o concelho e, dadas as parcas possibilidades económicas, a senhora viu-se obrigada a conservar o bolo até á data do casamento, pelo que retirou a parte de cima daquele e molhou a parte restante numa calda de açúcar que lhe restituiu a frescura e fez as delícias de todos os convidados.

Confecção
Esta delícia da doçaria tradicional, conhecida desde tempos imemoriais, ainda é feita, por regra, à moda antiga, mexida à mão e cozida nos fornos alimentados a lenha, tal como faziam no tempo dos nossos avós.

A Cavaca, que mede cerca de 5 cm de comprimento por 2,5 cm de largura e 2 cm de espessura necessita para a sua confecção de apenas três ingredientes: ovos, farinha e açúcar. A receita para 12 cavacas é a seguinte:

Ingredientes:
8 ovos e 7 gemas
750 gramas de açúcar
280 gramas de farinha
Manteiga q.b (para untar o tabuleiro)

Introduza os ovos inteiros e as gemas num alguidar. Acrescente 250 gramas de açúcar e bata muito bem até obter um preparado branco e espumoso. Junte-lhe a farinha e bata até a massa ficar bem ligada e homogénea. Deite-a num tabuleiro de bordos altos bem untado e leve a forno brando para cozer. Entretanto, faça uma calda em ponto de espadana com o restante açúcar e 2 dl de água. Uma vez a massa cozida, vire-a sobre um guardanapo e deixe-a arrefecer. Corte-a depois em rectângulos de 5 cm de espessura, passe-os pela calda de açúcar e farinha e deixe-os secar sobre uma grade.

Segundo o método artesanal, a massa bate-se num aparelho movido à mão denominado “banco” (utensílio constituído por um alguidar dentro de um banco, ladeado por umas correias que batem a massa), devem utilizar-se ovos muito frescos e caseiros e a sua cozedura deve realizar-se no forno a lenha, numa apologia do que é tradicional é bom. Depois da cozedura, são cobertas com a calda já referida e o resultado são doces maravilhas, que acompanhadas por um cálice de vinho do Porto, fazem as delícias de muitos.

Mas, não se iludam os que tencionam confeccionar esta iguaria, pois, para além de a tradição ser um dos segredos do sucesso, há quem afirme que as Cavacas são um doce fino que só as mulheres de Resende o sabem

Fonte


Outras peculiaridades>>>
 


Pub  

 

 

Pub

     

        

Se não encontrou nesta página o que procurava, pesquise em todo o Portal do Folclore Português
 



Acompanhe, em primeira mão as actualizações do Portal do Folclore Português:

FOLCLORE DE PORTUGAL - O Portal do Folclore e da Cultura Popular Portuguesa não se responsabiliza pelo conteúdo dos sítios registados
© Copyrigth 2000/2014  - Todos os direitos de cópia reservados - Webmaster