Festa da Coca em Monção – Alto Minho

 

Entusiasmada com os avanços da Coca, a multidão acicata São Jorge para que invista sobre o mostro. A luta começa logo após a procissão do Corpo de Deus, na Praça de Deuladeu, em Monção. A assistência forma um círculo em torno do dragão e do cavaleiro. Este representa São Jorge. Designado por Coca, o «animal» é constituído por uma armação em madeira que homens movimentam a partir do interior. A batalha termina sempre com a vitória do santo que, num último assalto, corta uma das orelhas à Coca. Desconhece-se o que fez surgir esta tradição de que há memória desde o século XVI, e que não se repete em mais nenhuma localidade do país.

Envolto numa capa vermelha, armado de elmo e lança, o cavaleiro faz-se ao dragão desferindo-lhe rudes golpes, de modo a desfazer-lhe a carapaça. As cores berrantes do mostro chegam por vezes a assustar o cavalo. Mas o gáudio das gentes atinge o rubro quanto o santo enfrenta a Coca e lhe rouba a orelha. Sem ela o dragão fica incapacitado para continuar a lutar. Esvazia-se a praça: o Mal foi vencido pelo cavaleiro do Bem. É aqui que radica a génese da Festa da Coca, palavra que no Minho significa maldade.

No largo onde se dá a luta da Coca – o antigo terreiro – ergueu-se um monumento a Deuladeu, a mulher de Vasco de Abreu, o alcaide de Monção quando governava D. Fernando I. Esta mulher protagonizou, tal como o combate contra a Coca, uma mítica história ligada à defesa da vila. Durante um cerco castelhano, vendo que a presença das tropas inimigas se perpetuava além das possibilidades de defesa, decidiu cozer uns pães com a escassa farinha que lhes restava e atirá-los aos sitiantes, com o recado de que, se precisassem de mais mantimentos, ainda havia cereal disponível. Acreditaram nisso as tropas de Henrique II de Castela e levantaram cerco, por afinal estarem tão mal de provisões como os sitiados. A audaz Deuladeu, na praça com o seu nome, está representada com uma peneira de farinha na mão esquerda, numa clara alusão à acção que a tornou famosa.

Poderá também gostar de ler sobre
A centenária Festa dos Tabuleiros em Tomar
Romaria de Nossa Senhora d’Agonia
Romaria ao Senhor da Serra
Festas em honra de S. Sebastião
Romaria de S. Bartolomeu do Mar

Importante praça na defesa da fronteira, na margem esquerda do rio Minho, [Monção] foi dotada de um castelo no século XIV, durante o reinado de D. Dinis.

Fonte: GUIA Expresso “O melhor de Portugal” – 12 – Festas, Feiras, Romarias, Rituais | Imagem