Denominações de Origem dos Vinhos Portugueses

 

«Pelo seu ditoso clima, Portugal possue condições em extremo favoraveis ao desenvolvimento da videira, que apresenta ao mesmo tempo muitas variedades, conforme as regiões: na de entre-Douro-e-Minho, mais fria, e de solo granítico, medra quasi exclusivamente a videira de vinho verde, conquanto a região do vinho verde seja mais extensa1; na parte média da bacia do Douro, paleozoica (pre-cambrica) e com declives extensamente assoalhados, medra a videira do vinho generoso; entre o Dão e o Mondego, em terrenos graniticos, medra a videira do vinho conhecida com o nome do primeiro d’estes rios; na Estremadura Cistagana, em terreno mesozoico, medra a videira do vinho de Torres; em pleno coração do Alentejo, quente e sêco, medra a videira do vinho de Borba e de Pera manca; no Algarve, região de estios calidos, e bafejada pelos ventos de Africa, medra a videira do vinho da Fuseta. Temos ainda outras regiões vitiferas que dão origem a vinhos notaveis: Bairrada, na Beira Ocidental, Colares, Bucelas, Carcavelos, na Estremadura Cistagana.» (foi mantida a ortografia original)

(1) Nos termos da Carta de Lei de 18 de Setembro de 1908, publicada no Diario do Governo nº215, a região do vinho verde é formada pelos distritos administrativos de Viana do Castelo e Braga, e pelos concelhos Mondim de Basto, no de Vila Real; de Santo Tirso, Vila do Conde, Povoa do Varzim, Bouças, Maia, Valongo, Paredes, Paços de Ferreira, Lousada, Felgueiras, Penafiel, Amarante, Marco de Canaveses, Baião e Vila Nova de Gaia, no do Porto; Castelo de Paiva, Macieira de Cambra, Arouca, Ovar, Feira, Oliveira de Azemeis e Estarreja, no de Aveiro; e Oliveira de Frades, Vouzela e S. Pedro do Sul, no de Viseu. (foi mantida a ortografia original)
 In Etnografia Portuguesa – Tentame de sistematização, Vol.II, Dr. J. Leite de Vasconcelos |

 

Dizem que « (…) um acidente enológico ocorrido em 1820 terá estado na origem de mudanças substanciais no processo de elaboração dos vinhos do Douro, ao ponto de provocar evoluções sucessivas que viriam a desembocar em algo parecido como o que hoje conhecemos como vinho do Porto.

Porém, não é menos verdade que foram as exigências colocadas pelo transporte para Inglaterra, o particular gosto dos consumidores britânicos e a necessidade de dar resposta às exigências do mercado a suscitar algumas mudanças decisivasIn “O melhor de Portugal” – Guia EXPRESSO”

 

 

1.- Vinho Verde
2.- Chaves
3.- Valpaços
4.- Planalto Mirandês
5.- Douro / Porto
6.- Távora – Varosa
7.- Lafões
8.- Bairrada
9.- Dão
10.- Beira Interior
Estremadura:
11.- Encostas de Aire
12.- Alcobaça
13.- Lourinhã
14.- Óbidos
15.- Alenquer
16.- Arruda
17.- Torres Vedras
18.- Bucelas
19.- Carcavelos
20.- Colares
21.- Ribatejo
22.- Setúbal
23.- Palmela
24.- Alentejo
Algarve25.- Lagos | 26.- Portimão | 27.- Lagoa | 28.- Tavira
29.- Madeira
Açores30.- Biscoitos | 31.- Pico | 32.- Graciosa
Fonte: IVV