[ INÍCIO ]   [ Sobre o Portal ]  [ FAQs ]  [ Registar site ou blog ]  [ Enviar informações ]  [ Loja ]   [ Contactos ]

 
"Temos obrigação de salvar tudo aquilo que ainda é susceptível de ser salvo, para que os nossos netos, embora vivendo num Portugal diferente do nosso, se conservem tão Portugueses como nós e capazes de manter as suas raízes culturais mergulhadas na herança social que o passado nos legou."  (Jorge Dias)
 
 
 
Arquitectura e construções
Artesanato
Cancioneiros Populares
Danças Populares
Festas e Romarias
Grupos de Folclore
Gastronomia e Vinhos
Instrumentos musicais
Jogos Populares
Lendas
Literatura Popular
Medicina Popular
Museus Etnográficos
Música Popular
Provérbios
Religiosidade Popular
Romanceiros
Sabedoria Popular
Superstições e crendices
Trajos
Usos e Costumes
 
Agenda de iniciativas
Bibliografia temática
Ciclos
Feiras
Festivais de Folclore
Glossário
Informações Técnicas
Loja
Permutas
Pessoas
Textos e Opiniões
Turismo
 
SUGESTÕES
Calendário agrícola
Confrarias
Datas comemorativas
Feriados Municipais
História do Calendário
Meses do ano
Províncias de Portugal
 
 

Pub  
   
»» Cancioneiros Populares >> Trás-os-Montes e Alto Douro Pub

Pub

   
  (<<<Início do texto)

«(...) Para marcar o ritmo dos movimentos, canta o lagareiro, ao pisar os cachos maduros que se transformarão em néctar dos deuses, e a donzela, ao espadelar o linho tomentoso que se transformará em toalhas de altar.

Para quebrar a solidão, canta o pastor, encostado ao cajado, enquanto apascenta o manso rebanho, e a dona de casa nas tarefas domésticas, enquanto aguarda a família ausente.

Para mitigar a saudade, canta o jovem apaixonado, a sonhar com o futuro, e o velho saudoso, a recordar o passado.

Para escamotear o medo, canta baixinho, o viandante nocturno, pelos caminhos desertos, e o soldado receoso, pelos campo de batalha.

Para esconjurar a tristeza, canta a pobre mãe, embalando o filhinho, com o presságio de alguma fatalidade do destino, e a esposa inquieta, pensando no marido, ausente no trabalho ou na guerra.

Para exteriorizar a alegria, cantam rapazes e raparigas, no terreiro da aldeia, depois dos trabalhos, ou no adro da ermida, em dias de festa.

Para rezar mais fervorosamente, canta o povo devoto, na celebração da liturgia ou no clamor das ladainhas.

Daí, a abundância da poesia popular, a reflectir as ocupações e preocupações, as alegrias e tristezas do nosso povo.

A estrutura usual dessa poesia é a quadra, de redondillha maior, e, menos frequentemente, de redondilha menor, com rima cruzada, apenas entre o segundo verso e o quarto.

Os temas são muito variados, mas o amor está na primeira linha.

As árvores, as flores e o frutos; a fonte, o rio e o mar; o Sol, a  Lua e as estrelas; as aves, os animais e as pessoas, tudo serve de inspiração, para falar do amor, como evasão da vida prosaica para o páramo da vida poética ou como espiritualização do material quotidiano.

É a saudade do paraíso perdido e a tentativa de a ele regressar.

A forma é policromada de metáforas, ingénuas e pinturescas, que fazem esquecer algumas falhas de métrica ou rima.

Tudo isto faz da poesia popular um apreciável tesouro, de beleza fascinante. (...)»

Joaquim Alves Ferreira in Literatura Popular de Trás-os-Montes e Alto Douro - II volume - Cancioneiro (Prefácio)


   

 

Pub

     

        

Se não encontrou nesta página o que procurava, pesquise em todo o Portal do Folclore Português
 



Acompanhe, em primeira mão as actualizações do Portal do Folclore Português:

FOLCLORE DE PORTUGAL - O Portal do Folclore e da Cultura Popular Portuguesa não se responsabiliza pelo conteúdo dos sítios registados
© Copyrigth 2000/2014  - Todos os direitos de cópia reservados - Webmaster