[ INÍCIO ]   [ Sobre o Portal ]  [ FAQs ]  [ Registar site ou blog ]  [ Enviar informações ]  [ Loja ]   [ Contactos ]

 
"Temos obrigação de salvar tudo aquilo que ainda é susceptível de ser salvo, para que os nossos netos, embora vivendo num Portugal diferente do nosso, se conservem tão Portugueses como nós e capazes de manter as suas raízes culturais mergulhadas na herança social que o passado nos legou."  (Jorge Dias)
 
 
 
Arquitectura e construções
Artesanato
Cancioneiros Populares
Danças Populares
Festas e Romarias
Grupos de Folclore
Gastronomia e Vinhos
Instrumentos musicais
Jogos Populares
Lendas
Literatura Popular
Medicina Popular
Museus Etnográficos
Música Popular
Provérbios
Religiosidade Popular
Romanceiros
Sabedoria Popular
Superstições e crendices
Trajos
Usos e Costumes
 
Agenda de iniciativas
Bibliografia temática
Ciclos
Feiras
Festivais de Folclore
Glossário
Informações Técnicas
Loja
Permutas
Pessoas
Textos e Opiniões
Turismo
 
SUGESTÕES
Calendário agrícola
Confrarias
Datas comemorativas
Feriados Municipais
História do Calendário
Meses do ano
Províncias de Portugal
 
 

Pub  
   
»» ARTESANATO >> Barro negro – Bisalhães – Vila Real Pub
Pub Barro negro (1)  
   

Bisalhães, aldeia vizinha de Vila Real, foi um dos mais importantes centros oleiros do norte do país. Os alguidares, potes e panelas que ali se faziam eram levados pelas mulheres, à cabeça, em grandes cestos e vendidos distrito fora. Ainda hoje os mais velhos contam como era duro calcorrear caminhos sinuosos, Marão acima, distâncias enormes percorridas pelos oleiros descalços, com os panelos às costas.

É a cozedura na soenga, forno escavado no chão, que dá a cor negra ao barro. Depois de estar em brasa, a loiça é abafada com musgo e terra, adquirindo o seu aspecto final. É o homem que trabalha na roda de oleiro. Usa pedras do rio para fazer o polimento das peças, o brunido. É também com pedras que as mulheres voltam a polir e a decorar.

No quadro da economia rural de tempos não muito distantes era costume trocar as peças por géneros alimentícios, servindo aquelas de medida. Por exemplo, um alguidar trocado por duas vezes a sua capacidade em batatas.

O plástico substituiu o barro no uso quotidiano. Agora já não se faz o café da manhã na chocolateira, nem se guarda o mel no pote com um bordo levantado que se enchia de água para desviar as formigas. A talha vinagreira já é dispensável e não se levam para o trabalho cantis, morigas ou bilhas com água ou vinho.

A via rápida (IP4) afastou os carros da sinuosa estrada do Marão (EN15) onde os oleiros mostravam e vendiam o seu trabalho em barracas. Havia, até há pouco, 40 oleiros em Bisalhães. [Agora restam quatro ou cinco] … à entrada de Vila Real onde mostram as bilhas do segredo e as da rosca.

A Feira dos Pucarinhos, realizada em Vila Real por altura do São Pedro (29 de Junho), continua a ser o local de encontro dos [pouquíssimos] fabricantes de louça negra e, embora sem as dimensões doutros tempos, continua a merecer visita.

Página seguinte>>>
 

   Gosta da página? Partilhe!


Pub

Pub

 

 

Pub

     

        

Se não encontrou nesta página o que procurava, pesquise em todo o Portal do Folclore Português
 



Acompanhe, em primeira mão as actualizações do Portal do Folclore Português:

FOLCLORE DE PORTUGAL - O Portal do Folclore e da Cultura Popular Portuguesa não se responsabiliza pelo conteúdo dos sítios registados
© Copyrigth 2000/2014  - Todos os direitos de cópia reservados - Webmaster