António Cláudio, Folclorista de Almeirim

 

António do Carmo Cláudio – Nasceu em Almeirim, a 19 de Março de 1927, localidade onde veio a falecer no dia 17 de Março de 2019. Licenciado em História, pela Universidade de Letras de Lisboa, em 1979, foi um reconhecido etnógrafo e folclorista, músico filarmónico, historiador e poeta, que dedicou uma grande parte da sua vida à cultura, nomeadamente à história local e às tradições populares de Almeirim

Membro fundador do Rancho Folclórico da Casa do Povo de Almeirim, a cuja direcção presidiu durante largas décadas, integrou a Comissão Executiva do Festival Internacional de Folclore de Santarém, e foi, ainda, membro da Federação do Folclore Português (FFP), tendo  integrado o Conselho Técnico Regional do Ribatejo e presidido à Assembleia Geral da FFP.

Foi vereador do Pelouro da Cultura da Câmara Municipal de Almeirim durante dezasseis anos (1976-1993), tendo dirigido a Biblioteca Municipal de Almeirim, onde desenvolveu um trabalho notável ao nível da pesquisa, recolha e divulgação de aspectos históricos e sociais do concelho de Almeirim, e sido o responsável pela criação e edição do Boletim Municipal e dos Cadernos Culturais.

Publicou igualmente os Cadernos Culturais “Brasões de Almeirim” e “Toponímia de Almeirim” bem como outras publicações editadas pela Câmara Municipal. Foi correspondente do jornal “Diário de Notícias”, chefe de redação da revista “Folclore”, colaborador e diretor do jornal “O Almeirinense”, e colaborou noutros jornais e revistas com textos em prosa e em poesia.

Escreveu ainda para teatro, “Canto da Hora Presente” e “No Olival da Folha”, este último baseado num conto do Dr. José Amaro de Almeida. Desenvolveu várias atividades culturais, destacando-se, entre outras, o espetáculo recreativo “Ping-Pong”, entre 1970 e 1974.

Poderá também gostar de ler sobre
Pedro Homem de Mello
José Leite de Vasconcelos
Rosa Ramalho (Rosa Barbosa Lopes)
Ernesto Luís Alves da Veiga de Oliveira
António Jorge Dias

Como funcionário do Instituto de Emprego e Formação Profissional, efetuou o levantamento do artesanato do distrito de Santarém, do qual foi publicado o livro “Artesanato da Região de Lisboa e Vale do Tejo”. A partir de 1951, apresentou, na antiga Rádio Ribatejo, em Santarém, diversos programas com destaque para a temática do Folclore.

Foi membro do primeiro Corpo Ativo dos Bombeiros Voluntários de Almeirim, músico da Banda Marcial de Almeirim e da extinta Orquestra Ribatejo.

Em 1994, foi-lhe atribuída pela Câmara Municipal de Almeirim, a Medalha Municipal de Valor e Mérito-Grau Ouropela importante e prestigiosa contribuição para o desenvolvimento do Concelho de Almeirim”.

Imagem de destaque